Gaby Amarantos fala sobre racismo: ‘Aperta o coração’

Única mulher negra no sofá do “Saia justa”, do GNT, Gaby Amarantos tem consciência e sabe da importância do papel que assume. Por isso, não esconde que rola uma pressão.

Do Extra 

Foto: Caio Kenji/G1

“Tem a pressão de ser pessoa pública que fala alguma coisa que pode se tornar um absurdo. Não é só o sofá, mas o mundo, o planeta. É legal, porque a gente tem que ver o que vai falar, que não vamos normalizar preconceito, não estamos mais na década 80 que fazíamos piadas com negro, índio, gay era legal… As coisas mudaram. Estamos vivendo uma fase de transformação. Ali no ‘Saia justa’ eu estou entre mulheres que me acolhem e me respeitam. Mas elas sabem que às vezes tem coisas que eu estou falando que, por mais que elas queiram, elas não vão entender porque são todas mulheres brancas”, diz Gaby em entrevista a youtuber Jout Jout.

A dor do racismo é um exemplo.

“O racismo é uma parada tão foda, que te aperta o coração. É um trauma. Já sofri um acidente de carro e a fatalidade do racismo. O racismo é pior. Dói tanto. Só que não tem ferimentos aparente. Não tem braço que quebrou. Foi seu coração, cara. Eu sou uma pessoa pública, as pessoas acham que a gente não passa isso. Eu falo sobre racismo, porque se eu que sou artista passa por isso, imagina a mulher preta da periferia?”

A cantora aproveitou para deixar uma mensagem aos espectadores, dispensando qualquer fala considerada um “mi mi mi”.

“Eu vivi com o racismo a minha vida inteira, não queria, mas tive que aprender, então vão ter que aprender a me ouvir”.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

“Eu sou de uma terra que tem a música comandada por mulheres” #SaiaJustaBelem #SaiaJustaNoGNT @canalgnt

Uma publicação compartilhada por Gaby Amarantos (@gabyamarantos) em

+ sobre o tema

“Não me separei porque eu não gosto de você. Me separei porque eu sou gay”

Quatro pais contam como assumiram a homossexualidade para eles...

Anistia Internacional grava vídeo comovente com parentes de Marielle Franco. Veja aqui

Por ocasião dos quatro meses do assassinato de Marielle...

Mulheres negras conduzem debate para superação do racismo e sexismo no poder público

Feministas negras especializadas em política, saúde, relações sociais e...

Recadim: “Eu, entre esquerda e direita, continuo sendo preta” – por Fátima Oliveira

O título é uma frase da filósofa Sueli Carneiro,...

para lembrar

O que está por trás do termo “feminazi”

A popularização do termo em discussões na rede e...

Candai Calmon, a bailarina que carrega ancestralidade em cada movimento

Com sua dança, ela conecta pessoas nos quilombos que...

Morre no Rio, Tia Maria do Jongo da Serrinha, aos 98 anos

Ela passou mal na manhã deste sábado (18) e...

Coordenadora do MAB é morta com requinte de crueldade no Pará

“Ela era uma grande referência do MAB na região”,...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=