Gente boa também mata

Por Lelê Teles, enviado para o Portal Géledes

Reprodução/ Twitter

Quem reclamou de 2016 e apostou que ‘17 seria melhor, quebrou a cara logo no réveillon.

É que na noite da festa das roupas brancas, ao invés das sete ondinhas, um sujeito pulou um muro, arma em punho, e passou a disparar freneticamente.

Fez 13 vítimas, entre elas a ex-esposa, o filho pequeno e ele próprio.

Matou mais mulheres que homens.

A carta que deixou estava recheada de ódio às mulheres de maneira geral: “vadias ardilosas”.

Se um diabo desses tivesse acontecido em Berlim ou em Paris, os nossos bravos bonecos de ventríloquo d’além mar já estariam colocando na cena do crime o que eles chamam de estado islâmico.

Diriam que o terrorista deixou – eles sempre deixam – o documento de identidade cair debaixo da arma, para provar que ele era ele mesmo.

Aí falariam do defunto o que bem quisesse, defuntos não se defendem.

Diriam que o sujeito fez pesquisas na internet e havia ali algumas palavras de origem árabe como azeitona, xadrez, algarismo etc., o que automaticamente o ligaria ao terrível daesh.

Fazem isso porque buscam uma motivação, tentam montar uma narrativa para tentar compreender a mentalidade do criminoso por meio do discurso que o seu ato produz.

Mas o crime se deu aqui e, antes que o careca-capinador-de-maconha ligasse o assassino a alguma célula terrorista da tríplice fronteira, veio à tona algumas mensagens escritas pelo assassino.

E, veja que curioso, as mensagens eram na verdade uma compilação dos clichês estúpidos que a mídia passou a ventilar por aí, vocalizando e dando visibilidade a uns celerados como frota, Malafaia, Janaína Paschoal, Bolsonaro e afins.

Mas a nossa tão diligente mídia não se prestou a fazer essa associação, sequer tentou analisar o discurso de ódio do assassino.

Era só colocar lá um daqueles “papagaios-especialistas” e ele dizer: sim, é cria nossa, tudo o que ele disse ali nós estamos carecas de dizer aqui aos microfones e aos quatro ventos.

Bingo.

Veja um exercício simples: agrupe algumas fotos de cartazes usados nas raves cívicas e você terá um mosaico com todos os termos usados nas mensagens do criminoso.

Notem que o Facebook tá cheio de laiques para o tipo de postura assumida pelo sujeito: misoginia, machismo, ódio às esquerdas e aos direitos dos manos etc.

Porque a midiazona não fez esse tipo de relação? simples, associações são feitas quando são convenientes a quem as faz.

Nas caixas de comentários dos grandes portais, “homens de bens” tentam defender o agressor, culpar as vítimas e até dizer que fariam o mesmo.

Embora o nosso código penal seja claro ao definir a apologia ao crime como crime também, esses celerados não serão punidos, nem os portais que lhes dão visibilidade.

É a omissão conivente.

A impunidade é a alfafa desses bardotos.

Não falta quem diga que assassino era apenas um pai tentando exercer o seu sagrado direito de ser pai; mesmo que ele tenha feito isso matando o filho.

Em outro crime de ódio, o sujeito que espancou até a morte um ambulante no metrô de sampa – porque o trabalhador tentou impedi-lo de matar uma travesti – foi preso com uma camiseta do que dizem ser o nosso senhor jesus cristo e disse, na maior cara dura, que se considerava um homem de bem.

É o mesmo discurso usado na propaganda do ministério dos transportes: gente boa também mata.

E digo mais: se o cabra estivesse com alá desenhado estampado na camiseta automaticamente o crime teria conotação religiosa, esses barbudos que odeiam a liberdade e o estilo de vida ocidentais.

Como era o cristo, o cagação de raiva de malafaia não foi associada como motivadora dessa homofobia.

Voltemos à noite do réveillon.

O assassino-suicida – defendido por tanta gente de bens – se mostra perturbado com o feminismo, com os direitos humanos, com os presos que vivem num playground com salário mensal e três refeições por dia, com a vagabunda da Dilma, com a corrupção que gera microcefalia(?), com a lei maria da penha…

O estado progressista e a conquista de direitos pelas minorias eram um tormento pra ele.

O crime ocorrido na noite de réveillon em campinas é um crime de ódio e intolerância.

É uma desumanidade de quem não reconhece alteridades, só a sua presumida autoridade.

Foi, igualmente usando esses clichês baratos e confusos, tão difundidos pela midiazona, que um pai matou o filho universitário em Goiânia e depois se matou.

O garoto tinha simpatia pelas ocupações e pelas ideias progressistas.

Era o outro dentro de casa.

O discurso do ódio motiva a eliminação do outro, do inimigo, mesmo que o sujeito se sacrifique como exemplo de purificação.

É o tal suicídio altruísta descrito por Durkheim.

É só ler as mensagens que o criminoso deixou, para justificar o injustificável, que você enxerga a mão que manipula as cordinhas.

Até agora, sabe-se quem puxou o gatilho, mas quem o motivou?

Questões enigmáticas.

 

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Dia Internacional da Mulher Indígena

Hoje, 05 de setembro, é Dia Internacional da Mulher...

Coisa de vagabunda – Por: Clara Averbuck

Isso é coisa de vagabunda. Mulher que se dá...

Eles não estão doentes, e nós não estamos loucas

Ontem, uma menina foi estuprada por 30 homens no...

para lembrar

Abusada por treinador, nadadora tem crise nervosa após entrevista de Xuxa

Joanna Maranhão sofreu e usou o Twitter para dar...

Dilma Rousseff enfatiza luta contra violência doméstica

A presidenta da República, Dilma Rousseff, afirmou que é preciso “reprimir...

Na época do Brasil colonial, lei permitia que marido assassinasse a própria mulher

Jorge Amado abre o clássico Gabriela, Cravo e Canela...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios do que armas ilegais no Distrito Federal. Os dados, levantados pelo Metrópoles, mostram que o...
-+=