Grupo usa mitologia dos orixás para criar coreografias e oficinas de dança

Balé das Yabás debate o feminismo e o transforma em dança amanhã, no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo, em Santa Teresa

Por Karina Maia Do O Dia

Quem nunca ouviu frases como ‘O mundo é dos homens’ ou ‘Isso não é coisa para mulheres’? Preconceitos do tipo, provavelmente, já foram presenciados por você, sua mãe, sua avó e até pelos orixás. “A mitologia conta sobre a força das yabás (orixás femininas) e como viviam situações semelhantes em seu cotidiano”, compara Sinara Rúbia, uma das idealizadoras do grupo Balé das Yabás, que debate o tema e o transforma em dança amanhã, às 15h, no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo, em Santa Teresa.

As inspirações  para as coreografias partem de histórias como a de Oxum. Deusa da Fertilidade do candomblé, ela teve sua presença aceita em reuniões exclusivamente masculinas após demonstrar como seus poderes são imprescindíveis a todos.

Sinara conta que todos os orixás vieram à Terra quando ela foi criada. Mas somente os homens se reuniam para tomar decisões. Magoada, Oxum condenou todos à esterilidade, até que a convidassem junto a todas as outras mulheres para participar dos encontros.

“Esse conto mostra a importância das figuras femininas na política e na sociedade”, compara ela, que media os encontros mensais e gratuitos. Quem decide participar passa sempre por três etapas: um breve estudo, um debate e uma ação criada para a oficina de dança.

“Não é uma simples oficina de dança afro. Há todo um envolvimento até o momento que dançamos”, ressalta Sinara, criadora do projeto junto a Ludmilla Almeida e Flavia Vieira.

“Homens, mulheres e crianças aparecem sempre. Mas a maior parte do público são as mulheres negras”, diz Sinara, que justifica: “Todas nós sofremos com o machismo. Mas as mulheres negras têm a questão do racismo aliado a isso — o que dificulta a coisa em todos os níveis.”

Talvez, por isso, as yabás tenham sido eleitas as musas inspiradoras das oficinas. E embora tais histórias partam da mitologia do candomblé, Sinara diz que os encontros não têm cunho religioso. “Fazemos um recorte étnico e de gênero”, define a mediadora.

“Trabalhamos com a questão das mulheres, principalmente das negras. Mas todos são bem-vindos. Afinal, é importante que diferentes pessoas discutam sobre o papel que representamos na sociedade ao longo dos tempos e nossas demandas”, conclui.

+ sobre o tema

O poder do amor próprio

Minha história se inicia no dia 30/01/1993, em uma...

“Kbela”, filme sobre a relação da mulher negra com o cabelo crespo, foi eleito melhor do MOV

O curta-metragem carioca Kbela, da diretora Yasmin Thayná (PUC-Rio),...

Mulheres pretas acadêmicas

Seguindo os últimos textos, onde destaquei algumas mulheres que...

A afetividade das mulheres negras

Você já parou para pensar sobre a vida afetiva...

para lembrar

Eleições 2018: e nós com isso?

Quem somos nós? Somos lésbicas e o povo LGBT...

Onde estavam as mulheres negras na ditadura militar?

Vou começar falando da dificuldade em escrever sobre mulheres...

Thais Ferreira: A mente brilhante das oportunidades a quem não tem

Jovem carioca planta sementes para que população mais vulnerável...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=