Gwendolyn é amor

Primeira escritora negra de descendência afro-americana a receber o Pulitzer, sua voz serena e firme ainda reverbera passados 20 anos de sua morte

É preciso falar de amor, agora que o Dia dos Namorados passou, e com ele palavras vãs, centenas de reapresentações de …E O Vento Levou e Casablanca em apenas 48 horas, filas infindáveis nas portas dos restaurantes. Longe dessa praga jeca, a libertação acontece por meio da voz de Gwendolyn Brooks, porque junho é seu mês. Primeira escritora negra de descendência afro-americana a receber o Pulitzer (Annie Allen, Harper, 1949), sua voz serena e firme ainda reverbera passados 20 anos de sua morte, como no trecho que lê de Kitchenette Building (youtu.be/7yQ7hOjX9v0).

Para Gwendolyn Brooks, sua definição na lata é coisa simples: poesia é vida destilada. E não se tratava somente do Pulitzer, até porque ao longo da vida teve outros 70 prêmios e láureas em suas estantes, tornando-se uma das poetas mais homenageadas durante sua existência, da referência em poesia negra na Biblioteca do Congresso norte-americano a receber duas vezes seguidas o Guggenheim Fellow in Poetry. Para celebrar sua memória a Poetry Foundation criou uma animação de seu poema We Real Cool, um hino de beleza e força no imaginário dos Estados Unidos, principalmente hoje sob os jovens (youtu.be/0USvSvhue70). Na mesma instituição está disponível uma série de poemas em seu formato original, por escrito (bit.ly/2Su81mh).

Mais do que papel

A obra de Brooks extrapolou o papel. Sua voz poética acabou sendo adotada ao longo dos anos por rappers e músicos eruditos, jazz e rock, artistas de várias áreas, das visuais ao teatro, sempre usada como referência em suas obras e filosofias de vida. Não importa a geração, pode ser a dos anos 1960 às de hoje, nos subúrbios e grandes shows. Sim, porque Brooks era mais que poesia, suas palavras ultrapassavam o senso comum e tocavam as comunidades negras e pobres da sua Chicago e dos Estados Unidos como um todo, dando a elas consciência de grupo, dignidade e, mais do que tudo, compreensão de suas condições diante de uma sociedade branca e opressora. Tão opressora que, certa vez, precisou dizer a seu editor que escrever poemas era o que a salvava da vida de obrigações domésticas a que fora restrita por um período. Há duas entrevistas muito relevantes que podem ser vistas na internet: uma na própria Biblioteca do Congresso, onde trabalhou (youtu.be/UVZ6KTLN7O8), e outra na Lincoln Academy (youtu.be/lsZJZPm7pt0). 

Com tudo o que significa a joia rara de Gwendolyn Brooks, a poeta passou boa parte de sua vida ensinando jovens no ofício da escrita, sendo mentora de várias turmas de alunos no que definiu meigamente: “Escrever é uma agonia deliciosa”. Isso possivelmente já justifica o fato de que seu nome tenha batizado uma dezena de escolas nos Estados Unidos. O mais surpreendente, porém, em seus mais de 100 anos de existência Gwendolyn Brooks nunca foi publicada no Brasil. Durma com essa.

+ sobre o tema

Uma a cada quatro mulheres no mundo sofreu violência por parceiro, diz estudo

Uma em cada quatro mulheres sofreu violência doméstica ao...

Os cabelos como fruto do que brota de nossas cabeças

Seria inevitável trazer qualquer expressão sobre o tema do...

Judiciário irá contribuir com o cumprimento da lei Maria da Penha

A Secretaria de Políticas para as Mulheres assinou esta...

para lembrar

“O estuprador é você”, a catarse das meninas chilenas

Sem liderança centralizada, porém com pautas políticas evidentes, centenas...

Intelectuais vão ajudar mulheres negras a ingressar no Mestrado e Doutorado

Acontecerá no Ministério Público da Bahia, no dia 26...

Biografia em quadrinhos conta a história de Carolina Maria de Jesus

Negra, pobre e favelada. Dona de uma das escritas...

Hospital da Mulher: público feminino será presenteado com tratamento estético

Cuidados com a beleza e, em consequência, a auto...
spot_imgspot_img

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...

Defender Maria da Penha é defender a vida das mulheres, os direitos humanos e a democracia

Maria da Penha está sendo ameaçada de morte. Foi necessário que a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, recorresse ao governador do Ceará, Elmano de Freitas,...
-+=