A hipocrisia no trato do aborto

A lei seca nos Estados Unidos desenvolveu as máfias, estimulou a corrupção policial e não acabou com o alcoolismo.

por Alberto Dines

A criminalização do aborto no Brasil é a responsável direta pela morte de uma mulher a cada dois dias em clínicas clandestinas ou “consultórios” improvisados. Por ano calcula-se que no Brasil praticam-se de 800 mil a 1 milhão de abortos clandestinos. Apenas 1.500 foram legais – decorrentes de estupros, ameaça à saúde materna e anencefalia do feto.

A questão é gravíssima sob todos os aspectos – é uma ameaça à saúde pública, é um caso de polícia pelo impulso a um gênero novo de delinquência, é uma ferida aberta no Estado de direito já que a proibição de interromper a gravidez decorre de dogmas religiosos impostos a uma República teoricamente laica e secular.

Esta violação do direito de escolha e do livre arbítrio não configura apenas um ilícito na aplicação da lei maior. É também um embargo à liberdade de expressão já que a maioria dos profissionais das redações brasileiras é constituída por mulheres impedidas de manifestar suas convicções.

Nestas eleições, a reação ao obscurantismo levou a grande imprensa a iniciar um debate até então embargado. A pressão das ONGs e do Terceiro Setor – inclusive este Observatório – obrigou os jornalões a se livrar do tabu. Mas com muita discrição, sem veemência. Prova disso você encontra no último debate entre os presidenciáveis. Das três candidatas apenas uma favoreceu o aborto e dos quatro candidatos, apenas um foi favorável à descriminalização do procedimento. Não é por acaso que a exceção seja personificada por um sanitarista.

Além de descriminalizar a interrupção da gravidez, precisamos tirá-la do âmbito religioso, precisamos sobretudo rasgar as mordaças que impedem a mulher brasileira de se manifestar como profissional de imprensa e como cidadã. Quando isso acontecer nos livraremos da hipocrisia e do atraso.

Fonte:  Observatório da Imprensa

+ sobre o tema

Deixem Rosa Parks em paz: por que todos tentam capitalizar seu legado?

Políticos e movimentos de protesto de todo o mundo...

Violência contra a mulher: o perigo em casa

A socióloga Fátima Pacheco Jordão fala sobre estudo inédito...

Namore uma Mulher que…

Se você esperava mais um texto meloso ou um...

PMs acusados de humilhar vítima de estupro podem responder criminalmente

Os policiais militares e o comissário da Polícia Civil...

para lembrar

23 momentos de 2014 que as mulheres não veem a hora de deixar para trás

Entre a incrível performance feminista de Beyoncé no VMA,...

A Naturalização: estupro e pedofilia na mídia

Apesar de o tema implorar por um textão, com...

Graciliana Selestino Wakanã: ‘O que a gente quer é viver bem’

Graciliana Selestino Wakanã, do povo Xucuru Kariri, fala sobre...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=