A História do Racismo

 Como parte da comemoração do bicentenário da Lei de Abolição ao Tráfico de Escravos (1807), a BBC 4, dentro da chamada “Abolition Season”, exibiu uma série composta por três episódios, independentes entre si sobre a História do Racismo, abordando a história e os aspectos do racismo pelo mundo. Com a direção de Paul Tickell, Racismo: Uma História (“Racism: A History”) é formado dessas partes:

A Cor do Dinheiro, Impactos Fatais e Um Legado Selvagem.

A Cor do Dinheiro

O programa examina as atitudes de alguns dos grandes filósofos em relação às diferenças humanas, incluindo a abordagem das implicações dos dogmas do Velho Testamento acerca dos atributos das diferentes raças, especificamente “A Maldição de Cam”. Analisa a fracassada experiência democrática da Serra Leoa, a Revolução do Haiti, a primeira revolução escrava bem sucedida da história, demonstrando como ele passou da colônia mais rica das Américas ao país mais pobre do hemisfério norte. Este episódio trata, ainda que de forma superficial, da chamada “democracia racial” brasileira. Por fim, conclui-se que a força motriz por trás da exploração e escravização dos chamados “povos inferiores” foi a economia, e que a luta para apagar e cicatrizar os feitos e legados deixados pelo sistema escravocrata ainda continua.


 

Impactos Fatais

 Imperialismo, Racismo & Extermínio

É a mais superficial das diferenças humanas, tem apenas a profundidade da pele. No entanto, como construção ideológica, a ideia de raça impulsionou guerras, influenciou a política e definiu a economia mundial por mais de cinco séculos. O programa aborda as teorias raciais desenvolvidas na era vitoriana, a eugenia, o darwinismo social e o racismo científico, desenvolvendo a narrativa a partir da descoberta dos restos mortais encontrados no deserto da Namíbia pertencentes às primeiras vítimas do que ficaria conhecido como campo de concentração, 30 anos antes de o nazismo chegar ao poder na Alemanha. Tais teorias levaram ao desenvolvimento da eugenia e das políticas raciais nazistas. O documentário sustenta que os genocídios coloniais, o campo de morte da ilha de Shark, a destruição dos aborígenes tasmanianos e os 30 milhões de indianos vítimas da fome, foram apagados da história da Europa, e que a perda desta memória encoraja a crença de que a violência nazista foi uma aberração na história daquele continente. Mas que, assim como os ossos ressurgidos no deserto da Namíbia, esta história se recusa a ficar enterrada para sempre.


 

Um Legado Selvagem

  O programa aborda o cruel legado deixado pelo racismo ao longo dos séculos. Iniciando pelos EUA, berço da Ku Klux Klan, onde o pesquisador James Allen, possuidor de vasta coleção de material fotográfico e jornalístico sobre linchamentos, defende que há um movimento arquitetado para apagar a mácula racial da memória do país. A seguir, remonta à colonização belga do Congo, por Leopoldo II, onde os negros que não atingiam a quota diária de borracha tinham a mão direita decepada. O documentário trata ainda da problemática racial na África do Sul (Apartheid) e Grã-Bretanha, abordando a luta do Movimento pelos Direitos Civis nos EUA e a desconstituição do mito da existência de raças.

completo

BBC Four – Título Original: Racism: a History. Título Traduzido: Racismo: uma História. Gênero: Documentário. Duração: 58 min/parte. Ano: 2007. Direção: Paul Tickell.

 

+ sobre o tema

13 de Maio – A Resistência

Os africanos escravizados no Brasil não demoraram muito para...

Excellente Escravo – Vende-se um creollo de 22 annos, sem vício e muito fiel, humilde e bonita figura

Os Negros por José Antonio Merenda Em meados do século XIX, eram...

Fotografias, lugares e falsos conceitos sobre a questão da escravidão no Brasil

É lugar-comum pensar na Abolição da Escravatura no Brasil...

Santa Catarina no Atlântico Negro – Por Beatriz Gallotti Mamigonian

Protagonismo e transformações culturais marcam a presença africana no...

para lembrar

Nei Lopes – Retratos do Brasil Negro

Poeta, compositor, sambista, pesquisador e escritor, Nei Lopes é...

Ministério Público pode adotar cotas para negros

Segundo o promotor da Bahia Fábio George Cruz da...
spot_imgspot_img

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=