Hoje na História, 11 de novembro, Angola comemora 38 anos de independência

Luanda – A República de Angola assinala hoje, segunda-feira, 38 anos da sua independência.

Foi as 23:00 horas do dia 11 de Novembro de 1975 que o seu primeiro Presidente, António Agostinho Neto, proclamou diante da África e do mundo a independência de Angola, até então uma das colónias portuguesa em África.

Para ai chegar, um processo começou. A luta de libertação nacional.

Iniciada a 4 de Fevereiro de 1961, tendo o MPLA, Movimento Popular de Libertação de Angola, como principal interveniente, outros movimentos como UNITA, FNLA participaram na luta, mas foi o MPLA que no dia 11 de Novembro, na voz do seu Presidente proclamou a Independência de Angola.

O Movimento Popular de Libertação de Angola desde esta data tem dirigido os passos da Nação angolana.

Esta missão, porém, foi muito dificultada devido a oposição militar a que o Governo angolano foi submetido pela então Unita armada, desde a proclamação da independência.

No período que vai de 1975 a 2002 Angola viveu uma guerra interna que só terminou a 4 de Abril de 2002, após vários anos de negociações, com a assinatura do Memorando de Entendimento Complementar ao Protocolo de Lusaka, entre o Governo e a então Unita armada.

Reza a história que Portugal partiu de Angola depois de quase 500 anos de presença.

No fim dos anos 1990, o governo angolano decidiu mudar o sistema político para um sistema de democracia multipartidária e uma economia de mercado.

Os outros movimentos não tiveram outro caminho a não aceitar participar no sistema novo e concorreram às primeiras eleições realizadas em Angola, em 1992, das quais o MPLA saiu como vencedor.

Os 38 anos de independência do país e o alcance da paz em Angola permitiram maior crescimento em todos os sectores, com destaque para a vida económica.

Assim, segundo o Presidente José Eduardo dos Santos, o sucesso da política económica de Angola tem sido a consolidação fiscal, que começou a ser implementada desde 2009 e que implica uma correcta articulação entre as medidas de política fiscal e de política monetária.

Sustenta que neste âmbito, uma gestão mais parcimoniosa das despesas públicas e o investimento nas infra-estruturas constituem a alavanca para o aumento da competitividade da produção não petrolífera e para o desenvolvimento do sector nacional privado. 

 

Saiba mais sobre Agostinho Neto

 

 

Fonte: Portal de Angola

+ sobre o tema

Renascimento do continente africano em debate no 50. aniversário da UA

Um debate sobre o "Pan-africanismo e renascimento africano"...

ONG oferece capoeira para crianças refugiadas palestinas

A ONG britânica Bidna Capoeira está fazendo da...

para lembrar

Nasce um novo movimento social nos Estados Unidos

A presença de um amplo leque de sindicatos transformou...

Defensor dos direitos humanos é eleito presidente da Alemanha

O parlamento alemão elegeu neste domingo Joachim Gauck, um...

Funeral de Chris Lighty reúne estrelas do hip-hop em NY

Diddy, 50 Cent, LL Cool J, Q-Tip, Russell Simmons...

Bono desafia Lula: vamos fazer juntos um Bolsa Família planetário

Ex-presidente e vocalista da banda U2 se encontraram nesta...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=