Bispos africanos: “Não” à miséria, à exploração dos pobres e dos recursos naturais

 

Os bispos africanos dizem “não à miséria ” numa mensagem conclusiva da reunião de Bujumbura, em Burundi, da Coordenação Justiça e Paz do SCEAM (Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagáscar, com sede em Acra, Gana). No texto enviado à agência SIR e assinado pelo Arcebispo Dom Gabriel Justice Yaw Anokye , Arcebispo de Koumassi (Gana) e vice-presidente do SCEAM, enumeram claramente o que produz a miséria ema África e Madagáscar. Exprimem uma “clara rejeição da exploração dos mais pobres e dos mais fracos, a redução à escravatura, o tráfico das nossas crianças e dos seus órgãos”; denunciam “a insegurança crescente em alguns países e regiões do continente”, recordando “as violências e assédios criminosos na África Central, os conflitos recorrentes na República Democrática do Congo, o fanatismo e o extremismo religioso na Nigéria, Mali, Egipto, Somália , Quénia e Tanzânia”.

Os bispos dizem “Não” à “exploração injusta dos nossos recursos naturais, e uma indústria mineral que causa conflitos violentos e criminosos”. A sua esperança é que “os Estados africanos tenham a coragem de escrever e votar leis que protejam os seus respectivos recursos naturais”. E pedem aos Países para percorrerem a estrada da “boa governação, que exclui todas as formas de corrupção e má gestão”.

Em seguida os bispos africanos exprimem preocupação com a gestão das águas do rio Nilo, da qual depende “o bem-estar mínimo das populações e dos Países nas suas costas”. A este propósito os bispos convidam a “um diálogo paciente e frutuoso”. E se comprometem igualmente, para “uma cultura democrática respeitosa da liberdade de opinião”, e pedem “uma democracia que tenha em conta os direitos dos imigrantes e enfrente sem hipocrisia a questão dos refugiados no respeito da sua dignidade humana fundamental”. Entre os pedidos: “o respeito pela Constituição de cada país, dando aos cidadãos a possibilidade de uma alternância política”. Quanto aos crimes contra a humanidade, os bispos dizem ser favoráveis “ao direito legal e penal”.

Os bispos africanos, como fizeram há algumas semanas numa mensagem específica sobre a tragédia de 3 de Outubro em Lampedusa, exprimem em seguida, um pensamento especial para as vítimas do naufrágio e suas famílias. E se empenham por fim a fortalecer as suas estruturas de Justiça e Paz “para um diálogo eficaz com os povos africanos, as organizações da sociedade civil, os diversos grupos religiosos e os governos.”

 

Fonte: Rádio Vaticano

+ sobre o tema

UA recompensa cientistas africanos

A União Africana (UA) identificou cinco cientistas africanos para...

A literatura engajada do Nobel de Literatura Wole Soyinka

Por: Nahima Maciel Wole Soyinka foi o primeiro e único...

Negros estrangeiros buscam Mama África paulistana

Segundo relatório da Polícia Federal de dezembro de 2013,...

para lembrar

Primeira usina solar que transforma água do oceano em água potável está no Quênia

Um relatório recente disponibilizado pela UNICEF e pela Organização...

Eto’o e Drogba detonam médicos que sugeriram teste para vacina contra a Covid-19 na África

Camaronês e marfinense apontam racismo na proposta dos pesquisadores Do...

‘Ela só queria nos humilhar’ conta estudantes africanos sobre racismo da polícia em Porto Alegre

Samir Oliveira Quando vieram ao Brasil em busca de aperfeiçoamento...

Medo do Ebola jogou 2 jovens africanos nas ruas de SP

Justiça negou acolhimento em abrigo e meninos foram colocados...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=