As ideias feministas fazem toda a diferença nas eleições – Por: Fátima Oliveira

Sou e estou feminista desde adolescente. É como feminista que participo da luta de ideias nas eleições, convicta de que, mesmo o feminismo não sendo detentor de votos – e jamais oferecerá a qualquer candidatura “tantos votos” de cabresto –, faz toda a diferença no debate eleitoral como ideologia libertária, conferindo a qualquer candidatura um verniz mudancista.

O feminismo não é um balcão de negociação de votos, a exemplo de algumas denominações e seitas religiosas cristãs! Uma candidatura que agrega um polo feminista contará com pessoas alertas aos retrocessos e dispostas ao enfrentamento do fundamentalismo religioso, em defesa do Estado laico.

Cabe pontuar que “o feminismo é movimento de mulheres, mas nem todo movimento de mulheres é feminismo”. O feminismo é uma concepção geral de luta contra a opressão de gênero e o patriarcado, que urge ser superado nas sociedades democráticas, atualmente expresso com mais vigor no fundamentalismo religioso centrado nos corpos das mulheres, daí porque é crucial a defesa dos direitos sexuais e dos direitos reprodutivos para a consolidação da República e contra visões teocráticas de Estado!

Movimento de mulheres é toda mobilização de mulheres que aborda problemas referentes à situação da mulher na sociedade, tanto com caráter e perspectiva feministas quanto privilegiando as “lutas comunitárias” (contra a carestia, por equipamentos sociais públicos, saneamento básico, transporte, habitação etc.).

A parcela do movimento de mulheres que trata de problemas materiais em si joga um papel essencial na luta pelas “necessidades imediatas de gênero” – as condições materiais de existência (moradia, saneamento, transporte, equipamentos sociais etc.) – e é um caldo de cultura perfeito para o entendimento de que a cidadania feminina exige luta específica.

A parcela feminista luta por condições materiais de existência dignas e tem no horizonte as “necessidades estratégicas de gênero” – as perspectivas de um futuro sem opressão, de equidade entre os gêneros numa nova sociedade. No Brasil, os veios mais dinâmicos do feminismo contemporâneo são as mulheres negras, que tencionam o feminismo a incorporar a luta antirracista; e as trabalhadoras, que forçam o feminismo a não esquecer o antagonismo que há entre os interesses das mulheres da burguesia e das classes populares, como disse a feminista e bolchevique russa Alexandra Kollontai (1872-1952).

Uma campanha eleitoral é um espaço privilegiado de conscientização de amplas massas, capaz de sensibilizar pessoas em luta dos diferentes movimentos sociais e até aquelas solitariamente indignadas. Mas não só! É um espaço valioso para a conscientização das candidaturas, sejam femininas ou masculinas. Com o recrudescimento do fundamentalismo no mundo, não é simples para uma candidatura assumir, ainda que difusamente, a bandeira dos direitos da mulher. Logo, precisam de instigação, posto que vivemos num país que nunca concedeu direitos às mulheres: nós os conquistamos, todos, com muita luta!

Recordemos a campanha à Presidência da República em 2010, que foi a mais difícil que vivenciei, pois envolveu exponencialmente os corpos das mulheres e exigiu do feminismo um ativismo monumental, como relatei em artigo especial para o site Viomundo, em 7.10.2010, “Eleições presidenciais 2010: em leilão, os ovários das mulheres!” Iniciei dizendo: “Isso aqui, o Brasil, não é uma colônia religiosa, não é um Reino nem um Império, é uma República!”

 

 

Fonte: O Tempo

+ sobre o tema

A campanha #meuamigosecreto viralizou e a casa do machismo virtual caiu

A hashtag #meuamigosecreto constituiu-se como movimento internáutico divertido e criativo. Primou...

Comentário sexista faz Kátia Abreu jogar vinho na cara de Serra

Senador tucano entrou na conversa sem ser convidado durante...

para lembrar

O depoimento dessa mãe é mais do que um debate: é uma aula essencial sobre feminismo

Ser mãe é daquelas coisas difíceis de explicar, gente:...

Mídias independentes, gênero e sexualidade

No sábado passado, dia 22 de agosto de 2015,...

O crack, a maternidade e o poder público

Adoção de crianças e, mais que tudo, adoção de...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Medo de gênero afeta de conservadores a feministas, afirma Judith Butler

A primeira coisa que fiz ao ler o novo livro de Judith Butler, "Quem Tem Medo de Gênero?", foi procurar a palavra "fantasma", que aparece 41...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=