Imposto no país esconde desigualdade, diz autor que critica capitalismo

O economista francês Thomas Piketty,  autor do best seller “O Capital no Século 21”, disse que os dados sobre Imposto de Renda e de patrimônio no Brasil são pouco transparentes e de difícil acesso.

Por: Mariana Bomfim Do: Uol

Em São Paulo para participar de debate na USP (Universidade de São Paulo) nesta quarta -feira (26), Piketty afirmou que a falta de transparência atrapalha a elaboração de estatísticas e, consequentemente, de políticas tributárias.

“Nós sabemos que a desigualdade social é alta no país,  mas ela deve ser ainda mais alta do que mostram as pesquisas”, disse. Até mesmo os resultados das pesquisas variam muito, a ponto de uma apontar que o país é mais desigual que os Estados Unidos e outra apontar o contrário, segundo ele.

A ausência de uma série histórica de dados detalhados sobre tributação impediu que o país fizesse parte da análise apresentada por Piketty em seu livro. Nele, o autor estuda a dinâmica global de distribuição de renda e riqueza em mais de 20 países desde o século 18. Outros países não entraram na análise pelo mesmo motivo.

Tributação progressiva da riqueza

Com mais de 700 páginas, a obra conclui que muitos países com taxas de crescimento baixas estão voltando a uma situação de acumulação de riqueza por poucos, o que era a regra até a Primeira Guerra. Os gastos com o conflito diminuíram a concentração de renda, que começou a subir novamente nos anos 1980 e, para o francês, é nociva para o próprio capitalismo.

Piketty defendeu, no debate, que os países tributem progressivamente a riqueza. “Não podemos tributar igualmente quem ganha US$ 1.000, US$ 10.000 e US$ 1 milhão”, diz.

Um ponto importante dessa tributação seria incluir o capital financeiro na conta. “Quase todos os países já cobram impostos sobre a riqueza. O problema é que as políticas fiscais foram criadas numa época em que eram os imóveis que representavam a maior parte dela”, disse. “Hoje, é o capital financeiro que tem maior participação na riqueza acumulada.”

O aumento da tributação de heranças também foi outra medida sugerida pelo economista. “Você deveria pagar menos impostos se produziu algo com o seu trabalho e mais se recebeu sua riqueza de alguém”, falou.

O economista Paulo Guedes, que participou do debate, disse acreditar que o aumento dos impostos sobre heranças é inevitável. “Quando o imposto de renda foi criado, houve resistência. A mesma coisa acontece com a questão da herança.”

Piketty, Guedes, André Lara Resende, economista também presente no evento, disseram que, além de mudanças na política tributária, é necessário investir em educação para combater a desigualdade social.

“Meu livro não é pessimista ou apocalíptico”, disse Piketty. “Eu acredito na globalização. O que precisamos é das políticas certas para todos se beneficiarem dela de maneira equilibrada.”

+ sobre o tema

Marieta Severo fala de papel na novela, racismo e dos ataques que sua família recebe nas redes

Atriz cita retrocessos na sociedade, celebra ressurgimento do feminismo...

DEM: Candidato de R$ 92 mi está preso por estelionato

Por: BRENO COSTA Selmo dos Santos (DEM-SP), dono declarado...

Moisés Mendes: racismo e apatia no metrô de Paris

Por que as pessoas ficaram passivas, enquanto os ingleses...

Lula chega a 47% na Vox Populi; maioria considera prisão injusta

“A prisão de Lula, da forma como ocorreu, parece...

para lembrar

Presidente Dilma Rousseff suspende pagamento dos convênios com ONGs por 30 dias

A presidente Dilma Rousseff determinou uma devassa nos contratos...

“Não quero ser julgado por interpretações”, diz Lula em Curitiba

Á uma mutidão que o esperou por mais de...

Tyson Gay supera Bolt em eliminatória dos 100m em Berlim

Fonte: Folha Online - O norte-americano Tyson Gay conquistou o...

Senado aprova criminalização de dirigir sob efeito de álcool

Dirigir sob efeito de qualquer nível de concentração de...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...
-+=