A inovação política que emerge nas periferias

Resultados do 1º turno reforçam nova configuração

no Folha de São Paulo

Maria Alice Setubal, em evento promovido pela Folha em 2016 – Bruno Santos :Folhapress

A sociedade brasileira é desigual, e nos grandes centros urbanos é possível enxergá-la a olho nu; basta ver o descompasso entre os centros urbanos e as periferias, que revelam uma realidade fragmentada. Mudar as narrativas e abrir espaço para a escuta e o diálogo são os primeiros passos para enfrentar os desafios dessas distorções. Nesse sentido, cidadãos, empresas e organizações da sociedade civil devem unir-se na busca por soluções conjuntas. Essa é a nossa proposta como autoras deste artigo.

Esse foi também o percurso da pesquisa Emergência Política Periferias, realizada pelo Instituto Update, com apoio das fundações Tide Setubal e Ford, em São Paulo, Recife, Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Cinco pesquisadores que atuam a partir das periferias percorreram essas cidades conhecendo histórias de pessoas e territórios que estão fazendo a política do dia a dia, para além dos partidos.

Responsáveis por produzir e propor a inovação, essas pessoas, nomeadas na pesquisa como fazedores, estão nos territórios periféricos, mas também se deslocam, produzem soluções e inovações a partir da circulação, do intercâmbio com outras regiões e do acesso ao ensino superior, impulsionado por políticas públicas promovidas no campo da educação.

Os fazedores ensaiam uma sociedade, colocando em prática soluções que são construídas de modo a atingir e acessar os direitos constitucionais, muitas vezes negados pelo Estado. São laboratórios que criam, transformam e ressignificam o direito à existência, à economia e ao bem viver, à memória e à cultura, à participação política e à ocupação de poder.

Emergem nas favelas iniciativas que resgatam raízes, valorizam identidades, pautam debates e articulam políticas públicas. Combatem transfobia, machismo, racismo e atuam pela inclusão e participação de pessoas, excluídas da política e tornadas invisíveis pela sociedade.

A maioria das iniciativas identificadas tem na participação de mulheres negras um traço em comum. Ao fazer política, elas movem todas as estruturas e, ao valorizá-las, avançamos e aprofundamos a democracia. A pesquisa revelou que a inovação política é mulher, negra e periférica. Marielle simboliza e traduz essa experiência.

Os resultados do primeiro turno reforçam essa ocupação política com a eleição de uma mulher indígena na Câmara, duas negras para o Congresso Nacional e três assessoras da vereadora Marielle Franco, no Rio. Há exemplos também nas assembleias mineira e paulista.

Todos esses dados reforçam que a periferia está ocupando cada vez mais o seu direito de legislar, a partir da visão e da experiência de quem pertence a esses territórios.

Existem inúmeros desafios para os fazedores. São necessários apoio e investimento nessas inovações políticas, estimulando e gerando conexões, fortalecendo os territórios em suas potências, com recursos para o seu desenvolvimento e diálogo para a criação de políticas públicas pautadas pelas periferias.

Essas constatações chegam em meio à corrida eleitoral, na qual muito se fala de riscos à democracia e de desconfiança da população com a política tradicional.

É preciso deslocar-se e promover deslocamentos. Construir pontes, por meio do encontro, mesmo que as fronteiras existam, atravessando-as com respeito, diversidade e transparência.

+ sobre o tema

Jornalista Luciana Barreto ganha prêmio ‘Sim à Igualdade Racial’

A jornalista Luciana Barreto, âncora da primeira edição do...

Jovem é outro papo: sobre a campanha de prevenção à AIDS no Tinder

O Ministério da Saúde está realizando a campanha #PartiuTeste,...

para lembrar

Guarani-Kaiowá: à margem dos direitos

Não se passa um mês sem que a Anistia...

“Humaniza as redes” pretende criar ambiente virtual livre de preconceito

Medida prevê a criação de uma ouvidoria online e...

Estudo europeu mostra benefício da cirurgia no tratamento do câncer de próstata

Estudo Europeu Escandinavo mostra dados extremamente relevantes na tomada...

Na ONU, Geledés propõe ações de combate ao racismo para desenvolvimento sustentável

Não há desenvolvimento sustentável sem o enfrentamento de todas...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=