Irmãs sergipanas fazem sucesso com grife inspirada na cultura africana

Confira a primeira reportagem da série Made in Sergipe

Por Fernanda Araujo, do F5News 

Elas são irmãs e, além disso, sócias em um empreendimento de moda afrobrasileira em Sergipe – a grife Maria Marrenta. Apaixonadas pelo estilo da moda étnica, Amanda Rodrigues e Fernanda Teles sempre procuraram por roupas diferenciadas, mas a falta desse tipo de peça no mercado local inspirou as meninas. Elas começaram a confeccionar as próprias roupas com produtos da terra, tanto para usá-las, quanto para comercializá-las.

“Nessa trajetória de não encontrar roupas diferentes, às vezes tínhamos que viajar para Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo. Então, criamos o ateliê”, diz Amanda. Sem se contentar com o padrão da moda, o espaço das irmãs surgiu com a proposta de atender a todos os tamanhos e idades, diversificando a gama de produtos desde roupas a acessórios e objetos de decoração, sempre mantendo o estilo afro.

“A gente tenta pegar todo esse leque da população, tanto tamanho PP como XG, você vai encontrar, sendo criança, adulto ou idoso”, comenta Amanda, que é formada em designer de interiores e responsável pela maioria dos desenhos.

2712201595343

As jovens começaram a ter um insight de criação pesquisando sobre as raízes africanas na internet. “Trazia para o ateliê para ver se combinava e com essas peças começamos a comercializar”, lembra Amanda. A primeira coleção para o lançamento da grife foi baseada no Carnaval e em instrumentos musicais. “Trabalhamos berimbau, tambor, agogô. Por trás de tudo que a gente produz tem um embasamento teórico”.

Todas as roupas são desenhadas pelas irmãs – traços que vêm de família. “É como um trabalho de formiguinha. Juntamos as ideias, depois escolhemos os tecidos, alguns deles compramos prontos, outros a gente pinta e borda. Dos croquis mandamos para um designer amigo nosso para ver como fica, mas vamos criando algo com cara própria”, detalha.

A marca bastante sugestiva também não passa despercebida. “O Maria por todas nós mulheres, as ‘marias’. O marrenta significa que são mulheres de atitude, de vontade própria, que querem usar uma estampa diferenciada, um penteado próprio”, comenta Fernanda. “Temos o cuidado para não ter peças iguais”, acrescenta.

271220159558

E o que começou quase que por acaso aos poucos vai ganhando fôlego – atualmente o ateliê produz até 50 unidades de acessórios por mês.

Preconceito

Se manter um negócio já é desafiador, para a Maria Marrenta, a situação é ainda mais delicada, pois elas precisam lidar com o preconceito. Segundo as empresárias, há um tanto de rejeição porque as peças são produzidas em Sergipe e também pelo que elas acreditam ser um estigma social em relação ao conceito de cultura africana. “As pessoas perguntam: é de Salvador? Quando negamos é como se fosse um choque porque, se não é de Salvador, não presta. Não olham o material”, ressalta Fernanda. “As pessoas ligam muito a cultura somente à religião. Achavam que vendíamos roupa de candomblé já que é afro. É uma roupa de traço africano, mas que qualquer pessoa pode usar para trabalhar, ir ao shopping ou à festa”, completa Amanda.

Altos e baixos

Com quatro anos completos em dezembro de 2015, o ateliê também já navegou pelos mares oscilantes do mercado como todo novo negócio. A produção que começou na casa das irmãs logo se mudou para um espaço próprio, mas que não durou mais de um ano. As finanças apertaram e elas optaram por voltar à residência. No começo, buscaram parceira em instituições financeiras, mas a informalidade barrou a possibilidade de um financiamento. Agora, elas apostam na divulgação através do instagram e, com o CNPJ nas mãos, as empreendedoras já exportam seus produtos e esperam alavancar os negócios para reconquistar a loja física.

“A gente sabe que todo o trabalho no início é muito difícil, mas a marca está se firmando. A gente está sempre criando um adereço novo, uma coleção nova. Não fizemos só peças para serem bonitas, mas para ter um diferencial que a pessoa se identifique e quando olhar saiba que é da Maria Marrenta. A gente tem a nossa beleza, só precisa enxergar”, resumem.

Informalidade que dá certo

O trabalho por conta própria já representa quase 20% de todas as ocupações nas principais cidades do Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Histórias como a de Amanda e Fernanda se confundem com a de dois milhões de brasileiros que atualmente participam do CrediAmigo do Banco do Nordeste, considerado o maior programa de microcrédito produtivo orientado da América do Sul.

O gerente de negócios do BNB, Breno Valentim, explica que os empreendedores urbanos formais e informais podem participar do programa desde que atendam a alguns requisitos. “O principal deles é o faturamento de no máximo dez mil reais ao mês, o que equivale a cento e vinte mil reais por ano”, ressalta.

271220159577

Para Valentim, um dos segredos do sucesso de um empreendimento é a orientação de um consultor que acompanhe a atividade, o que diminui consideravelmente as chances de frustrações e resulta em mais lucro e menos inadimplência, sobretudo neste cenário adverso de recessão. “Os assessores de crédito não são apenas emprestadores de dinheiro. Eles fazem uma análise e acompanhamento do negócio. Como resultado disso o Crediamigo possui uma taxa de inadimplência inferior a um por cento”, explica.

Made in Sergipe

Esta é a primeira reportagem da série “Made in Sergipe”. Nesta segunda-feira (27) você vai conhecer a história de mais um sergipano que fez a diferença neste ano.

Fotos: Fernanda Araujo/F5 News

Infográficos: Will Rodrigues/F5 News

+ sobre o tema

Uneb terá concurso com 221 vagas para professor

Inscrições começam no dia 12 de janeiro No ibahia A Universidade do...

Empresas pretendem contratar nº maior de mulheres após maternidade

O Brasil está um ponto percentual acima da média...

4 mil vagas no Rio para afrodescendentes

Governo oferece cursos gratuitos, com bolsa, para afrodescendentes ...

para lembrar

Xênia França participará do show do cantor britânico Seal no Rock in Rio 2019

Seal vai se apresentar no palco Sunset, no dia...

Jovens negras assumem o cabelo crespo com muita atitude

O orgulho está na pele, no cabelo e na...

Djamila Ribeiro será homenageada como “personalidade do amanhã” pelo governo da França

A filósofa Djamila Ribeiro, Mestre em Filosofia Política pela...

Jovens, negras da periferia: elas são o que querem ser!

Por Nayra Lays, 17 anos, moradora do Grajaú, São...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Andréia Regina Oliveira Assunção Santos e os desafios da maternidade são destaque do mês no Museu da Pessoa

Quando estava no último ano do curso de administração de empresas, Andréia engravidou pela primeira vez e enfrentou uma série de desafios, como as...
-+=