terça-feira, setembro 21, 2021
InícioQuestão RacialViolência Racial e PolicialJovem morto por PMs teve todos os ossos do crânio quebrados por...

Jovem morto por PMs teve todos os ossos do crânio quebrados por tiro, diz laudo

Necrópsia revela que Lucas Albino foi atingido por dois tiros

Por Rafael Soares, do O Globo

blank
O jovem Lucas e sua mãe, Laura Foto: Reprodução / O Globo

O tiro que matou Lucas Azevedo Albino, de 18 anos, — assassinado por policiais militares do 41º BPM (Irajá) no dia 30 de dezembro do ano passado —, quebrou todos os ossos do crânio do jovem. A informação está no laudo de necrópsia do adolescente. Segundo o documento, assinado pelo perito legista Paulo Cesar Alves da Silva Filho, além do disparo fatal, na testa, outro tiro atingiu Lucas, no ombro esquerdo. O jovem foi baleado num dos acessos ao Complexo da Pedreira, em Costa Barros, na Zona Norte do Rio.

O tiro que entrou na testa do jovem foi disparado da direita para a esquerda, e saiu do corpo de Lucas na região da mandíbula esquerda. Já o disparo que atingiu o ombro do adolescente foi de trás para frente e saiu pela clavícula. O laudo faz parte do inquérito que investiga o crime.

A mãe de Lucas, Laura Ramos de Azevedo, afirma que o filho foi executado pelos policiais após ser colocado dentro de uma viatura, já baleado no ombro. Mesmo lutando contra um câncer terminal, a mulher investiga o caso por conta própria. Segundo ela, Lucas foi baleado na garupa de uma moto próximo a um posto de gasolina e colocado na viatura, ainda consciente. Quando deu entrada no Hospital estadual Carlos Chagas, cerca de meia hora depois de sair da favela, o jovem estava morto com um tiro no rosto, conforme o boletim de atendimento médico de Lucas.

Ontem, Laura prestou depoimento à Justiça sobre o caso. O relato antecipado perante um juiz foi um pedido do Ministério Público devido à doença de Laura, que poderia impossibilitar um futuro testemunho. Agora, a investigação será encaminhada à Delegacia de Homicídios (DH), que fará uma reprodução simulada do crime.

— Como a pessoa sai da favela falando e com um tiro nas costas e chega ao hospital já morta com um tiro na cabeça? Meu filho foi reconhecido pelo pé, porque o rosto ficou desfigurado — relatou a mãe, durante o depoimento. Uma foto que faz parte da investigação mostra Lucas de pé, sendo colocado na viatura pelos agentes. A imagem foi feita no dia do crime.

Os quatro PMs investigados — um soldado, dois cabos e um sargento — estavam presentes na audiência. No início do mês, a Justiça determinou o afastamento dos quatro do 41º BPM. Segundo o juiz Gustavo Gomes Kalil, da 4ª Vara Criminal, a medida é necessária por conta da “necessidade de garantia de ordem pública e a necessária conveniência da instrução criminal”.

A morte de Lucas foi registrada na Central de Garantias, na Cidade da Polícia, como auto de resistência, ou seja, morte em confronto com a polícia. Na delegacia, os quatro PMs acusados do crime disseram que foram atacados a tiros por Lucas e pelo mototaxista. Os agentes alegam ainda que encontraram, com Lucas, um radiotransmissor, drogas e uma granada, e que o socorreram para o hospital.

A mãe do adolescente nega que ele estivesse armado. Uma testemunha já corroborou, em depoimento ao Ministério Público, a versão de Laura. “Os únicos disparos que foram feitos foram dos PMs”, disse a testemunha, em depoimento, aos promotores do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (Gaesp) do MP estadual.

O morador do Complexo da Pedreira, que esperava um ônibus para ir ao trabalho no ponto em frente ao local onde o crime aconteceu, também afirma que Lucas estava consciente quando entrou na viatura: “Lucas continuou gritando pela mãe e dizendo que não era bandido, que os policiais colocaram Lucas na caçamba da viatura”.

RELATED ARTICLES