Jovens se divertindo foram trucidados, afirma ex-ministro da Justiça

Em reunião extraordinária nesta segunda-feira, integrantes da Comissão Arns — coletivo que atua em situações em que há graves violações de direitos humanos — decidiram acompanhar de perto a investigação sobre a atuação da Polícia Militar em Paraisópolis, São Paulo.

Por Maria Carolina Trevisan, do UOL

Maria Carolina Trevisan (Foto: André Neves Sampaio)

A ação truculenta dos policiais durante um baile funk com 5.000 pessoas gerou tumulto. Nove jovens entre 14 e 23 anos foram pisoteados e morreram por asfixia mecânica, segundo o laudo do Instituto Médico Legal (IML).

“O caso é gravíssimo. É uma população pobre que estava se divertindo e de repente é trucidada pelos agentes do Estado”, afirma o ex-ministro da Justiça e advogado José Carlos Dias, um dos membros da Comissão Arns. “Temos o dever de interceder e cobrar do poder público que os fatos sejam apurados com todo o rigor e que os responsáveis sejam punidos.”

Os seis policiais envolvidos na ação foram retirados das ruas.

O governador de São Paulo, João Doria, responsável pela atuação das polícias, negou que as mortes tenham relação com a ação dos policiais militares.

“A letalidade não foi provocada pela Polícia Militar e, sim, por bandidos que invadiram a área onde estava acontecendo o processo”, declarou Doria, em entrevista coletiva após o ocorrido.

Para Dias, o governador “deve ter dito uma frase infeliz”.

“Espero que Dória seja bastante enérgico para determinar a apuração rigorosa. Temos que exigir que a segurança pública seja executada garantindo o direito de fazer festa, de se distrair, com proteção da polícia e não perseguição”, diz.

Em nota, a Comissão Arns expressa seu “estarrecimento” e “profunda indignação” com a morte dos jovens “sob responsabilidade da Polícia Militar do Estado de São Paulo”.

Cobra das autoridades transparência e eficiência nas investigações para determinar as responsabilidades e expõe preocupação com o “arbítrio e a violência do Estado que se abate sobretudo contra a população jovem e negra que habita as periferias brasileiras”.

Leia também

Apenas política urbana racista explica massacre de Paraisópolis

Nota pública da Comissão Arns

Massacre de Paraisópolis: Não foi acidente. É genocídio!

 

+ sobre o tema

Geledés e o Projeto Geração XXI

O Projeto Geração XXI foi uma ação afirmativa fundamentada...

Racismo em prova da Seduc vai parar no Ministério Público

Duas tirinhas. Uma criança é informada que durante o...

para lembrar

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos...

A chance do negro fazer 18 anos é três vezes menor que do branco

E, nos últimos anos, o risco relativo de...

Escultura de Mãe Stella de Oxóssi é incendiada em Salvador

A escultura de Mãe Stella de Oxóssi, que fica...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=