Jovens se divertindo foram trucidados, afirma ex-ministro da Justiça

Em reunião extraordinária nesta segunda-feira, integrantes da Comissão Arns — coletivo que atua em situações em que há graves violações de direitos humanos — decidiram acompanhar de perto a investigação sobre a atuação da Polícia Militar em Paraisópolis, São Paulo.

Por Maria Carolina Trevisan, do UOL

Maria Carolina Trevisan (Foto: André Neves Sampaio)

A ação truculenta dos policiais durante um baile funk com 5.000 pessoas gerou tumulto. Nove jovens entre 14 e 23 anos foram pisoteados e morreram por asfixia mecânica, segundo o laudo do Instituto Médico Legal (IML).

“O caso é gravíssimo. É uma população pobre que estava se divertindo e de repente é trucidada pelos agentes do Estado”, afirma o ex-ministro da Justiça e advogado José Carlos Dias, um dos membros da Comissão Arns. “Temos o dever de interceder e cobrar do poder público que os fatos sejam apurados com todo o rigor e que os responsáveis sejam punidos.”

Os seis policiais envolvidos na ação foram retirados das ruas.

O governador de São Paulo, João Doria, responsável pela atuação das polícias, negou que as mortes tenham relação com a ação dos policiais militares.

“A letalidade não foi provocada pela Polícia Militar e, sim, por bandidos que invadiram a área onde estava acontecendo o processo”, declarou Doria, em entrevista coletiva após o ocorrido.

Para Dias, o governador “deve ter dito uma frase infeliz”.

“Espero que Dória seja bastante enérgico para determinar a apuração rigorosa. Temos que exigir que a segurança pública seja executada garantindo o direito de fazer festa, de se distrair, com proteção da polícia e não perseguição”, diz.

Em nota, a Comissão Arns expressa seu “estarrecimento” e “profunda indignação” com a morte dos jovens “sob responsabilidade da Polícia Militar do Estado de São Paulo”.

Cobra das autoridades transparência e eficiência nas investigações para determinar as responsabilidades e expõe preocupação com o “arbítrio e a violência do Estado que se abate sobretudo contra a população jovem e negra que habita as periferias brasileiras”.

Leia também

Apenas política urbana racista explica massacre de Paraisópolis

Nota pública da Comissão Arns

Massacre de Paraisópolis: Não foi acidente. É genocídio!

 

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

Minha Mãe, Minha Heroína?

“Ainda bem que ninguém saiu ferido, ninguém se machucou....

Quatro meses após execução, sigilo policial preocupa família de Marielle

Quatro meses após a execução da vereadora carioca Marielle Franco...

Polícia reconhece que aborda mais negros, mas nega racismo

Resultado consta em pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco Leiajá,...

Anistia Internacional quer comissão independente para caso Marielle

No dia em que faz oito meses dos assassinatos...
spot_imgspot_img

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Massacre de Paraisópolis: policiais militares têm segunda audiência

O Tribunal de Justiça de São Paulo retoma, no início da tarde desta segunda-feira (18), o julgamento dos 12 policiais militares acusados de matar...

Câmara do Rio de Janeiro promove encontro entre familiares de vítimas da violência do Estado

Pela primeira vez, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro promoveu o “Café das Fortes” que reúne mães e familiares de vítimas do genocídio...
-+=