Justiça do RJ torna réus oito acusados de envolvimento na morte de meninos de Belford Roxo

Enviado por / FonteG1

Decisão é do juiz Luís Gustavo Vasques, da 1ª Vara Criminal de Belford Roxo. Alexandre da Silva, de 10 anos; Lucas Matheus da Silva, de 8 anos; e Fernando Henrique Ribeiro Soares, de 11 anos desapareceram em dezembro de 2020. Os corpos nunca foram encontrados.

Oito pessoas denunciadas pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) como envolvidas na morte de três meninos em dezembro de 2020 na comunidade do Castelar, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, se tornaram réus. Os corpos das crianças nunca foram encontrados.

A decisão é do juiz Luís Gustavo Vasques, da 1ª Vara Criminal de Belford Roxo.

De acordo com a denúncia do MPRJ, Alexandre da Silva, de 10 anos; Lucas Matheus da Silva, de 8 anos; e Fernando Henrique Ribeiro Soares, de 11 anos; foram torturados e mortos por terem furtado um passarinho na comunidade.

Os promotores acreditam que um deles morreu por conta da tortura, e os outros dois acabaram sendo executados.

Os réus são:

  1. Edgar Alves de Andrade;
  2. José Carlos dos Prazeres Silva;
  3. Wiler Castro da Silva;
  4. Victor Hugo dos Santos Goulart;
  5. Ana Paula da Rosa Costa;
  6. Ruan Igor Andrade de Sales;
  7. Rafael Dias de Oliveira;
  8. Júlio Cesar Carvalho Ramos.

O magistrado também decretou a prisão preventiva de sete acusados. O réu Júlio César Ramos, que responde por ocultação de cadáver, cumprirá medidas cautelares.

“Verifica-se que resta evidenciado não apenas pela intensa gravidade dos delitos imputados aos citados réus, que, sem dúvida alguma, por si só já causa intranquilidade social, exigindo cada vez mais a adoção de uma postura rígida por parte das autoridades constituídas no sentido de restabelecer a paz social, mas também pelo modus operandi desenvolvido, revelador de alta periculosidade dos agentes a pôr em risco a sociedade como um todo”, escreveu o juiz na decisão.

O caso

No dia 27 de dezembro de 2020, Lucas Matheus, Alexandre da Silva e Fernando Henrique, que tinham 9, 11 e 12 anos, respectivamente, desapareceram depois que saíram de casa para jogar futebol na comunidade Castelar, em Belford Roxo.

De acordo com as investigações da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), as crianças foram condenadas por um tribunal do tráfico de drogas por um suposto roubo de passarinho — não se sabe se no mesmo 27 de dezembro ou dias depois.

Eles passaram por uma sessão de tortura tão violenta que um deles acabou morrendo. Para não deixar pistas, os outros dois foram executados. Os corpos foram jogados em um rio.

Leia Também:

Desaparecimento de meninos em Belford Roxo é denunciado à ONU

Quatro meses após desaparecimento, famílias de meninos de Belford Roxo ainda permanecem sem respostas

+ sobre o tema

A história de Luana e o genocídio da população negra no Brasil

"Mas tinha ficha criminal" "Deus quis assim, virou anjinho" "Bandido bom...

Jovem é presa por racismo contra policial; amiga também foi presa por ser foragida

  Duas mulheres foram presas pela Polícia Militar de Três...

‘Me senti perdido’, diz vítima de racismo de torcedores do Chelsea

Ele foi impedido de entrar no metrô de Paris...

Júri absolve policial acusado pela morte de Breonna Taylor nos EUA

Um júri absolveu nesta quinta-feira (3) o único policial...

para lembrar

Os recados dos intelectuais negros para o BNDES

Os participantes do painel "Capital a serviço da Diversidade"...

No Brasil, a cor do meu filho faz com que mudem de calçada: Taís Araújo

Atriz participou de encontro do TEDxSãoPaulo que teve como...

“Amar a negritude”: a descolonização na luta antirracista

Uma das coisas mais difíceis é você amar aquilo...

Tottenham-Lazio: cânticos racistas com Platini na bancada

André Villas-Boas não ouviu, mas lembra que a UEFA...
spot_imgspot_img

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...
-+=