Kapulana publica o livro de memórias “Um dia vou escrever sobre este lugar”, do escritor queniano Binyavanga Wainaina

Binyavanga entrelaça suas memórias de infância, adolescência e vida adulta à história contemporânea do continente africano

Por Jorge Ialanji Filholini  para o Portal Geledés 

Divulgação

A Kapulana publica no final de novembro um dos livros mais aguardados do ano, a obra Um dia vou escrever sobre este lugar, do queniano Binyavanga Wainaina. Em uma narrativa deslumbrante, o autor entrelaça suas memórias de infância, adolescência e vida adulta à história contemporânea do continente africano. Utilizando referências políticas, da cultura africana e da cultura popular mundial, o autor nos apresenta as constantes transformações acontecidas em países como Quênia, África do Sul, Uganda, Gana e Togo, a partir de seu próprio crescimento e amadurecimento como pessoa e, principalmente, escritor e constante observador do mundo ao seu redor.

Fascinado pelas diversas linguagens humanas, de palavras ao corpo, Binyavanga descreve, na obra, as diversas nuances e facetas de uma África gigante, complexa, mal compreendida, presenteando os leitores com histórias, acontecimentos e anedotas contadas com um olhar de dentro que não se pauta pelo externo, que não quer acomodar visões e conceitos restritos sobre África, mas, sim, explodi-los, para dar lugar a uma rica constelação de pessoas, impressões, línguas, costumes e situações, utilizando a própria vida, seus percalços, sua história para afogar ideias pré-concebidas e constantemente disseminadas sobre o continente africano.

A edição da Kapulana, traduzida por Carolina Kuhn Facchin, contém, ainda, o que o autor considera como um “capítulo perdido” de suas memórias, chamado “Mãe, eu sou homossexual”, publicado em 2014, três anos após o livro original. No texto, Binyavanga reinventa como teriam sido os últimos momentos de vida de sua mãe se ele tivesse viajado até o Quênia para estar com ela, e lhe contado que é um homem gay. Com muita sensibilidade, ele nos apresenta uma vida de autoconsciência mas, também, de restrição, devido ao medo, à vergonha e a profundas amarras culturais.

Em depoimento sobre o livro, o premiado escritor queniano Ngũgĩ wa Thiong’o destacou: “Wainaina é um cantor e pintor de palavras. Ele faz você cheirar, escutar, tocar, ver e, acima de tudo, sentir o drama e as vibrações da vida abaixo da superfície capturada de forma brilhante e concreta do Quênia e da África”. Para a cantora e compositora Ellen Oléria, que assina o texto de orelha da versão brasileira da obra: “em um dia vou escrever sobre este lugar pregamos e liberamos cada passo numa teia diversa de povos, costumes, idiomas de uma áfrica múltipla em visões e memórias que falam com a verdade da autonomia, da conexão ancestral, da força de laços e rompimentos”.

Um dia vou escrever sobre este lugar é uma admirável leitura sobre o retrato reflexivo de um momento recente da história da África, pela perspectiva criativa de Binyavanga, onde a linguagem é o mote fundamental para a composição destas memórias afetivas e atenciosas, dialogando com cultura pop e tradições africanas. Uma obra mais que necessária para acompanhar a profunda jornada das sensações marcantes da escrita de um dos autores mais geniais da literatura deste começo de século.

FICHA TÉCNICA

Título: Um dia vou escrever sobre este lugar

Autor:   Binyavanga Wainaina

Gênero: Memórias

País de origem: Quênia

Idioma: Português (traduzido do inglês)

Tradução: Carolina Kuhn Facchin

ISBN: 978-85-68846-45-2

Nº de páginas: 308 p.

Formato: brochura 14cm x21cm

Preço: R$ 54,90

Ano / ed.: 2018 – 1ª

Editora: Editora Kapulana

+ sobre o tema

Rapper Sharylaine luta para abrir caminho para mulheres no hip hop

Ao longo de 38 anos de carreira, a rapper Sharylaine não...

Segunda edição da Flipelô destaca legado da cultura negra

A negritude e o legado africano na cultura brasileira...

Taís Araújo responde a Otaviano Costa pergunta sobre cabelo

Durante o Video Show ao vivo desta terça-feira, 6,...

Lula divulga carta parabenizando Mandela por 95º aniversário

O ex-presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva...

para lembrar

A libertação de Mandela

A libertação de Mandela tornou-se uma das principais bandeiras...

“Somos africanos e temos que entender isso”, afirma ex-ministro de Lula

Franklin Martins lançou nesta terça-feira, em São Paulo, série...

Descendentes de quilombolas têm direito a terras por usucapião em SP

    Menos de um mês antes do Supremo Tribunal Federal...

A saga do negro

Com desafios tamanhos, a inteligência europeia decidiu-se por importar...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=