Lei de Cotas aumenta em 39% o número de negros nas federais

Foram pesquisadas 104 instituições federais do ensino superior, entre universidades e institutos

Um levantamento do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) constatou que a Lei de Cotas fez crescer o número de alunos pretos, pardos e indígenas nas instituições públicas de ensino superior. O aumento foi de 39% entre os anos de 2012 e 2016.

Os estudantes auto-declarados pretos, pardos e indígenas eram 27,7% dos ingressantes em 2012. Quatro anos depois, chegaram a 38,4% do total.

Se for levar em conta os que vieram de escola pública, baixa renda e negros ou indígenas, o aumento foi de 37%. Essa foi a população mais beneficiada, de acordo com o levantamento. A Federal do Ceará (UFC) com 135%, seguida pela Federal de Santa Catarina (UFSC), com 120% foram as que apresentaram os maiores índices.

Sancionada em 2012, a Lei prevê que o mínimo de 50% da vagas sejam para alunos de escolas públicas no ensino médio, sendo que metade do número fica condicionada a estudantes pobres, com renda mensal per capita de até 1,5 salário mínimo. Além disso, para os negros e indígenas, a reserva deve ser proporcional à presença deles na instituição, de acordo com o Censo da Educação Superior mais recente.

Em 2022, a política deve ser avaliada, como determina a lei de sua criação. A intenção é ‘revisar o programa especial para o acesso às instituições de educação superior de estudantes pretos, pardos e indígenas e de pessoas com deficiência, bem como daqueles que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas’, determina o documento, assinado pela então presidente Dilma Roussef.

+ sobre o tema

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

para lembrar

Plano de aula – A Literatura Afro-brasileira (em vídeo)

A Literatura Afro-brasileira (vídeo) por Zelinda Barros https://youtu.be/nxTXptcQjLE Videoaula de Literatura Afro-brasileira do...

Vamos falar sobre a questão étnico-racial na formação dos professores?

Lançamento da Pallas Editora, “A questão étnico-racial na formação...

Comunicação no terceiro setor: do institucional às causas

Temos repetido inúmeras vezes, para nós mesmos e para...

O Afrodescendente no currículo das escolas brasileiras: Os desafios no passado e no presente

O AFRODESCENDENTE NO CURRÍCULO DAS ESCOLAS BRASILEIRAS: OS DESAFIOS...
spot_imgspot_img

FGV e Fundação Itaú oferecem bolsas de mestrado em comunicação digital e cultura de dados

A FGV-ECMI (Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getúlio Vargas) vai oferecer 30 bolsas integrais para o mestrado em comunicação digital e...

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas cívico-militares na rede estadual e municipal de ensino foi aprovada na noite desta terça-feira (21) na...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem sido objeto de debate em diversos contextos nacionais e internacionais, mobilizando famílias, a sociedade e...
-+=