Fabíola, lute como uma garota

no zap zap recebo um vídeo e o deleto.

enviado por Lelê Teles para o Portal Geledés

Reprodução/ Twitter

sempre deleto, sem visualizar, esses vídeos estúpidos em que um idiota grava a transa entre ele e uma garota (com o consentimento dela ou não), e depois joga o vídeo na net (sem o consentimento dela), como sinal de vingança infantil, macheza abjeta e misoginia em estado puro.

a ideia é difamar a garota.

sempre dá certo, não faltam misóginos prontos a jogar pedra na Geni.

você pode não ter captado a mensagem, mas na Bíblia já rolava essas paradas.

quando o Mestre encontrou uma turba, numa quebrada, pedras na mão, prontos a alvejar a Geni da vez, Jesus os admoestou: “aí, moçada, seguinte, aquele que porventura nunca houver pecado que atire a primeira pedra”.

a misoginia baixou a guarda.

em verdade o Mestre pode ter querido dizer o seguinte: “amigão, se ela é uma prostituta e cometeu o pecado de se prostituir, cada um de vocês merece também uma pedrada, afinal foi com cada um de vocês que ela se prostituiu.

ora, bolas.

voltemos ao zap zap. o vídeo que deletei foi aparecendo com frequência cada vez maior, no face, no zap, em sites, em agroglifos desenhados em plantações de trigo, o cacete.

resolvi vê-lo.

qual não foi a minha surpresa: Fabíola, é flagrada saindo do motel com o amante. o marido leva um amigo para filmar o flagrante, já na intenção de genizar a esposa.

ficamos sabendo que os cinco envolvidos são amigos. e que o amante também é casado.

até aí questões de foro íntimo.

mas o filme se desdobra numa narrativa estranha em que o discurso de ódio é todo voltado à mulher, ela é a safada, o amante, não; ela é a vagabunda, o amante, não; ela é a puta, o amante, não.

ela é a Geni.

nas redes sociais era o que prevalecia, xingava-se Fabíola, e fazia-se graça com o “Gordinho da Saveiro”. o amante recebe um apelido no diminutivo, carinhosamente.

isso me fez lembrar de uma parada que rolou a algum tempo.

todos se lembram quando a mídia acionou os midiotas a odiarem o Irã, nos trouxe uma questão de alcova que mexeu fundo na hipocrisia nossa de cada dia.

é que os barbudos malvados iriam apedrejar até a morte a jovem Sakineh, acusada de cometer adultério.

os brasileiros se indignaram, pareciam querer dizer, quem nunca traiu, talvez ela estivesse infeliz com o barbudo, talvez quisesse apenas se divertir, quem sabe não foi uma simples fantasia, quem nunca…

apedrejar jamais.

essas mesmas pessoas estão agora a apedrejar Fabíola nas redes sociais. “joga bosta na Geni”.

mas há uma questão ainda mais intrigante. como sabia que contaria com a infâmia de todos os misóginos do mundo, o marido e o amigo não tiveram pudor em publicar o vídeo.

o lance é que no vídeo, Fabíola não cometia um único crime, o marido e o amigo cometiam vários.

o mais grave, o traído arrancou a esposa pelos cabelos do automóvel do traidor e lhe deu umas bofetadas.

o cara filmou uma agressão a uma mulher e divulgou nas redes sociais na boa.

ele não só a apedrejou como exibiu a garota em praça pública para que ela fosse virtualmente apedrejada por um milhão de marmanjos.

o que bateu cometeu um crime e o que filmou a agressão e deu a ela publicidade, ao invés de socorrer a mulher agredida, também criminou.

o “Gordinho da Saveiro” acovardou-se, não defendeu a si mesmo e não defendeu Fabíola, ali eram três contra uma.

o marido de Fabíola chega a dizer ao “gordinho”: dessa aí eu esperava tudo, mas de você, cara?”

perplexo ele afirmou que uma mulher sempre será uma puta e sempre estará disposta a trair o seu parceiro, mas um amigo jamais deveria trair o outro amigo, coma a mulher de outro cara que você não conhece, mas não a mulher do amigo.

é a regra de outro, não faça aos outros o que você não gostaria que fizessem a ti mesmo.

Fabíola deveria agora está contando com o apoio das outras garotas. Fabíola não deveria fazer o jogo dos rapazes, se esconder e se envergonhar.

esses caras é que têm que sentir vergonha do papel ridículo que fizeram. eles devem ser denunciados na delegacia.

Fabíola deve dizer que estava em um motel, portas fechadas, fazendo o que deus lhe permitiu fazer.

ninguém deve sentir vergonha por ter feito sexo consensual com quem quer que seja.

e todos os que divulgam vídeo de sexo sem o consentimento de qualquer garota, devem ser denunciados à polícia e as garotas devem deixar claro que quem cometeu erro foram eles e não elas, quem deve prestar contas à polícia e à sociedade são eles e não elas.

eu tenho uma filha, ela jamais irá baixar a guarda pra macho nenhum, nenhum idiota vai conseguir humilhá-la por ela não ter feito nada de errado, nenhum homem vai tripudiar da condição dela de mulher.

Fabíola, o jogo já virou.

viralizou a tag em que as garotas perderam a vergonha de falar sobre assédio, isso deve ser vergonhoso para os homens e não para as mulheres.

viralizaram os vídeos das garotas, ainda adolescentes, enfrentando os marmanjos conhecidamente violentos da PM de Alckmin.

foram as mulheres as protagonistas das maiores manifestações contra o até então todo poderoso Eduardo Cunha.

enquanto toda a república se ajoelhava para as chantagens de Cunha, as mulheres foram à rua enfrentá-lo: Cunha sai, Pílula fica.

as garotas da Globo, que foram ofendidas por racistas, foram às redes sociais e os enfrentaram, mostraram que quem deveria sentir vergonha eram eles.

o exemplo é esse, Fabíola.

querem que você fique em casa chorando como uma mulherzinha, com vergonha de tudo e de todos.

isso está errado.

Fabíola, erga a cabeça e lute como uma garota.

palavra da salvação.

#FabíolaLuteComoUmaGarota

 

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Convite: PLPs vozes em ação

Temos o prazer de convidar para a cerimônia de...

Grupo lança ‘rede de proteção’ às vítimas de violência nas universidades

Um grupo de professores, advogados, médicos e ativistas de direitos ...

Misoginia na internet: como o Estado deve identificar e punir os machistas virtuais

Hostilidade e assédio não são novidade para as mulheres...

para lembrar

Saúde e segurança do trabalhador

por Maciana de Freitas e Souza para o Portal...

Vitimismo

-Vitimismo, veja só você! Por Neymar Ricardo Santos da Silva para...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial  e  não punição, como nos recentes casos de abuso de poder...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...
-+=