Luiza Bairros – Nossos Feminismos Revisitados

Certa vez em Salvador Bahia vi na televisão um quadro sobre culinana era um programa matinal dirigido ao publico feminino onde se demonstrava como preparar um prato do qual ja nem lembro. Naquele momento o que prendia minha atenção estava atras da imagem imediatamente visivel na tela de TV.  O cenario era uma cozinha e o personagem principal uma apresentadora que não parava de dar instruções e conselhos em contraposição uma jovem negra participava da cena no mais completo mutismo. Naquele programa o estereotipo que nos associa a boa cozinheira foi redefinido pela redução da mulher negra ao papei de coadjuvante mesmo no limitado espaço imposto pelo racismo. Para mim entretanto tão poderosa quanto o silêncio era nossa outra fala transmitida pela pele negra e realçada pelo penteado de tranças da ajudante uma imagem posta em nossos proprios termos desligada das representações de submissão atribuidas a nos mulheres e homens negros. Se por um lado os produtores de TV acham que não possuimos a autoridade e segurança necessanas para ensinar ate mesmo o que supostamente fazemos melhor por outro e evidente que o racismo ja não pode mais ser praticado sem contestação sem que de algum modo emerjam os contradiscursos que (re)criamos nas duas ultimas decadas Os significados embutidos na cena não param por ai o papel desempenhado pela apresentadora – branca era superior apenas na aparência pois eia estava restrita ao espaço geralmente desvalorizado da atividade domestica. Logo sua ‘autoridade so pôde evidenciar-se quando contraposta ao papel secundaria da ajudante negra .

Numa sociedade racista sexista mareada por profundas desigualdades sociais o que poderia existir de comum entre mulheres de diferentes grupos raciais e classes sociais’? Esta e uma questão recorrente não totalmente resolvida pelos varias feminismos que interpretam a opressão sexista com base num diferenciado espectro teorico politica ideologia° de onde o movimento feminista emergiu.

Leia o PDF:

Nossos_Feminismos_Revisitados_Luiza_Bairros

Fonte: Journal ufsc

+ sobre o tema

Escritora Elisa Pereira lança amanhã “Sem Fantasia”, seu segundo livro!

Na próxima terça-feira (29), às 19h, será lançado “Sem...

Jovens, negras da periferia: elas são o que querem ser!

Por Nayra Lays, 17 anos, moradora do Grajaú, São...

“O Quarto de Despejo está vivo”, afirma filha de Carolina Maria de Jesus

Em 60 anos do livro “Quarto de Despejo: Diário...

O (não) lugar da mulher negra nas campanhas publicitárias

Uma recente propaganda promovida pela prefeitura de Fortaleza teve...

para lembrar

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Feminismo negro: violências históricas e simbólicas

É fundamental explicitar as grandes distâncias que ainda separam...

Marielle, semente! Mulheres negras eleitas provam que luta da vereadora não foi em vão

Apesar da eleição de deputados defensores do porte de...

Quem tem medo das pedagogas negras?

Não vou me demorar em responder a pergunta que...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=