Maceió: Educadores discutem Educação Quilombola durante Curso de Formação

Professores de comunidades quilombolas alagoanas e técnicos das Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) participaram, nesta terça-feira (25), do primeiro dia do Curso de Formação em Educação Quilombola – Ancestralidade, Cultura, História e Identidade. A palestra, ministrada pela professora doutora Denise Botelho, trouxe uma abordagem sobre a Construção de uma Educação Quilombola com suas perspectivas teóricas e práticas. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (SEE) e a Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos.

Durante o curso, a professora tratou de legislações, diretrizes curriculares e políticas educacionais que determinam a inclusão dos estudos da história e cultura africana e afro brasileira. Temas como racismo, desigualdade e novas práticas pedagógicas também foram desenvolvidos com os educadores.

“Nós devemos enxergar as comunidades quilombolas como legado histórico afro-cultural e entender que existe uma nova ordem social. O problema é que temos pessoas que se beneficiam das desigualdades. A educação quilombola tem que eliminar o atraso da população brasileira e a escola é um lugar adequado para isso, independente da formação étnico racial de cada um”, analisou Denise.

A professora Denise Botelho propôs ainda ações pedagógicas afirmativas, dentre elas, o fortalecimento da autoestima e identidade de crianças e jovens quilombolas.

Segundo a professora Rejaneide Veiga existe uma dificuldade de aceitação dos próprios alunos de origem afro. “Muitas crianças e jovens não se assumem negros, não se aceitam como quilombola. Essa é uma oportunidade para dialogarmos sobre esse tipo de comportamento tão comum”, acredita a professora.

O técnico pedagógico da Gerência de Diversidade da Secretaria de Estado da Educação e coordenador da capacitação, Zezito Araújo, comentou a relevância dos debates e formações da cultura africana e afro brasileira entre profissionais da educação. “Assumimos esse compromisso de formar professores e técnicos diante, sobretudo, da legislação que determina a obrigatoriedade do ensino da história e cultura africana e afro brasileira nas redes públicas. Além disso, não podemos esquecer que o ensino nas comunidades remanescentes quilombolas tem sua especificidade. Nossa intenção é capacitar os educadores para lidar com essa realidade”, destacou Zezito.

Programação

Dando prosseguimento ao Curso de Formação, nesta quarta-feira (26), a professora mestra Gilvânia Maria da Silva conduz palestra sobre o tema “Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Quilombola na Educação Básica”.

A “Comunidade Quilombola: história, identidade e preconceito” será o assunto abordado no terceiro dia do evento, quinta-feira (27), pelo professor doutor Moisés de Melo Santana. Já a conclusão do curso terá palestra ministrada pelo coordenador da capacitação, professor mestre Zezito de Araújo, com o tema “Socialização de Experiências: Educador, vivência e cotidiano”, na sexta-feira (28). Todas as palestras ocorrem no período da manhã.

A programação conta ainda com grupos de estudos e oficinas, além de salas temáticas com foco nos Ensinos Médio e Fundamental. A última atividade do Curso de Formação será a exibição de um vídeo documentário sobre as regiões quilombolas em Alagoas.

 

 

Fonte: Cada Minuto 

+ sobre o tema

Preto e dinheiro são palavras rivais???

Por Bruno Rico Do Afro21 Precisamos aprender a reconhecer algo histórico,...

“Para branco sempre tem espaço”, diz Vovô do Ilê sobre dívida do bloco afro

Bloco passa por momento complicado, com dívidas que chegam...

para lembrar

Jovens realizam Marcha Contra a Violência e o Extermínio em São Pedro

Dezenas de jovens participaram na tarde desse domingo...

Dinâmica demográfica da população negra é tema do Comunicado nº 91 do Ipea

Estudo foi apresentado ontem (12), pelo secretário-executivo da...

Crianças Chefes de Familias

Mais de 130 mil brasileiros com menos de 14...
spot_imgspot_img

Quilombolas de Marambaia lutam por melhorias nos serviços públicos

Mesmo após a titulação, a comunidade quilombola da Ilha da Marambaia, em Mangaratiba, no Rio de Janeiro, visitada pelo presidente Luiz Inácio Lula da...

Morre o escritor Nêgo Bispo, referência da luta quilombola

A Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Quilombolas, Conaq, confirmou a morte, neste domingo, 03, do escritor e ativista Antônio Bispo dos Santos, conhecido...

Quilombolas vão à COP28 cobrar justiça climática

Comunidades tradicionais do Brasil estão presentes na COP28, conferência do clima da ONU que começou na quinta-feira (30), em Dubai, nos Emirados Árabes. Apesar disso,...
-+=