A maioria dos brasileiros precisa virar povo, mesmo que não saiba

“Sucessivas violações do governo Temer exigem mais articulação e união contra desmonte da democracia no país”, diz o historiador e cientista político Roberto Bittencourt da Silva; “O golpismo, o entreguismo e o reacionarismo encarnados na abjeta figura do presidente Michel Temer (PMDB) impõem flagrantes e imensuráveis retrocessos culturais, políticos e econômicos ao Brasil”, afirma

Por Roberto Bitencourt da Silva, para Brasil 247

Amesquinhamento absoluto do ensino médio, decidido às portas fechadas entre oligarquias políticas, sem consulta e debate com a sociedade. Eliminação de históricos direitos trabalhistas e previdenciários. Alienação dos valiosos patrimônios das nossas Petrobras e Eletrobras. Violação de garantias constitucionais elementares para a saúde e a educação.

Desinvestimentos na produção do conhecimento, em ciência e tecnologia. Incremento da desnacionalização do setor produtivo. Defesa de chacinas e outras intervenções ou ações, incompatíveis com qualquer noção minimamente relacionada a uma sociedade que se possa atribuir atenção com padrões de civilidade, justiça social, democracia e interesse nacional.

O golpismo, o entreguismo e o reacionarismo encarnados na abjeta figura do presidente Michel Temer (PMDB) impõem flagrantes e imensuráveis retrocessos culturais, políticos e econômicos ao Brasil.

Os personagens espúrios que formam o ilegítimo governo Temer demonstram, aberta e despudoradamente, o que são e o que pensam as classes dominantes no Brasil: fazendeirões, multinacionais, especuladores financeiros e imobiliários, bancos.

Essa estrutura de poder, de fato, revela nenhum compromisso com o País. Absoluto desprezo com a sorte do Povo Brasileiro.

Contudo, micros, pequenos e médios empresários que apoiam esse estado de coisas terão que superar os seus preconceitos antissindicais, antiesquerdas, antipovo. Escantearem suas visões americanófilas, incompatíveis com as vicissitudes e os interesses brasileiros.

Isso se não quiserem se suicidar de vez, enquanto setores de classe. Terão que observar que a única saída que possuem é defender os direitos sociais e trabalhistas, o poder de consumo e o emprego dos trabalhadores. Defender o País. Senão, podem fechar as suas portas. Precisam virar Povo.

O mesmo vale para algumas frações dos estratos altos e médios dos assalariados. Se ficarem mergulhados na baboseira reacionária e entreguista, como encontram-se, teleguiados pela cantilena vende pátria da Globo e de outras megacorporações de mídia, amanhã não terão sequer o que comer. Precisam virar Povo e perceberem que sua sorte existencial guarda estreita relação com os destinos da Nação.

Quanto ao “povão” mais humilde, na formulação delineada pelo grande Darcy Ribeiro – “povão” subempregado, desempregado, altamente marginalizado, arrochado na superexploração do trabalho –, que conforma a maioria dos trabalhadores assalariados, por enquanto, encontra-se na mera e triste condição de plebe.

Isto é, integrado por amplas faixas da população vivendo como párias em nosso solo pátrio: amorfos, sem identidade política, totalmente abandonados e atomizados. Um objeto, sem projeção de futuro, sem capacidade de ação.

Mas, isso não é fenômeno dado pela natureza. Essa multidão heterogênea e politicamente apassivada pode perfeitamente constituir-se e cerrar fileiras nas lutas do Povo Brasileiro, em defesa dos mais altos interesses populares e nacionais. Exemplos brasileiros e de outras paragens, hoje e ontem, aqui e alhures, não faltam.

Povo é uma construção política, como bem interpreta o cientista político argentino Ernesto Laclau. Uma plataforma de sujeitos e de segmentos sociais e classes com potencial antissistêmico. Uma miríade de setores sociais com demandas e necessidades desconsideradas pelas instituições hodiernas e pelo bloco de poder.

O Povo, para ser formado, precisa ser interpelado politicamente, ser estimulado a converter-se em sujeito que conte e aja. Precisa ter identidade e ser incentivado. Compreender que tem capacidade de ação e que conta nas decisões relativas aos rumos da sociedade e do Estado.

Mas, para o “povão” – hoje sob a condição de plebe -, assim como para demais setores sociais em destaque, virarem Povo, com identidade e ação dotada de sentido, fazem muita falta entidades coletivas capazes e consequentes – partidos, movimentos sociais, sindicais etc.

Faltam também grandes líderes. Todos artigos escassos no obscuro momento brasileiro e que precisam crescer e aparecer. O antipovo, a antinação está bastante atuante e desavergonhada, acabando de vez com o Brasil. O seu contraponto precisa emergir. O quanto antes.

Roberto Bitencourt da Silva – historiador e cientista político. 

+ sobre o tema

Após 3 meses, Anvisa decide que uso de máscaras volta a ser obrigatório em aeroportos e aviões no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu nesta...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Morre médico cubano que participava do Mais Médicos

    O médico foi diagnosticado com câncer no pâncreas após...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

para lembrar

Lula afirma que quem quiser vencê-lo deverá acordar cedo e pôr “pé no barro”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva transformou o...

Até quando a sabotagem conservadora poderá resistir?

por Saul Leblon A Folha quer ser...

Rápido como uma bala

Rápido como uma bala. Sob o título "É um...

Sociedade brasileira é ‘racista’, afirma futuro presidente negro do TST

Primeiro negro eleito para presidir o Tribunal Superior do...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Militares no alvo

Nada na operação da Polícia Federal ontem chamou mais a atenção que o envolvimento da alta cúpula militar do governo Jair Bolsonaro na trama golpista. As...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...
-+=