Mais de 15.500 denúncias de violência contra mulheres na Bolívia só este ano

Bolívia é um dos países mais violentos registando 38 feminicídios e 15.500 denúncias de violência e crimes sexuais. Lei que garante "uma vida livre de violência punindo o homicídio" não é cumprida.

A Bolívia registou 38 feminicídios e 15.592 denúncias de violência doméstica e agressão sexual contra mulheres, adolescentes e menores de idade este ano, anunciaram esta quarta-feira as autoridades.

Os relatórios do Gabinete do Procurador-Geral, citados pela agência espanhola de notícias EFE, indicam que, desde o início do ano até 21 de maio, foram recebidas 18.943 queixas relacionadas com diferentes casos de violência.

A maioria corresponde a atos de violência doméstica, cerca de 14.524 casos, enquanto 1.068 são crimes sexuais contra mulheres, adolescentes e menores, e os restantes correspondem a outros tipos de agressões.

O último femicídio registado foi o de uma mulher de 27 anos, assassinada pelo companheiro de 32 anos, com quem tinha uma filha de oito anos e um filho de quatro.

A procuradora do departamento de Tarija, no sul do país, Sandra Gutiérrez, relatou que o homem entrou na casa da vítima, arrastou-a para a rua e “espancou-a até à morte com pedras”.

Após o crime, o homem tentou envenenar-se, mas os seus familiares impediram-no e levaram-no para um hospital, onde se encontra em recuperação e sob vigilância policial.

Há mais de uma década que a Lei 348 foi aprovada na Bolívia para garantir às mulheres uma vida livre de violência, punindo o homicídio de mulheres com 30 anos de prisão sem direito a liberdade condicional ou perdão.

No entanto, diferentes organizações feministas têm-se queixado repetidamente de que a lei não é integralmente cumprida devido a atrasos judiciais e à falta de recursos financeiros e de pessoal formado para tratar as queixas de violência de género.

Em julho do ano passado, o governo apresentou ao parlamento um projeto de lei para reformar e “reforçar” a lei, mas até agora não foi discutido.

Os constantes casos de feminicídio e violência de género colocam a Bolívia entre os países mais violentos da região.

+ sobre o tema

para lembrar

Dilma Rousseff enfatiza luta contra violência doméstica

A presidenta da República, Dilma Rousseff, afirmou que é preciso “reprimir...

Como a violência doméstica impacta a saúde mental

Quadros de ansiedade e depressão são comuns em mulheres...

Levantamento mostra que 30% das medidas protetivas para mulheres são concedidas após o prazo legal de 48h

Levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), pelo Instituto Avon...
spot_imgspot_img

13 leis sobre proteção à mulher que precisam ser efetivadas em 2024

Se é verdade que, no Brasil, o novo ano só começa depois do Carnaval, ainda é tempo de realizar uma retrospectiva, para divulgar leis...

Quase 23 mil medidas protetivas foram dadas a mulheres vítimas de violência, em 2023; Botão do Pânico foi acionado 91 vezes

Para se protegerem de violências domésticas, as mulheres costumam receber medidas protetivas e, em caso do agressor ser monitorado por tornozeleira eletrônica, utilizarem o...

Projeto permite que mulheres chequem antecedentes criminais de parceiros

Um projeto de lei que tramita na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) quer permitir que mulheres tenham acesso aos antecedentes criminais de seus parceiros. O texto,...
-+=