Um terço dos jovens na Alemanha acha que violência contra mulheres é “aceitável”, diz estudo

Enviado por / FonteCNN, por Sophie Tanno

Dos 1.000 homens entre 18 e 35 anos que responderam à pesquisa, 34% admitiram ter sido violentos com suas parceiras, para “induzir respeito”; outras 1.000 mulheres na mesma faixa etária foram consultadas

Um terço dos jovens na Alemanha considera aceitável o uso de violência contra as mulheres, de acordo com uma nova pesquisa que causou indignação entre ativistas pela igualdade de gênero.

A pesquisa foi encomendada pela instituição de caridade infantil Plan International Germany. Os resultados foram publicados no jornal regional Westdeutsche Allgemeine Zeitung.

Um grupo de 1.000 homens e 1.000 mulheres com idades entre 18 e 35 anos de toda a Alemanha foram convidados a dar suas opiniões sobre masculinidade para o estudo, que foi realizado de forma online.

34% dos homens dessa faixa etária admitiram ter sido violentos com suas parceiras no passado, para “induzir respeito nelas”. 33% disseram que achavam aceitável que sua “mão escorregasse” ocasionalmente durante uma discussão com o parceiro.

Explorando as atitudes em relação à culpabilização da vítima e aos padrões duplos, a pesquisa constatou que 50% dos homens disseram que não gostariam de ter um relacionamento com uma mulher que teve muitos parceiros sexuais, enquanto 20% das mulheres entrevistadas concordaram com essa afirmação.

A pesquisa também descobriu que as expectativas dentro de um relacionamento diferem muito entre homens e mulheres.

Pouco mais da metade dos homens – 52% – queria um relacionamento na forma de “modelo chefe-dona-de-casa”, onde ganhavam a maior parte do dinheiro para a casa e o cuidado dos filhos e as tarefas domésticas eram principalmente da mulher.

Mais de dois terços das mulheres entrevistadas discordaram, querendo parcerias iguais e tomadas de decisão compartilhadas.

Pouco menos da metade dos entrevistados – 48% – expressou antipatia por exibições públicas de homossexualidade, dizendo que se sentiam “perturbados” por isso.

Um grupo alemão chamado Organização Federal para a Igualdade escreveu no Twitter que as descobertas foram “chocantes”.

“De acordo com uma pesquisa da Plan International Germany, um em cada três jovens considera a violência contra as mulheres ‘aceitável’. Isso precisa mudar urgentemente!”, escreveu o grupo.

Karsten Kassner, do Federal Forum Men, um grupo que defende a igualdade de gênero, também pediu mudanças ao dizer: “É problemático que um terço dos homens pesquisados ​​banalize a violência física contra as mulheres”.

Segundo dados da Polícia Criminal Federal da Alemanha (BKA), 115.000 mulheres na Alemanha foram vítimas de violência doméstica em 2021.

A Alemanha também tem uma das taxas mais altas de feminicídio da Europa – um problema que foi agravado durante a pandemia de coronavírus, segundo dados do BKA.

+ sobre o tema

Para ministra, partidos não financiam campanhas femininas

Para as eleições do próximo dia sete, 52% do...

Paulo Paim: projeto que criminaliza homofobia será votado este ano

O projeto de lei que criminaliza a homofobia será...

Higui: atacada por ser lésbica, presa por defender-se.

Andando nas ruas do centro de Buenos Aires, entre...

Cadê as minas negras do metal/punk?

Do UNIÃO DAS MULHERES DO UNDERGROUND Há poucos meses vimos a...

para lembrar

A culpa calada

É preciso aprender a não ser bem-vindo. Mas há...

Salário mais alto causa até separação; mulheres devem ter jogo de cintura

Às vezes é necessário para o símbolo feminino do...

O feminismo Good vibe: a branquitude racista que precisa do aval de homem branco

O Brasil mesmo sendo o país de maioria negra,...

Mãe Preta – Memória da escravidão, maternidade e feminismo em exposição na galeria pretos novos de arte contemporânea

As conhecidas imagens das amas-de-leite negras, registradas desde meados do...
spot_imgspot_img

Brasil registra um crime de estupro a cada seis minutos em 2023

O Brasil registrou um crime de estupro a cada seis minutos em 2023. Com um total de 83.988 casos de estupros e estupros de...

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...
-+=