Mais um nas estatísticas implacáveis contra os negros

 

Até o dia 10 de fevereiro, Vinicius Romão contrariava as estatísticas. Negro, aos 27 anos é estudante finalista de Psicologia, tem um emprego que lhe garante um salário entre R$ 1,6 e R$ 2,0 mil, é filho de um tenente-coronel da reserva do Exército. Atuou na novela global “Lado a Lado”, vencedora do prêmio Emmy de 2013.

Mas as duras estatísticas que recaem sobre a população negra atingiram Vinicius nesse dia, quando ele voltava do trabalho em uma loja de roupas no shopping da zona Norte do Rio de Janeiro e foi detido pela polícia sob a acusação de assalto.

Contra ele havia o testemunho da vítima, que disse ter sido atacada por um homem negro, magro, alto, de camisa e bermuda pretas e cabelo black-power. Sem evidências materiais e acusado por uma prova testemunhal em desacordo com o Código Penal, Vinícius ficou duas semanas na Casa de Detenção Patricia Acioli, em São Gonçalo.

Se em vez de negro com black-power o suspeito fosse branco de cabelos lisos a atitude dos policiais que o abordaram e o autuaram seria diferente? Se levarmos em conta as estatísticas, sim.

Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostram os negros estão entre as maiores vítimas da violência. O estudo conclui que a probabilidade de pretos e pardos serem vítimas de homicídio é de quase oito pontos percentuais a mais do que a da população branca. Isso independe de sexo, idade ou escolaridade.

Vinicius não foi vítima desses facínoras que se intitulam justiceiros, mas sofreu uma dura violência por parte do estado. Ele não engrossou a contabilidade maldita que garante dois pretos ou pardos em cada três vítimas de homicídio, mesmo assim a prisão equivocada é um tiro em sua dignidade.

Os dados do Instituto mostram que os negros perdem 3,5 anos de vida em sua expectativa ao nascer, contra 2,5 anos de um homem de outra etnia. Vinícius já perdeu duas semanas da sua, considerando, apenas, o tempo cronológico. O quando o trauma causou só ele pode dizer.

Conversei com alguns amigos de Vinicius. Todos o descreveram como um rapaz amável, honesto, bom vendedor na loja em que trabalha, apaixonado pela Psicologia e pela carreira de ator.

Perdeu a mãe há alguns anos e antes disso um irmão. Ela de problemas cardíacos, ele de anemia falciforme – doença hereditária predominante em negros.

Romão, como é chamado pelos amigos, é forte e pratica musculação. Na certa driblou a estatística que levou seu irmão. Quanto às outras, perpetradas pelo racismo ainda vivo na sociedade brasileira, vai ter que superar e chutar a cada dia.

Com ginga de capoeirista, igual seu personagem em Lado a Lado.

 

marcos-sacramento-200x300
Sobre o Autor

Marcos Sacramento, capixaba de Vitória, é jornalista. Goleiro mediano no tempo da faculdade, só piorou desde então. Orgulha-se de não saber bater pandeiro nem palmas para programas de TV ruins.

 
 
Fonte: DCM

 

+ sobre o tema

Casos de racismo no futebol crescem nos últimos anos

Mesmo com dezenas de câmeras e microfones na direção...

Utopia e luta contra o nazifascismo, o racismo, a opressão

A Comunidade Autônoma Utopia e Luta foi atacada, pela...

Minas assina acordo pioneiro para enfrentar o racismo

Um acordo pioneiro no Brasil vai levar ações de...

para lembrar

Justiça absolve policiais acusados de tortura e morte de Amarildo

A 8ª Câmara Criminal da Justiça do Rio de Janeiro absolveu ontem (13)...

Antídoto Ao Discurso Fascista Sobre Segurança Pública

Este artigo foi escrito como uma contribuição aos parceiros...

JK Rowling defende nova Hermione negra: “Idiotas serão sempre idiotas”

 JK Rowling, a autora dos livros de Harry Potter,...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=