“O caso não é fato isolado” Corregedoria da Civil vai investigar policial que prendeu ator e delegado

 

A Corregedoria da Polícia Civil vai investigar se houve irregularidade na prisão do ator Vinicius Romão no último dia 10, depois que a vítima, que teve sua bolsa roubada, reconheceu o rapaz.

Segundo informações da Polícia Civil, serão avaliadas as condutas do policial civil Waldemiro Antunes de Freitas Junior (da 11ª DP), que fez a abordagem e levou o ator à delegacia, e do delegado plantonista William Lourenço Bezerra, que registrou o flagrante.

Na terça-feira (25), o juiz Rudi Baldi deicidiu pela liberdade provisória de Romão. Ele deve ser solto nesta quarta (26). Conforme a sentença divulgada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Romão não apresenta o perfil corriqueiro de autores de crime dessa espécie. “É uma pessoa que trabalha, estuda e tem endereço fixo, além de não possuir antecedentes criminais”.

No entanto, o caso ainda não foi finalizado. “São necessários alguns esclarecimentos nas declarações prestadas, e suas condições pessoais não demonstram que seu retorno à liberdade comprometa a ordem pública, dificulte a aplicação da lei penal, ou seja, inconveniente para a instrução criminal, ao menos por ora”.

De acordo com o delegado Niandro Lima, titular da 25ª DP (Engenho Novo), a vítima foi ouvida novamente e alegou ter se confundido na hora do reconhecimento.

A repercussão do caso, segundo membros do movimento negro, contribuiu para que o ator não ficasse mais tempo preso. Para a colaboradora do Núcleo de Consciência Negra da Universidade de São Paulo (USP) Maria José Menezes, a prisão de Vinícius não foi por engano. “Negro sempre é vilão até provar que não”, afirma, citando trecho de música.

Para Maria José, o caso não é fato isolado. “É uma política do Estado. O policial tem visão que negros e/ou periféricos são suspeitos ou culpados por algo. Isso é cotidiano e naturalizado pela sociedade”, diz.

 

Câmeras revelam que prisão de ator da Globo foi confusão da PM

 

Fonte: UOL

 

+ sobre o tema

Horror a pobre, pré-requisito

No governo Jair Bolsonaro, aporofobia não é surpresa, mas...

Lázaro Ramos causa alvoroço na Marcha contra Genocídio do Povo Negro em Salvador

Por: Marivaldo Filho O ator baiano Lázaro Ramos participou, na...

Mulher é presa por injúria racial contra garçonete em bar no Flamengo

Uma mulher foi presa em flagrante por injúria racial...

JUVENTUDE VIVA: Governo de Alagoas discute cooperação técnica com BID

Instituição financeira apresenta plano de cooperação o Juventude Viva...

para lembrar

Coronel Telhada é nomeado para Comissão de Direitos Humanos em São Paulo

A indicação foi feita pelo líder do PSDB na Casa O comandante da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de...

Vídeo flagra mulher sendo agredida por PM durante ato no Rio

Não há confirmações sobre sua identificação e seu estado...

Discriminação existe, diz mãe do primeiro aluno com Down da UFG

Apaixonado por mapas, Kallil decidiu fazer o vestibular para...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=