Manifesto pede que candidaturas respeitem Estado laico; mil pastores disputam eleição

Enviado por / FonteDo Brasil de Fato

Cerca de 80 organizações da sociedade civil e centros religiosos assinaram um manifesto, divulgado na semana das eleições municipais, para pedir comprometimento das candidaturas com a laicidade do Estado.

O Brasil é um Estado laico há 130 anos. Ou seja, desde 1890, diferentes legislações estabelecem que o governo não tem posição religiosa definida e que todo cidadão tem liberdade de praticar sua religião. Além disso, o Estado também deve evitar que grupos religiosos exerçam interferência em questões políticas.

“Nosso país vive uma onda crescente de ódio, de violências raciais, de classe, gênero e religiosas. Não podemos reeditar a história de opressão, perseguição e discriminação religiosas, patrocinada pelo fascismo (ou pela ideia de que há um Deus verdadeiro e um Deus falso)”, diz o manifesto.

Segundo levantamento do portal Metrópoles, 2.093 candidatos nas eleições 2020 se identificam como líderes religiosos. A maioria são pastores, 1.012. A lista também inclui padre, bispo, reverendo, apóstolo, pai e mãe de santo.

Denúncias de intolerância religiosa aumentaram 56% no Brasil em 2019. Os ataques a religiões de matriz africana são os mais numerosos.

O manifesto ressalta que as candidaturas também devem assumir o compromisso de promover uma educação que respeite a diversidade de crença. “As escolas públicas municipais não podem ser espaços de discriminação religiosa, mas de promoção do respeito e do convívio entre as diferentes escolhas religiosas”, defendem os autores.

Confira o manifesto “Eleições e laicidade do Estado” na íntegra:

“As eleições do próximo domingo ocorrem em meio a um processo pandêmico mundial, o que dificultou o amplo debate sobre as candidaturas e suas propostas de governo. Face a esse processo conturbado e tão importante para a consolidação de um Estado realmente democrático e representativo, apresentamos o presente manifesto, afim de expressar nossas preocupações e aspectos que compreendemos relevantes serem considerados por candidaturas comprometidas com um Estado democrático e de direito.

Precisamos de candidaturas comprometidas com a concepção de que Estado laico não é um Estado religioso, nem ateu. O Estado laico não estabelece relações de privilégio com nenhuma tradição de fé, mas zela para que todas possam expressar-se sem o risco de sofrer intolerância e perseguição. O Estado laico assegura que as pessoas escolham ter religião ou não. Todas as pessoas deverão ser respeitadas em sua opção.

Que seja assegurado o direito às mais diversas formas de organização religiosa, sem que as essas sejam objeto de questionamento pelo Estado, por suas práticas e/ou formas de organização;

Que os espaços públicos não sejam espaços utilizados para manifestações religiosas de qualquer natureza, considerando o princípio de laicidade como universal. No entanto, quando existirem espaços públicos ou capelanias específicas que estes considerem e incluam a diversidade religiosa e não somente de símbolos ou capelanias religiosas de uma única tradição;

Que as pessoas candidatas assumam compromisso com a não banalização dos sagrados, em suas variadas manifestações, que conformam a sociedade brasileira; • Que as pessoas candidatas assumam o compromisso com a diversidade e a liberdade religiosas e para a consolidação de uma laicidade que não discrimine segmentos religiosos;

Que as pessoas candidatas assumam o compromisso de defesa e promoção de uma educação que respeite a diversidade das pertenças religiosas dos estudantes. As escolas públicas municipais não podem ser espaços de discriminação religiosa, mas de promoção do respeito e do convívio entre as diferentes escolhas religiosas.

Que as pessoas candidatas reconheçam a importância e a contribuição de todas as práticas religiosas como forças e presenças públicas que cuidam da vida, da natureza, da liberdade e da democracia, sem que, com isso, se fortaleça a ideia de um Estado Teocrático, ou seja, de um Estado que agi em nome de um Deus para a restrição das liberdades e das diversidades religiosas e para a perseguir grupos religiosos compreendidos como não devotas ao Deus representado no e pelo Estado.

Nosso país vive uma onda crescente de ódio, de violências raciais, de classe, gênero e religiosas. Precisamos estar atentos ao fato de que não podemos reeditar a história de opressão, perseguição e discriminação religiosas, patrocinada pelo fascismo (ou pela ideia de que há um Deus verdadeiro e um Deus falso).

É tarefa de todas as pessoas, em especial das escolhidas pelo voto para ocupar os espaços de representação política assumir o compromisso com um projeto de município menos discriminador e pautado por exclusivismos e privilégios de um pequeno percentual de pessoas.

Precisamos de municípios valorizem e promovam a pluralidade e a diversidade como patrimônio imaterial.

A esquerda brasileira necessita compreender que as diversas rupturas democráticas ocorridas no país, sendo a última ocorrida em 2016, tiveram a contribuição e o papel ativo de segmentos religiosos conservadores aliançados com o poder econômico e político.

O Brasil, hoje, vive as consequências por nunca ter considerado a laicidade do Estado como um princípio democrático fundamental, estabelecendo relações privilegiadas com grupos religiosos que defendem interesses do grande capital. A ambiguidade do Estado brasileiro em relação ao princípio da laicidade contribuiu para o crescimento e consolidação de segmentos religiosos de cunho fascista ou autoritário, mascarado de religião popular.

Estes segmentos religiosos têm projeto político próprio, são antidemocráticos e reivindicam um Estado teocrático, que se compreende como o poder divino e soberano de decidir quem vive e quem morre.

As eleições do próximo domingo se constituem como uma das alternativas de transformação desse quadro. Elas oferecem a chance de debater e construir um projeto de país desde os municípios. Que possamos eleger pessoas comprometidas com um Estado laico, livre e libertador para que o racismo religioso, a discriminação religiosa contra mulheres e pessoas LGBTQI+ se tornem passado.

Assinam: CENARAB – Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro Brasileiro CONIC-Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil; CONEN – Coordenação Nacional de Entidades Negras; Associação Nacional Cultural de Preservação do Patrimônio Bantu – ACBANTU Federação Nacional de Umbanda e Cultos AfroBrasileiros; União de Negras e Negros Pela Igualdade Unegro; FOESP – Fórum Nacional de Cultura e Religião Africana; FAOR Fórum da Amazônia Oriental; Paulo Paim – Senador da República do Brasil; INESC Instituto de estudos socioeconômicos; Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social; Associação Internacional Mayle Sara Kali – AMSK/Brasil; Ilê Wopo Olojukan; REUNESUAS – Rede de Usuários, organizações, entidades e trabalhadores pelo SUAS; Articulação Amazônica dos Povos e Comunidades Tradicionais de Terreiro de Matriz Africana – ARATRAMA; Museu da Costa do Dendê de Cultura Afro Indígena; Instituto. N. S. da Conceição – INOSECO; Associação Cultural Logun Ede; Associação Acultema; Axé Abassa de Ogum; Abassa de Nana e Casebre Pai Tião do Congo; Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas; Aspen Network of Development Entrepreneurs; Associação Cultural Ilé Asé Ibatan Ode Akueran; Associação de Desenvolvimento Sócio Cultural Toy Badé – ATB; Associação da Resistencia Cultural e da tradição Matriz Africana Ilé Asé Igbô Odé Associação Nossa Senhora da Conceição do Mindu; Associação Beneficente Oxum Opará de Iranduba; Associaçao Resistencia Cultura Afro Brasileira Casa Espirita Umbandista São Sebastiao Bakisso Ty Matamba; Casa do Caboclo Ubirajara e Pai Severo de Massambique; Casa Mãe Rosa de Aruanda; Casa de Umbanda Caboclo Lança Ligeira; Centro Espirita Cultural Pai Joaquim da Praia Vermelha; Centro Espirita Pai João de Aruanda; Centro Espirita Pai Tomaz; Centro Cultural Matriz Africana São Lázaro; Centro de Candomble Reino de Mamãe Oxum; Comunidade Caxuté; Ilé asé Oyá kurugessi; Ilê Asé Ni Fé Oya Balé; Ilê Aşe Omodejy Ati Ogum; Ilê Aşe Omodejy Ati Ogum; Ilê; Axé Opo Oranimã; Ilé Aşe Opo Oyá; Ylê Asè Ogundayo; Ile de Candomblé da Mãe Oxum; Nzo Kuna Hoxibandu Kia Nkosi; Nzu Manzo Matamba; Nzo Ngana Kupamenya Hongoró;ONG Ipe Rosa-Organização; Ponto de Cultura Tambor de Mina: História, Memória e Tradição Roça Bakisse Ki Inkisi; Tenda Espírita Sháshárá Dy Obaluaiê;Tenda Luz da Divina Umbanda;Terreiro do Bem Viver Nzo Lwangu / Taperoá BA; Unzo Atim Obatalocy; Unzo Atim Nzaze Ya Omim; Xwɛgbɛ́Acɛ́Minà Geeji Fɔngbe Vodún Xɛbyosò Gbàdé; Nzo Nguzu Kukia; Nzo Manzo Poço Mean; Casa Nzo Manzo Inkosi Filhos De Mata Virgem;Centro Espírita Ilê De Oxum Care; Irmandade De Congo E Moçambique De Nossa Senhora Do Rosário E São Benedito Unzo Atim Abiorum de Oxalufã; Ilé Asé Oxum Ati Oxumaré Danda; Centro Espirita de Umbanda Ogum Rompe Mato;Templo de Umbanda Casa de Caridade da Vó; Nzo Kuna Lemba; Manzo Ngunzu Kiluminu; Centro Espírita Mãe Maria Conga de Aruanda; Bakise Nkambo Ameã;Tenda Umbandista Caboclo Pena Branca; Netos Bate Folhinha; Centro Espírita Umbandista Nossa Senhora Da Saúde; Ilê Axé D’oya Kunliejy;Tenda Espírita Umbandista Pai João E Vovó Catarina De Aruanda.”

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Obama: ‘Nosso sistema deve refletir a herança dos EUA como nação de imigrantes’

  WASHINGTON Pelo segundo ano consecutivo, o Grupo de Diários...

IGUALDADE RACIAL

Por: Flávia da Silva Clemente e Márcia da...

Discriminação contra embaixadas africanas nos EUA à beira de virar incidente diplomático

  As contas bancárias das embaixadas de 16 países africanos...

O Espelho de Lazaro Ramos e Leandro Karnal

Entrevistado pelo ator Lázaro Ramos, o professor e historiador...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=