quinta-feira, fevereiro 25, 2021

Tag: religiões

Adeptos das religiões afro-brasileiras foram as maiores vítimas de intolerância religiosa no país em 2019 (Foto: Marcelo Camargo/ABr)

Manifesto pede que candidaturas respeitem Estado laico; mil pastores disputam eleição

Cerca de 80 organizações da sociedade civil e centros religiosos assinaram um manifesto, divulgado na semana das eleições municipais, para pedir comprometimento das candidaturas com a laicidade do Estado. O Brasil é um Estado laico há 130 anos. Ou seja, desde 1890, diferentes legislações estabelecem que o governo não tem posição religiosa definida e que todo cidadão tem liberdade de praticar sua religião. Além disso, o Estado também deve evitar que grupos religiosos exerçam interferência em questões políticas. "Nosso país vive uma onda crescente de ódio, de violências raciais, de classe, gênero e religiosas. Não podemos reeditar a história de opressão, perseguição e discriminação religiosas, patrocinada pelo fascismo (ou pela ideia de que há um Deus verdadeiro e um Deus falso)", diz o manifesto. Segundo levantamento do portal Metrópoles, 2.093 candidatos nas eleições 2020 se identificam como líderes religiosos. A maioria são pastores, 1.012. A lista também inclui padre, bispo, ...

Leia mais
Imagem dos santos na cerimônia da festa em comemoração ao dia de São Cosme e Damião no Memorial da América Latina, em São Paulo (SP) - Imagem: Ana Ottoni/28.set.1994 - Folhapress

O caruru de São Cosme e Damião que é meu e que é seu

O mundo não é somente formado pelo eu, mas é formado com os outros, compartilhamentos intrínsecos que formam um olhar plural para a realidade (HALL, 2006).  Bem como a identidade cultural do indivíduo é construída entre o eu e o território, entre o eu e a sociedade, entre o eu e a religião etc, é  o que  Stuart Hall (2006), chama de “interação”, nesse sentido, o que penso é alterado numa conversa permanentemente com outras culturas que transcende os nossos desejos e o que essas outras culturas trazem para construirmos  algo juntos. Na Bahia, especificamente, no Recôncavo da Bahia, instituíram, mesmo com o período de escravidão, tradições seculares e de apoio recíproco, e principalmente identidades resistentes, formadas pelo diálogo coletivo e estratégias para vencerem às lutas. Como reafirma, Hall (2006), foi a partir dessa unificação dinâmica e combativa que todos nós conseguimos diretamente ou indiretamente formarmos não um modelo de ...

Leia mais
Igreja que é símbolo de sincretismo e respeito a religiões de matriz africana em Salvador abriga túmulo de um dos maiores traficantes de escravizados da Bahia (Getty Images)

O traficante que deu origem ao culto do Senhor do Bonfim e outras descobertas do ‘mapa da escravidão’ em Salvador

Mas a praça diante da igreja homenageia um dos principais traficantes de africanos escravizados da Bahia. Seu túmulo, na verdade, está em destaque dentro do templo, já que ele foi o responsável por trazer a imagem que permitiu o culto ao Senhor do Bonfim no Estado. Em meio ao debate sobre homenagens a traficantes de seres humanos retirados da África — que ganhou nova força com os protestos de movimentos antirracistas nos Estados Unidos e na Europa neste ano — um grupo de historiadores decidiu jogar luz sobre esta e outras ligações esquecidas de homenagens, ruas e locais históricos de Salvador com a escravidão. Salvador foi o segundo maior porto de desembarque de africanos nas Américas durante a vigência do comércio transatlântico de pessoas escravizadas, atrás apenas do Rio de Janeiro. Estima-se que mais de 1,2 milhão de africanos chegaram à Bahia nos chamados navios negreiros. A iniciativa dos historiadores ...

Leia mais

Ivone Gebara: “Precisamos rever a luta pelo Estado Laico e o papel das religiões”

Ivone é uma das fundadoras da Teologia Feminista, católica, e referência no campo de luta de mulheres religiosas Teóloga, freira e feminista são palavras recorrentes na biografia e descrição de Ivone Gebara. No entanto, elas não dão a dimensão de como a intelectual coloca mais perguntas do que respostas em uma roda de debates. Gebara acrescenta: é uma livre pensadora. Como tal, nos provoca a inquietude de quem tem certezas colocas em dúvida. Surpreende pela clareza com que expõe ideias, revisita conceitos e prega pela mudança de estratégias da luta feminista no diálogo com as religiões, com o Estado e com a sociedade. "Os conceitos se gastam. Estamos em uma espécie de círculo vicioso, principalmente nós da esquerda. Precisamos começar a pensar de novo", diz. Por Débora Britto, Do Brasil de Fato Uma das principais provocações, com relação à luta histórica por Estado laico, pauta levantada principalmente pelo movimento feminista, ...

Leia mais

Fé não deve ser posta à frente do debate, dizem religiosas sobre aborto

QUANDO SE FALA em aborto, a perspectiva religiosa costuma se sobrepor à da saúde pública. A posição de políticos que se identificam como religiosos é majoritariamente contra a legalização. No entanto, segundo a última Pesquisa Nacional de Aborto, mais da metade das mulheres que abortam são católicas ou evangélicas, justamente as religiões desses políticos que militam contra a interrupção legal da gravidez. Por Juliana Gonçalves, Helena Borges Do The Intercept Grupos progressistas começam a se fortalecer dentro das religiões usando como principal bandeira a liberdade e a consciência individual. The Intercept Brasil falou com expoentes destes grupos; uma espírita, uma evangélica, uma umbandista e uma católica. Essas mulheres divergem na fé, mas apoiam uma causa comum: a legalização do aborto. A antropóloga Christina Vital da Cunha, autora do livro “Religião e Política”, afirma que há uma reação à imagem dos políticos identificados como religiosos entre as pessoas que compartilham da mesma ...

Leia mais

Nota de solidariedade da Comunidade Bahá’í as religiões de matriz africana

A Constituição da República Federativa do Brasil prevê a inviolabilidade da liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias. A decisão de um Juiz da Justiça Federal do Rio de Janeiro de evocar para si a tarefa de decidir se as expressões de religiosidade de matriz africana são ou não cobertas pelo dispositivo constitucional é perigosa e espúria. Afirmar que estas “não contêm os traços necessários de uma religião a saber, um texto base (corão, bíblia etc), ausência de estrutura hierárquica e ausência de um Deus a ser venerado” abre o precedente do Estado julgar se aquilo que nasce na mais íntima expressão de transcendência no ser humano é ou não legítimo. A Comunidade Bahá’í, que há mais 170 anos conhece no Irã, o seu país de nascimento, ...

Leia mais

O juiz, o direito é o não direito.

Artigo de Sérgio Martins O contrato social hipoteticamente está na base de criação do Estado de Direito, sendo o fundamento das sociedades com regimes democráticos, supõe que os indivíduos abrem mão de sua autodefesa e de suas supostas liberdades “naturais”, dando lugar há pacto político, onde o Estado é órgão condensador dos poderes republicanos, exercidos através dos poderes executivo, legislativo e do judiciário. Neste último, o juiz desempenhar um papel central, como um funcionário público altamente qualificado em conhecimentos sobre o direito, tendo a função de aplicar as normas jurídicas como parâmetros para resolução de conflitos que envolvem pessoas físicas e jurídicas. Um dos princípios que norteiam a atividade jurisdicional é o chamado “livre convencimento do magistrado”,  como um instrumental lógico-formal, que permite ao juiz  ajustar sua decisão plasmada em uma sentença,  visando concretizar um direito mais justo e racionalmente possível. No entanto, este juízo decisório precisa estar legitimado nos ...

Leia mais
Nei Lopes

Religiões afro-brasileiras, uma questão filosófica – por Nei Lopes

O juiz Eugenio Rosa de Araújo, da 17ª Vara Federal do Rio de Janeiro, rejeitou a retirada da internet de 15 vídeos contra o candomblé e a umbanda, alegando que os cultos afro-brasileiros “não constituem religião”, pois não se baseiam em apenas um livro nem têm apenas um deus. Os vídeos foram postados por representantes de igrejas evangélicas. No artigo abaixo, o escritor Nei Lopes explica os fundamentos dos cultos de origem africana e seu caráter religioso. Em junho de 1993, a Suprema Corte dos Estados Unidos garantiu aos praticantes de cultos de origem africana o direito de sacrificar animais em suas cerimônias religiosas. Esse relevante fato histórico deveu-se, certamente, à articulação das casas de culto de origem cubana estabelecidas no país a partir da década de 1950, as quais na década de 1970 já tinham, entre si, a Church of The Lukumi Babalu Ayé, a qual se propunha, quando ...

Leia mais

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist