Mano Brown, Criolo, Yzalú, Emicida e nomes do Hip Hop dizem não ao golpe

“Os articuladores do impeachment estão preocupados em chegar ao poder. Não estão preocupados com o povo brasileiro”, diz Mano Brown. Mais de 50 entidades e líderes ligados ao movimento Hip Hop divulgam manifesto contra o golpe: “Sempre que a Globo, a Veja e a Folha estiverem de um lado. Pode acreditar, nós estaremos do outro lado”

Do Equipe Mundo Black  Enviado para o Portal Geledés

O rapper Mano Brown se pronunciou sobre a crise política no Brasil. Em entrevista à BandNews FM, o líder do grupo Racionais Mc’s afirmou que a oposição e aqueles que querem derrubar o governo da presidente Dilma Rousseff querem apenas trocar o comando, mas não estão verdadeiramente preocupados com os problemas do país.

“O triste é ver que eles não estão preocupados com Brasil. Eles estão preocupados em substituir quem está no poder”, afirmou o músico, da banda Racionais MC´s, um dos maiores sucessos do rap nacional.

Mano Brown afirmou que o começo do governo do ex-presidente Lula foi brilhante. “A ideia do Bolsa Família tirou o Brasil de uma condição e levou para outra”, afirmou.

Nessa época, diz ele, as pessoas se encheram de um orgulho de ser brasileiro. “Quando o Brasil pagou a dívida do FMI. Quando teve uma crise mundial e o Brasil passou por ela”, diz ele.

Mas, segundo o músico, essa estratégia foi sabotada por quem se sentiu prejudicado pelas novas divisões sociais mais igualitárias possibilitadas pelo governo Lula. “Nas novas divisões o dinheiro teve que ser repartido por pessoas que antes não comiam, não vestiam, não tinham vontade de viver mais”, afirmou o artista.

“Tem gente que vivia melhor antes. Vivia do privilégio e não da Justiça. E milhões de pessoas que viviam abaixo da Justiça, abaixo da humanidade”, declarou Brown.

Yzalú

Yzalú participou no primeiros ato a favor da democracia, que aconteceu em São Bernardo do Campo. O ato contou com a participação do Ex-Presidente Lula. Apos o Ato Yza recebeu ataques racistas e sexistas em sua pagina no face. No ato Ela cantou sua musica mais conhecida o Hino Mulheres Negras, e em seguida puxou o coro, não vai ter golpe.

Renegado

Em um depoimento comovente durante o ato realizado contra o golpe no Rio de Janeiro nesta segunda-feira, 11, o cantor e compositor de rap, funk, hip hop Flavio Renegado declamou um poema e afirmou: “A periferia está organizada. As comunidades nunca se calaram. O Brasil nunca ouviu as comunidades. Nós sempre sobrevivemos a tudo e vamos sobreviver ao golpe”.

Emicida

Nas últimas semanas, em vídeo que convocava a população a defender a democracia no Brasil, o rapper Emicida citou Malcolm X: “Se você não for cuidadoso, os jornais farão você amar os opressores, e odiar os oprimidos”.

Emicida continuou: “Sofremos muito para conquistar a democracia que temos hoje. Peço a todos muito calma, serenidade e inteligência nesses tempos difíceis. Golpe não é andar para frente”.

Criolo

No mesmo vídeo em que aparece Emicida, outro grande artista do cenário da música negra brasileira se posiciona contra o golpe. Para Criolo, o momento é de não abrir mão das conquistas históricas. “Não vamos abrir mão dos direitos que tanto lutamos para conquistar. É necessário, é urgente e é agora”, afirma o músico.

Rappin’ Hood

Rappin’ Hood já se manifestou diversas vezes contra o golpe e em defesa da democracia. Para ele, a tentativa de tirar Dilma Rousseff do poder, à força, tem a ver com as conquistas do povo pobre ao longo dos últimos anos.

Para o rapper, “alguém” está incomodado com o progresso da classe trabalhadora e dos mais pobres. “Não é por mal, mas são anos de injustiças sendo reparados, quer eles queiram ou não. Dilma foi eleita de forma legítima e terminará o mandato legitimamente. Eu não conheço terceiro turno”, ironizou.

Ao se referir à grande mídia, Hood disse que não é de hoje que os meios de comunicação manipulam o povo. “As pessoas não podem acreditar naquilo que veem na TV, elas têm que acreditar naquilo que veem nas ruas. As ruas dizem a verdade, a mídia não”.

Hip Hop contra o golpe

Diversos representantes do Movimento Hip Hop no Brasil divulgaram recentemente uma carta em defesa da democracia, frente às ameaças de golpe contra a legalidade institucional do país.

O documento afirma que “sempre que a Globo, a Veja, a Folha, a política e todos esses filhos da ditadura estiverem de um lado, nós estaremos do outro lado, do seu lado”, afirma, convocando “todas as manas e manos que vivem ou desenvolvem ‘arte-vismo’ nas periferias” a defenderem direitos democráticos.

A carta classifica como golpista as investidas da grande mídia, e de setores ligados ao capital, contra o governo da presidente Dilma Rousseff, eleita via processo eleitoral democrático constitucional.

“Quando homens sem caráter, que roubaram durante 500 anos riquezas da nação e tentam culpar a única mulher presidenta de nossa história, nós não vacilamos, lutaremos e diremos em alto e bom som: É GOLPE”, afirma o documento.

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Grupos de periferia se articulam em São Paulo para defender democracia e Dilma

Após violência contra militantes de esquerda em manifestações, Cooperifa...

Vox/Band/iG: Dilma cai de 56% para 54%

Candidata petista varia para baixo pela primeira vez dentro...

Movimento negro cobra auxílio emergencial de R$ 600 e vacina para todos pelo SUS

Nesta quinta feira (18), a Coalizão Negra por Direitos,...

para lembrar

Polêmica na discussão das prioridades no Estatuto da Igualdade Racial

Fonte: A Tarde On Line Por Cleidiana Ramos A proposta...

O golpe de 2016 e seu estudo nas universidades

Se várias universidades resolveram colocar o tema “O golpe...

Jovem da periferia foi o principal consumidor de crédito em 2011

Quem mais impulsionou o mercado brasileiro de crédito nos...

Sai a nova edição atualizada do ‘Fala, Crioulo!’

Fonte: Cruzeiro On Line -   Com o...

Golpes financeiros digitais deixam consequências psicológicas nas vítimas

Cair na conversa de um estelionatário e perder uma quantia em dinheiro pode gerar consequências graves, não só para o bolso, mas para o...

Brasil e os seus traumas: na dúvida, o esquecimento do golpe de 64

Há alguns dias corre a notícia de que o governo federal orientou os seus ministérios a não promover grandes atos ao redor da memória do...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...
-+=