O mundo não entende o “mundo ao contrário” do golpe brasileiro

A comunidade mundial está perplexa. Não consegue entender direito o que se passa no Brasil. Sobretudo, não consegue entender como uma presidenta sabidamente honesta pode ser afastada por adversários que são sabidamente corruptos e desonestos.

Por Marcelo Zero Do Brasil247

A comunidade internacional simplesmente não consegue entender a farsa monumental daquilo que alguns já chamam de “o golpe dos corruptos”.

Luis Almagro, Diretor-Geral da OEA, resumiu bem essa perplexidade numa entrevista desta semana ao jornal espanhol El País, na qual afirma que o que acontece no Brasil é “o mundo ao contrário”.

Disse ele:

“Para nós o fundamental é a realização de um processo de impeachment de uma presidente Dilma Rousseff que não é acusada de nada, não responde por nenhum ato ilegal. É algo que verdadeiramente nos preocupa, sobretudo porque vemos que entre os que podem acionar o processo de impeachment existem congressistas acusados e culpados. É o mundo ao contrário”.

Ressalte-se que a OEA tem cláusula democrática, que foi aplicada recentemente contra Honduras, no episódio da deposição inconstitucional do presidente Manuel Zelaya, em 2009.

A UNASUL, que também dispõe de cláusula democrática, aplicada contra o Paraguai, em 2012, emitiu ontem (dia 13 de abril) nota oficial da sua Secretaria Geral sobre a decisão da Comissão Especial da Câmara, na qual afirma que:

“A Presidenta só pode ser processada e destituída-revogando o mandato popular que a elegeu- por crimes em que verifique a sua participação dolosa e ativa. Aceitar que um presidente possa ser destituído do cargo por supostas falhas em meros atos administrativos pode levar à perigosa criminalização de um governo simplesmente por razões de natureza política.”

Essas manifestações recentes se somam a muitas outras contrárias ao golpe que ocorreram em semanas anteriores.

Entre elas, podemos destacar a da Cepal, agência especializada da ONU, a da ONU Mulheres, a do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), a do prêmio Nobel Adolfo Pérez-Esquivel e a dos ex-chefes de Estado, como José Mujica (Uruguai), Felipe González (Espanha), Massimo D’Alema (Itália), e Ricardo Lagos (Chile).

Há também a dos chefes de Estado atuais, como Michelle Bachelet (Chile), e Tabaré Vasquez (Uruguai), entre vários outros.

Os próprios meios de comunicação internacionais, como os jornais britânicos The Guardian e The Independent, a revista alemã Der Spiegel, o jornal francês Le Monde, o jornal espanholEl País, os jornais americanos Los Angeles Times e o New York Times, entre muitos outros, já fazem reportagens e matérias questionando fortemente o processo do golpe no Brasil. A Der Spiegel já está chamando o impeachment de “golpe frio”.

A TV Al Jazeera, maior emissora do mundo árabe, acessada em 47 países, fez dura reportagem denunciando o golpe e o papel da mídia partidarizada em sua criação.

O jornalista Glenn Greenwald, ganhador do prêmio Pulitzer por suas matérias sobre Edward Snowden, declarou recentemente que está “chocado” com o papel da mídia brasileira no golpe.

Mas não é apenas o Glenn que está chocado. O mundo inteiro está ficando chocado com essa farsa monumental.

O Mundo não está conseguindo entender esse “mundo ao contrário” do golpe brasileiro. Ninguém consegue entender essa total inversão de valores.

Não dá para entender mesmo.

É claro que não é a primeira vez que se faz ou se tenta fazer um golpe no Brasil. Foi o que ocorreu com Getúlio Vargas, foi o que ocorreu com João Goulart.

Mas, dessa vez, há uma singularidade histórica que choca.

E quem resumiu isso muito bem foi o ex-ministro tucano Bresser–Pereira.

Disse ele: “a UDN foi um partido liberal, sempre na oposição, que, entre 1946 e 1964, tentou promover golpe contra governos legítimos. Afinal seu golpismo foi “vitorioso” em 1964… O PSDB revela-se um seu legítimo sucessor. Mas com uma diferença: enquanto a UDN nunca se associou a políticos evidentemente corruptos, é isto o que o PSDB está fazendo neste momento: aliou-se ao deputado Eduardo Cunha.”

Essa é a grande novidade histórica dessa conspiração golpista. É por isso que a presidenta afirmou que esse golpe é uma grande farsa.

Este é um golpe liderado e conduzido por políticos desonestos. É a farsa de líderes sabidamente corruptos contra a presidenta que efetivamente combate a corrupção. A presidenta que desbaratou as quadrilhas que atuavam na Petrobras e em Furnas. Quadrilhas nas quais muitos dos golpistas atuavam. Todo o mundo já sabe que um dos objetivos do golpe em gestação é abafar a Lava Jato e salvar Cunha e associados.

Em 29 de março, a revista Forbes, bíblia do capitalismo mundial, publicou artigo assinado pelo jornalista Kenneth Rapoza, no qual se afirma que, se o impeachment contra a presidenta honesta prosperar, seguramente as investigações sobre o “escândalo da Petrobras” vão parar ou esmorecer e a questão da corrupção vai sumir do noticiário. Seria “caso encerrado”, afirmou ele. Vejam a que ponto chegamos: até mesmo grandes publicações conservadoras internacionais já falam abertamente sobre a hipocrisia e o cinismo do golpe brasileiro.

De fato, este golpe lembra uma espécie de simbiose caricata de Carlos Lacerda, o moralizador hipócrita da UDN, com Adhemar de Barros, o ladrão assumido “do rouba, mas faz”.

Hoje, esse senhor que ecoa Adhemar de Barros, o ladrão assumido, que ninguém sabe se é o chefe ou o vice-chefe, negocia cargos e acena com a impunidade para aqueles que votarem no golpe, enquanto que o conspirador cínico posa, nowhatsapp e na mídia, como estadista que vai salvar o Brasil.

Bom, na realidade, o que eles querem mesmo, até a Forbes já sabe, é salvar a própria pele. Salvar-se e afundar o Brasil com um plano que pretende destruir direitos e conquistas sociais e vender o pré-sal e outros patrimônios públicos na bacia das almas da crise.  Um plano que jamais seria aprovado numa eleição direta e popular.

É por isso que os políticos da oposição despencam nas pesquisas, como mostra a última Datafolha, e é por isso que a comunidade internacional está perplexa e chocada.

Ninguém entende mesmo esse “mundo ao contrário”, que pretende sacrificar a democracia e uma presidenta honesta para salvar políticos desonestos e instituir uma republiqueta de bananas.

+ sobre o tema

EUA se abstêm pela primeira vez em voto na ONU contra embargo a Cuba

Pela primeira vez, os Estados Unidos se abstiveram de...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

Cornel West: Goodbye, American neoliberalism. A new era is here

Trump’s election was enabled by the policies that overlooked...

para lembrar

São Paulo de Kassab: Cidade em crise

Índices de desaprovação de Kassab evidenciam o esgotamento de...

Carta ao ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz

Do Pacto Pela Democracia  Exmo. Sr. Ministro-Chefe da Secretaria de Governo...

Joaquim Barbosa diz que não tentará carreira política

Por: João Fellet O presidente do Supremo Tribunal...

Obama: Vitória do povo americano

Por: LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA É hora de celebrar a vitória...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Militares no alvo

Nada na operação da Polícia Federal ontem chamou mais a atenção que o envolvimento da alta cúpula militar do governo Jair Bolsonaro na trama golpista. As...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...
-+=