Marcha alerta para genocídio do povo negro

Dados recentes mostram que, no Brasil, o número de homicídios de jovens brancos caiu 32,3%, enquanto o de jovens negros aumentou 32,4%

Por Maíra Streit

Cerca de 300 pessoas se reuniram na tarde desta sexta-feira (22) na praça Zumbi dos Palmares, em Brasília, para a 2ª Marcha Internacional Contra o Genocídio do Povo Negro. O evento surgiu na Bahia por iniciativa da campanha “Reaja ou será morto (a)” e se espalhou por 18 estados brasileiros e 15 países ao todo. Entre as pautas defendidas durante o protesto, está a luta contra a violência policial, a tolerância religiosa e a valorização da mulher negra na sociedade.

Ao som de percussionistas e palavras de ordem, os manifestantes caminharam com cartazes e cruzes nas mãos, simbolizando um pedido pelo fim da violência. A estudante Mariana Barreto, que integra o Fórum de Juventude Negra do DF e esteve à frente da Marcha, conta que a ideia é chamar a atenção para temas pouco debatidos pela população. “O índice de mortalidade negra é muito alto e boa parte vem da Polícia Militar. Quando morre um jovem, morre toda uma família por trás”, ressalta.

Além da capital do país, cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Manaus e Vitória também receberão a Marcha, na tentativa de alertar as autoridades para a necessidade de políticas públicas específicas para o combate à desigualdade racial.

Dados

O levantamento Mapa da Violência, realizado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos, mostra que morreram proporcionalmente 146,5% mais negros do que brancos no Brasil, em 2012. E entre 2002 e 2012, o número de homicídios de jovens brancos caiu 32,3%, enquanto o de jovens negros aumentou 32,4%.

As vozes da Marcha

Marcha alerta para genocídio do povo negro
Marcha alerta para genocídio do povo negro

Alex Ulhoa, 24 anos
Professor de Educação Física

“As opressões à população negra começam desde a infância. Nas lojas, por exemplo, só vemos bonecas loiras. Defendo as cotas raciais, que muitos não entendem por falta de esclarecimento. O Brasil tem uma dívida eterna com os negros. Ainda somos a maioria nas estatísticas de mortalidade no país”

Marcha alerta para genocídio do povo negro
Marcha alerta para genocídio do povo negro

Layla Marisandra, 31 anos
Educadora social e membro do Fórum Nacional da Juventude Negra

“Estamos aqui para dizer que, apesar de tudo, nós, mulheres negras, ainda estamos vivas! Somos invisibilizadas desde uma entrevista de emprego até a nossa afetividade. Quanto mais escura, quanto mais crespo o seu cabelo é, mais invisibilizada se torna pela sociedade”

Marcha alerta para genocídio do povo negro
Marcha alerta para genocídio do povo negro

José Antônio Ventura, 62 anos
Coordenador da Frente Nacional Quilombola

“Nasci e fui criado em um quilombo da região do Alto Paraíba, em Minas Gerais. Vim porque precisamos despertar nas autoridades novas políticas de proteção à população negra. Precisamos lutar juntos pelo direito à educação, saúde de qualidade, além da valorização e preservação da nossa cultura”

Marcha alerta para genocídio do povo negro
Marcha alerta para genocídio do povo negro

Mãe Baiana, 53 anos
Presidente do terreiro Ilê Axé Oyá Bagan

“A nossa luta é pelo combate à intolerância e ao preconceito. Acham que ainda somos escravos? Pois levamos chibatadas todos os dias. E, quando a gente se junta, a gente diz: ‘aqui está a nossa força’. Queremos ter o direito de criar nossos jovens sadios, sem vê-los mortos ou presos no camburão da polícia”

Fotos: Maíra Streit

 

Fonte: Revista Fórum

+ sobre o tema

Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso,...

MinC seleciona projetos de hip-hop inscritos no Prêmio Cultura Viva

A Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase...

para lembrar

Fernando Molica: Um monumento para os cinco jovens

As dezenas e dezenas de balas que mataram aqueles...

Livro mostra dores e lutas da juventude negra no Brasil

Jovens negros estão em situação de vulnerabilidade e enfrentam...

Negros são 77% dos mortos pela polícia do Rio em 2015

De acordo com dados do ISP (Instituto de Segurança...

Só Deus por Sueli Carneiro

Fui assaltada em 31 de julho último. Um assalto...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...
-+=