Movimentos convocam a todos para marcha contra o genocídio do povo negro

Por: Deborah Moreira
“Esta Marcha é para o irmão cansado de ser enquadrado voltando da escola, do rolê ou do trabalho, devido ao fato de ser sempre visto como suspeito, precisando provar que é trabalhador, muitas vezes para não ser morto.” Assim começa a convocação para a 2ª Marcha Internacional Contra o Genocídio do Povo Negro em São Paulo, marcada para a sexta-feira (22/8), com concentração a partir das 17h30, no vão livre do Masp, na Avenida Paulista. São esperados milhares de participantes que já confirmaram presença nas redes sociais. A marcha também ocorrerá em outros 17 estados brasileiros e em 15 países das Américas, Europa e África.O genocídio contra negros, em especial contra a juventude negra, vem sendo denunciado por diversas organizações do movimento negro. Segundo registros do Sistema de Informações de Mortalidade, contabilizados no relatório “Mapa da Violência 2012 A cor dos homicídios no Brasil”, entre 2002 e 2010, , morreram assassinados no país 272.422 negros, com uma média de 30.269 assassinatos ao ano. Só em 2010, foram 34.983. Já as taxas de homicídio de jovens brancos passaram, entre 2002 e 2010, de 40,6 para 28,3 – queda de 30,3% – enquanto a dos jovens negros cresceu de 69,6 para 72,0 – crescimento de 3,5%. O estudo foi realizado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos, Flacso Brasil e Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, ligada à Presidência da República. O movimento negro denuncia que boa parte das mortes são provocadas por policiais.
Na noite de segunda-feira (18), representantes do movimento negro se juntaram a Ciranda Internacional da Comunicação Compartilhada e a Frente Palestina (que reúne diversas organizações e partidos políticos que atuam em defesa do povo palestino), na atividade “Levante contra o Genocídio – no Brasil, na Palestina, nas mídias livres”, realizada no auditório da Ação Educativa.
“É um estado que mata em nome de uma segurança. Genocídio, é uma política de estado que atua inferiorizando um povo a partir do terrorismo vestido de política pública. O genocídio está apoiado no Estado e favorece uma determinada classe social”, exclamou . Katiara Oliveira, do grupo Kilombagem, desmistificando a chamada democracia racial brasileira.
De acordo com a ativista, a marcha conta com apoio internacional, em países como França, Espanha, Portugal, Venezuela e países africanos. “A luta é internacional. A luta do palestino é a nossa luta. De denunciar um estado que, por conta de sua ideologia de inferiorizar um povo, para manter a ordem, usam as mesmas armas aqui e lá”, completou Kariara Oliveira, que pediu ampla divulgação da atividade.
Para ela, “a esquerda está mobilizada para denunciar o genocídio palestino” mas ainda não despertou para a cobertura sistemática da criminaliação da população negra. “A gente não vê nenhuma mídia de esquerda colocando o problema do genocídio negro, brasileiro, como um problema da humanidade”, comentou, referindo-se aos meios de comunicação que divulgam amplamente as pautas dos movimentos sociais.
Ketu Riahb, do Movimento Negro Unificado (MNU), criticou a construção que a mídia comercial tradicional faz do povo palestino, que sempre são retratados como “terroristas” e não informa os fatos como ocorrem. “Não dá para aceitar que Hamas é terrorismo. É resistência palestina. O maior terrorismo hoje é de Israel. Somos solidário ao holocausto, mas agora quando se fala em genocídio na Palestina, eles contrapõem afirmando que é guerra. Como pode ser guerra se um dos lados não possui exército, não possui aviões. Não dá para aceitar isso. E a mídia, brasileira e internacional, trata dessa forma”, exclamou o ativista, que também é muçulmano.
Ele reforçou o convite para todos os presentes participarem da marcha, na sexta: “Nós já estamos marchando desde o momento em que pisamos neste país. Na sexta, daí 22, será um ato de resistência e a solidariedade é importante neste momento. Assim como conseguimos desmacarar a democracia racial, a tarefa que o movimento negro atualmente tem é provar ao mundo que o Brasil é, hoje, um país genocida”, salientou.
fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

O grande anjo negro: Sterling é capa de revista masculina e discute o racismo no futebol

Atacante do Manchester City também fala sobre importância de...

LISBOA DOS ESCRAVOS

Naky Gaglo é natural do Togo e vive em...

Traumas e consequências da escravidão tomam o foco do cinema nacional

Brasileiro ‘Todos os Mortos’, que disputará o Urso de...
spot_imgspot_img

Militares viram no movimento negro afronta à ideologia racial da ditadura

Documento confidencial, 20 de setembro de 1978. O assunto no cabeçalho: "Núcleo Negro Socialista - Atividades de Carlos Alberto de Medeiros." A tal organização,...

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...
-+=