Marielle Franco é nome de uma rua na cidade alemã de Colónia

A ativista dos direitos humanos brasileira e vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, assassinada a tiro, em março de 2018, é agora nome de uma rua na cidade alemã de Colónia. A fotografia foi tirada por Tamara Soliz, uma mulher que retratou o novo topónimo e o divulgou na sua conta de Facebook. “Aqui, no meu bairro, na Alemanha, uma mulher negra, brasileira é homenageada. Obrigada, ela merece”, começou por escrever a mulher que revelou a iniciativa.

E explicou: “Há poucos dias, uma rua perto de casa recebeu um novo nome: Marielle Franco. Ainda provisoriamente pode ler-se a seguinte explicação: Marielle Franco (1979-2018) foi uma política feminista e ativista no Rio de Janeiro.

“Como mulher negra, lésbica da favela, ela era uma esperança para todos, que não se sentiam representados por políticos brancos, masculinos, heterossexuais. Em março de 2018, ela foi baleada na rua por desconhecidos. O caso não foi esclarecido até hoje”, recordou Tamara Soliz no mesmo post. Na galeria acima, relembre as lutas que a vereadora brasileira travou.

Esta é mais uma homenagem à malograda ativista deste lado do Atlântico. Em setembro deste ano, em Portugal, o artista Vhils concebeu e criou um mural para evocar a memória da ativista brasileira, no no âmbito do Festival Iminente. Uma iniciativa levada a cabo em parceria com a Amnistia Internacional e que pretendeu, como avançou o Delas.pt à data, celebrar “a coragem das mulheres defensoras de direitos humanos”.

No Brasil, a Lei 8.054/18 definiu o 14 de março, data do homicídio da vereadora, como o dia Marielle Franco – Dia de Luta Contra o Genocídio da Mulher Negra, na cidade que a viu sucumbir ante um atentado, que vitimou também o motorista, Anderson Gomes, que seguia no carro com a defensora dos direitos humanos. Recorde-se que esta medida teve lugar em junho, após terem volvido 120 dias sem qualquer desenvolvimento na sequência dos dois homicídios.

A 18 de dezembro último, a polícia Civil do Rio de Janeiro terá detido, segundo o portal de notícias G1, um ex-polícia militar Renato Nascimento Santos, suspeito de estar no carro que transportava o assassino da vereadora e ativista dos direitos humanos Marielle Franco. A mesma informação veiculava que o antigo polícia militar era apontado como integrante da milícia de Orlando Curicica, suspeita de ser o mandante da morte de Marielle Franco e de seu motorista. Curicica dizia-se inocente e afirmou que foi forçado a assumir a autoria do crime.

+ sobre o tema

Sobre cabelos, relacionamentos e outras coisas!

Após uma atividade na minha universidade em celebração ao...

Mãe preta pode ser? Mulheres negras e maternidade

Débora Silva Maria, do Movimento Mães de Maio, há...

Quem vestiu a Globeleza?

Enviado para o Portal Geledés Engana-se os que acham que...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Entenda a guerra que explodiu essa semana na Cidade de Deus, no Rio

Perícia aponta que helicóptero da Polícia Militar não foi...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

“Perda de aulas por tiroteios na Maré agrava desigualdade”

Desde 2014 à frente da editora Caixote, a jornalista e escritora carioca Isabel Malzoni mergulhou no universo das violências sofridas por crianças e adolescentes que moram no complexo...

Com a conivência do Estado

Enfim, foi da nefasta aliança entre crime, polícia e política no Rio de Janeiro, tão antiga quanto conhecida, que brotaram mandantes e, ao menos,...
-+=