A Minha Empregada é herança do escravismo

Conta no twitter denuncia o racismo, a xenofobia e as humilhações sofridas por empregadas domésticas e mostra as veias abertas da sociedade brasileira

Roberto Brilhante

A conta do twitter “A Minha Empregada” tem gerado polêmica na internet ao revelar algo que muitos tentam baixar os olhos: as agressões às empregadas domésticas no Brasil. Os relatos retuitados fazem com que a máscara de pretensa familiaridade na relação entre patroa e empregada das novelas da Globo caia. Muitos vão dizer que isso são casos isolados, mas o simples fato destes tipos de “brincadeiras” serem socialmente aceitas em certos meios já mostra o quanto este discurso está entranhado na sociedade brasileira.

AMinhaEmpregada2

A contratação de trabalhadores domésticos em larga escala é consequência do atraso social de um país. O fato de que existem pessoas que ganham o suficiente para que outra pessoa faça o serviço que ela própria poderia fazer demonstra o abismo da desigualdade social de uma nação. A proporção da existência deste tipo de trabalho se dá na medida que houver, de um lado, um excedente de mão-de-obra desempregada e sem qualificação para outros tipos de serviço, e de outro, uma classe que ganha o suficiente para comprar a força de trabalho de outra pessoa.

AMinhaEmpregada3

E a força de trabalho a ser comprada nesses casos é sempre a da mulher. Isso decorre de uma das mais graves consequências do machismo em nossa sociedade: a delegação dos trabalhos mais mal-remunerados ao sexo feminino. Sob as falácias sociais de que a mulher não pode desenvolver outras atividades mais “pesadas” (como se o trabalho doméstico fosse “leve”) e de que o trabalho doméstico é “coisa de mulher”, a muitas mulheres sem qualificação profissional só sobra o serviço doméstico. E isso é um problema não porque o trabalho doméstico seja indigno, mas porque até pouco tempo atrás estes serviços não gozavam de nenhuma regulamentação legal, o que deixava as trabalhadoras sem garantia alguma. 

AMinhaEmpregada6

E essa desregulamentação do serviço doméstico é herança do escravismo e do patriarcado. Achar o serviço doméstico “menor” que os outros; achar que a patroa faz um “favor” ao oferecer um cômodo na casa para a empregada; afirmar que não é possível contar as horas de trabalho da empregada tal qual outros trabalhos porque ela passa o tempo entre uma atividade e outra “descansando”; separar a cozinha das áreas de vivência; ter entradas e elevadores “de serviço”; a preponderância de negras entre as trabalhadoras: tudo isso é herança de nosso escravismo, que incrustou estruturas e visões de mundo sobre o trabalho que estão presentes até hoje. 
 

AMinhaEmpregada6

As novas leis trabalhistas que asseguram às domésticas direitos que elas nunca tiveram é só um passo diante da longa caminhada rumo a uma sociedade mais igualitária.O Brasil precisa de outros avanços sociais além de leis para que o número de empregadas domésticas decresça e aquelas que continuarem neste serviço tenham melhores remunerações. Mais condições para qualificação profissional, mais seguridade social, salários melhores e menos machismo farão com que menos pessoas tenham no trabalho doméstico sua última opção de sobrevivência. 

AMinhaEmpregada4

Clique para conferir conta do twitter “A Minha Empregada”

 

Créditos da foto: Twitter “A Minha Empregada”

 

 

Fonte: Carta Capital

+ sobre o tema

Feministas se elegem vereadoras em busca de representatividade para mulheres

Em 2016, um grupo de vereadoras se elegeu prometendo...

Visibilizar a existência lésbica é uma reivindicação feminista

29 de agosto é o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica,...

Dia da Mulher: Negras brasileiras sofrem preconceito no mercado de trabalho

O Em Conta especial do Dia Internacional da Mulher...

Lágrimas de homem abalam o machismo no futebol. E o racismo? Voa impávido em céu de brigadeiro

As lágrimas dos jogadores brasileiros pressionados pelo terror de...

para lembrar

Mulheres Negras em luta lançam Manifesto

Do Site da Uneafro-Brasil com fotos de João Novaes No Negro...

As caras da violência

Maria Lúcia da Silva, a Lucinha, não transita pelos...

“Boca de Cachorro Louco” relato de uma mulher que conviveu com a dor travestida de amor

Escritora cearense lança livro sobre relacionamento abusivo   Um relato...

Entrevista: A ofensiva antigênero como política de Estado

Em entrevista à Conectas, a pesquisadora Sonia Corrêa analisa...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=