Ministra pede fim da violência gerada pelo preconceito

A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, foi reconduzida nesta terça-feira 13 ao cargo; “Fizemos muito, mas é por isso que temos mais desafios. Porque só tem desafio quem faz”, resumiu a ministra, em seu discurso

Por Paula Laboissière  No Brasil247

A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, foi reconduzida nesta terça-feira 13 ao cargo. Durante a cerimônia, ela citou desafios como a consolidação da política de gestão transversal, ampliação do espaço de participação democrática e o fim da violência gerada pela intolerância e pelo preconceito.

“Fizemos muito, mas é por isso que temos mais desafios. Porque só tem desafio quem faz”, disse. A ministra também prometeu entregar este ano Casas da Mulher Brasileira em 12 capitais. Cada unidade contará com instrumentos como delegacias especializadas de atendimento à mulher, juizados e varas, defensorias e promotorias, além de brinquedoteca e espaço de convivência.

Outra promessa anunciada pela ministra é ampliação da Central de Atendimento à Mulher (Disque 180) e sua integração a serviços de emergência como o 190 e 193.

Menicucci elogiou iniciativas como o Programa Nacional de Atendimento Integral à Saúde da Mulher, mas ressaltou que as ações não devem se limitar à gestação, ao parto e ao puerpério. “É muito mais que isso. É garantir direitos sexuais e reprodutivos”, explicou.

A ministra lembrou, ainda, a aprovação da emenda constitucional conhecida como PEC das Domésticas, que garante direitos trabalhistas à categoria. Ela prometeu “batalhar” no Congresso Nacional para finalizar o projeto de regulamentação.

+ sobre o tema

para lembrar

UE denuncia exploração a empregadas domésticas irregulares

As empregadas domésticas em situação irregular enfrentam em inúmeros...

As mulheres negras e o feminismo no Brasil

Texto preparado para a Fett Conference, apresentado em Oslo,...

Um conto de 10 barrigas

Presumimos muitas coisas sobre as pessoas, e especialmente sobre...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=