Modelo de BH relata injúria racial após homem dizer que cabelo dela ‘assusta’: ‘Eu me senti sem chão’

Enviado por / FontePor Rafaela Mansur, do G1

Desconhecido parou Ludmila Cassemiro na rua, no bairro Cachoeirinha, na Região Nordeste, para dizer que se incomodava com o cabelo dela.

A modelo, ativista e comunicadora Ludmila Cassemiro, de 21 anos, denunciou ter sido vítima de injúria racial no bairro Cachoeirinha, na Região Nordeste de Belo Horizonte, no último sábado (9).

A jovem compartilhou nas redes sociais um vídeo em que mostra um homem dizendo que o cabelo dela “assusta” as pessoas. Ele se afasta após ela falar: “Guarda o seu racismo para você”.

Ludmila contou ao g1 que estava indo para a academia quando encontrou o homem vindo na direção oposta. Ela não o conhecia e nunca tinha conversado com ele antes.

“Antes que eu pudesse dar ‘boa tarde’, ele veio até mim me atacando, dizendo que sempre quis falar que meu cabelo incomodava, que assustava as pessoas. Disse que meu cabelo era desproporcional e demonstrava autoridade, que, como fotógrafo, poderia falar do meu cabelo. Eu me senti sem chão. O choque foi tão grande que nem consegui argumentar”, disse.

Ludmila afirmou que esta não é a primeira vez que ela é vítima de racismo. A jovem já chegou a perder oportunidades de trabalho e até o emprego por causa do cabelo.

“Não foi um caso isolado, infelizmente. Já fui demitida do serviço sob a justificativa de que meu cabelo poluía o ambiente. Sempre sou invalidada porque minha imagética é colocada à frente da minha capacidade intelectual”, falou.

A modelo ainda não procurou a polícia, mas pretende denunciar o caso ao Ministério Público.

“Eu vou representar aqueles que ainda não se sentem seguros para quebrar o silêncio. Muitas pessoas me procuraram para agradecer, falando que se sentiram representadas, que eu tive coragem de falar. É só o começo, porque eu pretendo continuar me manifestando. As pessoas fazem mal por sermos quem somos, nossa vida é colocada em ameaça o tempo inteiro”, disse.

Após publicar o relato nas redes sociais, Ludmila foi procurada por fotógrafos que ofereceram ensaios gratuitos para mostrar a beleza do cabelo dela, motivo de orgulho e símbolo de resistência.

“É a minha identidade. Eu sempre usei muito produto para tirar o volume, tentar definir o cabelo, até entender que meu cabelo é crespo. Conheci o ativismo, a história, e aprendi a me amar e me respeitar. Hoje eu me amo do jeitinho que eu sou e não mudaria nada”, falou.

Crime

Injúria racial é crime previsto no Código Penal brasileiro, com pena de prisão de um a três anos e multa. Consiste em ofender a honra de alguém valendo-se de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.

Já o crime de racismo está previsto na previsto na Lei 7.716/1989, e ocorre quando o agressor atinge um grupo ou coletivo de pessoas, discriminando uma etnia de forma geral. Nesses casos, só o Ministério Público tem legitimidade para apresentar denúncia contra o agressor.

+ sobre o tema

para lembrar

STF permite reconhecer ofensa contra LGBTQIA+ como injúria racial

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 9 votos...

Leila Velez: Empreendedora e persistente

Nascida em 1974, no Rio de Janeiro, Leila Velez...

Negras de cabelo azul – Por José Carlos Angelo

Outro dia alguém postou no Facebook que tinha jogado...

Mc Soffia, 11 anos: “Aceitem seu cabelo, sua cor”

Criada na Cohab Raposo Tavares, em São Paulo, sucesso...
spot_imgspot_img

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=