Morte e vida virgulina – Por: Cidinha da Silva

Fábio Mandingo, autor de Salvador Negro Rancor (Ciclo Contínuo, 2011), lançou o segundo livro pela mesma editora, trata-se de Morte e vida virgulina. A obra tem dinamismo e agilidade, características essenciais do texto de Mandingo.

O verbo do autor baiano tem verdade, versatilidade, alvo e faz com que nossos olhos ajam durante a leitura da palavra sua que, literalmente, nos transporta a outros mundos, propicia a formação de imagens pautadas pelo seu repertório rico de lugares de fala desconhecidos ou ignorados.

Raimundo Carrero, autor pernambucano, nos diz que autor não tem estilo, quem tem estilo é o personagem. Mandingo parece ter levado essa ideia às últimas consequencias nos dois primeiros textos do livro, Infanto Juvenil I e Infanto Juvenil II, os que menos gostei por serem muito masculinistas. Senti falta da interferência de um autor mais sensível, ainda que não transversalizado pelo feminismo, propriamente. Falta do autor que se manifesta nos três textos seguintes, que faz uma leitura menos crua, menos descritiva, do passado.

A poeticidade de Mara, Morte e vida virgulina e Oju Oyin merece entrar para o inventário de belezas incomparáveis da literatura brasileira. O texto de mandingo é paradigmático na literatura negra, original, sem ser pretensioso, diferente de tudo o que já li.

Morte e vida virgulina é um livro de contos, pleno. As personagens todas são bem construídas, as tramas não são lineares e Mandingo joga um jogo de Capoeira Angola cheio de ginga, belos e certeiros golpes. Econômicos, também, embora seu texto não seja propriamente econômico, o jogo o é. É preciso, incisivo. Mandingo não deixa a ponta da corda solta, mas dá liberdade ao barco para navegar.

 

+ sobre o tema

Licença para matar

Milhares de homicídios praticados pela polícia do Rio são...

Londrina: Encontro debate segurança pública e racismo institucional

O encontro, realizado, dia 04, no anfiteatro do PDE,...

Crimes de racismo e injúria racial estão em alta no Distrito Federal

A cada dois dias, ao menos três pessoas são...

para lembrar

Corrente humana protesta contra neonazistas na Alemanha

  Um corrente humana da 10.000 pessoas foi...

‘Devia ficar preso’, diz jovem xingada de macaca por suspeito de racismo

Metalúrgico teria chamado ainda trio de 'chitas' na terça-feira...

‘Ela deveria colocar negras na capa da Vogue’, diz Olívia Santana sobre polêmica

Primeira negra deputada estadual da Bahia, a parlamentar Olivia...

O Eu não tecnológico

O que há de definido ou imutável no ser...
spot_imgspot_img

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...

Censo 2022: taxa de analfabetismo entre pretos e pardos é mais que o dobro da registrada entre brancos

A taxa de analfabetismo entre a população negra é mais do que o dobro da registrada entre os brancos. Enquanto o índice de pretos...

Ministério Público de MG denuncia influenciadora que associou tragédia no RS a ‘terreiros de macumba’

O Ministério Público de Minas Gerais denunciou a influenciadora Michele Abreu por intolerância religiosa, por publicações que associavam a tragédia do Rio Grande do Sul a...
-+=