quarta-feira, setembro 23, 2020

    Tag: Grêmio

    blank

    Morte e vida virgulina – Por: Cidinha da Silva

    Fábio Mandingo, autor de Salvador Negro Rancor (Ciclo Contínuo, 2011), lançou o segundo livro pela mesma editora, trata-se de Morte e vida virgulina. A obra tem dinamismo e agilidade, características essenciais do texto de Mandingo. O verbo do autor baiano tem verdade, versatilidade, alvo e faz com que nossos olhos ajam durante a leitura da palavra sua que, literalmente, nos transporta a outros mundos, propicia a formação de imagens pautadas pelo seu repertório rico de lugares de fala desconhecidos ou ignorados. Raimundo Carrero, autor pernambucano, nos diz que autor não tem estilo, quem tem estilo é o personagem. Mandingo parece ter levado essa ideia às últimas consequencias nos dois primeiros textos do livro, Infanto Juvenil I e Infanto Juvenil II, os que menos gostei por serem muito masculinistas. Senti falta da interferência de um autor mais sensível, ainda que não transversalizado pelo feminismo, propriamente. Falta do autor que se manifesta ...

    Leia mais
    Foto: Marcos Ribolli

    A Educação nas teias do Aranha

    Personagem conhecido em Campinas, o Aranha, ex-goleiro da Ponte Preta, acabou se envolvendo em um emaranhado debate nacional e disso se podem extrair lições para a educação das nossas relações sociais. por Prof. Dr. Marcos Francisco Martins - Jornal Correio Popular de Campinas Foto: Marcos Ribolli Há 30 dias, no jogo Grêmio X Santos, em Porto Alegre, parte da torcida local fez xingamentos racistas contra o Aranha. Ele reagiu, saiu do gol, foi à torcida reclamar e recorreu ao juiz, que nada fez e nem registrou o acontecimento na Súmula da partida. Todavia, alguns veículos de comunicação registraram o fato e o denunciaram, o que foi acompanhado por redes sociais, fazendo com que o juiz alterasse a Súmula após o jogo. Os que se seguiu foi amplamente reportado, motivando o debate sobre o racismo no futebol e na sociedade brasileira. A punição exemplar veio ao Grêmio, ...

    Leia mais
    Vaias a Aranha são a vitória do racismo na Arena do Grêmio

    Vaias a Aranha são a vitória do racismo na Arena do Grêmio

    por José Antonio Lima O racismo brasileiro, que contesta a existência do preconceito e nega ao negro até mesmo o direito de se sentir ofendido, obteve uma vitória expressiva na Arena do Grêmio, na noite desta quinta-feira 18 em Porto Alegre. Três semanas depois de Aranha ser chamado de “macaco” e “preto fedido”, o goleiro do Santos foi xingado de “viado” e “branca de neve”, vaiado durante o aquecimento e também a cada vez que encostava na bola durante nova partida entre os dois clubes, desta vez pelo Campeonato Brasileiro. Foi uma clara demonstração por parte de muitos torcedores gremistas da “indignação” provocada pelo simples fato, vejamos só o tamanho do buraco, de ter denunciado o ato de racismo do qual foi vítima em 28 de agosto. Como de costume, houve uma tentativa cínica de negar que as vaias a Aranha fossem uma crítica ao goleiro e, consequentemente, apoio ao ato de racismo anterior. ...

    Leia mais
    luizabairros2

    ‘É preciso ajudar as pessoas a não praticarem mais esse tipo de violência’

    Por: Isabella Sander A visita a Porto Alegre da ministra Luiza Bairros, da Secretaria de Promoção de Políticas da Igualdade Racial da Presidência da República (Seppir), ontem, foi sua primeira ao Estado desde a ocorrência de atos racistas durante uma partida entre Grêmio e Santos, no dia 28 de agosto. A ministra, que veio à Capital para participar do ato político “Para seguir avançando nas políticas de Promoção da Igualdade Racial”, concedeu entrevista ao Jornal do Comércio a respeito do assunto, garantindo que a pasta está dialogando com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) sobre a situação. Jornal do Comércio - Qual a sua opinião a respeito do caso envolvendo atos de racismo no jogo entre Grêmio e Santos, direcionados ao goleiro Aranha, do time paulista? Luiza Bairros - Esses casos de racismo no futebol vêm se repetindo em vários cantos do Brasil. Houve uma espécie de ‘parênteses’ durante a Copa ...

    Leia mais
    Getty Images

    Pelé e a consciência negra ou estamos por nossa própria conta – Por: Cidinha da Silva

    Por Cidinha da Silva Pelé é um sujeito conhecido e reconhecido pelas declarações infelizes e obtusas que procuram minimizar as manifestações de racismo em todos os continentes. É frustrante e dolorido ouvi-lo, entretanto, sua triste figura no quesito compreensão do funcionamento do racismo é plenamente compreensível no contexto brasileiro. A principal estratégia da casa grande para perpetuar o racismo no Brasil tem sido sua negação. Por isso é tão importante para este projeto hegemônico que ícones como Pelé prestem esse desserviço ou façam esse trabalho sujo, como queiram. A persona Pelé vende a ilusão de que nunca foi alvo de racismo ou que o superou pelo sucesso e pela subserviência discursiva aos métodos de manutenção do poder branco, que permitem a existência inofensiva de alguns ícones negros. E pretende dizer aos mais novos, tais como Aranha, o insurgente, que, para chegar a algum lugar como negro, é preciso aquiescer ao ...

    Leia mais
    blank

    Aranha! Aranha! por Tony Bellotto

    Todos nós conhecemos direitinho como funciona nosso racismo, não somos inocentes Estive recentemente no Rio Grande do Sul e me surpreendi com comentários de parte da imprensa gaúcha, que, de certa forma, tentavam minimizar a gravidade das ofensas racistas da torcedora gremista Patrícia Moreira ao goleiro Aranha, do Santos. Após a torcedora, em prantos, ter declarado à imprensa que chamar o goleiro de macaco não foi uma ofensa racista, e de ter publicamente invocado seu perdão, vários jornalistas em solidariedade começaram a sugerir que Aranha tivesse a “grandeza” de perdoar Patrícia pelas injúrias. Se chamar um homem negro de macaco não é uma ofensa racista, é o quê? Uma demonstração carinhosa de admiração e respeito? É admissível que alguém numa conversa declare: “Realmente aquele macaco do Joaquim Barbosa fez um trabalho excelente no STF”? Ou: “O macaco do Obama é de fato um orador notável”? “Mas como é veloz esse ...

    Leia mais
    blank

    A torcedora e o marginalzinho

    do facebook de Rosilene Silva da Costa Racismo no Futebol O racismo presente no futebol gaúcho não pode ser visto apenas como um fato isolado de um ou outro clube - ele é o reflexo de como vivem os gaúchos. Eu não sou testemunha disso, mas vítima desta forma de viver: sou gaúcha e colorada. Apesar da polarização do futebol gaúcho, se nesta situação a punição fosse para o Internacional, eu comemoraria da mesma forma, pois são anos de preconceito nos estádios. Haverá quem conteste dizendo que a torcida gremista é mais racista. Talvez seja maior o número de racistas nesta torcida, que é mais branca por ser o Grêmio um clube, historicamente, mais elitizado. No entanto, os dois maiores clubes gaúchos carregam em sua história a proibição de entrada de negros em suas dependências e mesmo em seus times. Quem nunca ouviu falar sobre a Liga dos Canelas Pretas, fundada ...

    Leia mais
    blank

    Futebol feio, racismo gaúcho e baladas

    Jornal GGN – O ex-jogador Paulo Cézar Caju concedeu uma entrevista ao jornal Zero Hora e criticou o futebol gaúcho e o rodízio dos técnicos do Rio Grande do Sul na seleção brasileira. “Por que só Felipão, Mano Menezes, Dunga, Felipão de novo na Seleção? O estilo gaúcho está matando o nosso futebol. Por que não retomar o jogo cadenciado, bonito e objetivo?”. Na publicação, Caju falou de sua história no Grêmio e na seleção e comentou os últimos casos de racismo no futebol. Por Jones Lopes da Silva Aos 65 anos, o ex-jogador Paulo Cézar Caju ainda gosta de uma polêmica. Salvo quando sorri, faz humor e destila cacos de ironia e críticas apimentadas numa voz de locutor de rádio. Fala com eloquência e agora também escreve, por trabalho e gosto pelo debate. Mantém um blog no jornal O Globo e continua o inquieto e rebelde de quando sagrou-se ...

    Leia mais
    blank

    Nossa cumplicidade dissimulada com o racismo

    Como ficou claramente comprovado no episódio e nas repercussões das ofensas raciais ao goleiro Aranha, no solo rio-grandense da Arena gremista, é evidente que estamos cada vez mais dissimuladamente racistas. O preconceito racial, instalado no país com a prisão de homens e mulheres na África aqui transformados em seres inferiores, escravizados em senzalas, lateja na elite-que-se-manifesta em seus domínios sociais, econômicos, culturais e midiáticos-comportamentais com a violência camuflada que viceja, fértil, na casa grande. A apreciação do incidente no palco do Tribunal de Justiça Desportiva iluminado pelos holofotes da imprensa foi a caricatura mais emblemática do racismo entranhado em nossa cultura. Da sarcástica soberba do presidente do Grêmio, ironizando que o racismo acabou no país com a exclusão do clube da Copa do Brasil à defesa dos causídicos a serviço do jurídico tricolor, empregando ditos recursos técnicos de terror, beirando a chantagem, aos algozes togados com posts reveladores, todos incorreram ...

    Leia mais
    O racismo derrotado

    O racismo derrotado

    A eliminação do Grêmio da Copa do Brasil é um remédio amargo, porém necessário, para as manifestações de racismo que fazem dos estádios uma extensão do que existe de mais podre e repulsivo na sociedade. Na última quarta-feira, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) excluiu o time de Porto Alegre da Série A da Copa do Brasil, como punição pelas ofensas de torcedores contra o goleiro Aranha, do Santos, em partida no dia 28 de agosto. A defesa gremista alegou que o clube realiza campanhas institucionais contra o preconceito e colaborou com a identificação dos torcedores que hostilizaram o goleiro, mas não adiantou. O meio esportivo recebeu a medida com a esperança de que ela seja um divisor de águas no comportamento das torcidas. Além de excluir o Grêmio e multá-lo em R$ 54 mil, o tribunal aplicou suspensões e multas ao árbitro Wilton Pereira e aos dois auxiliares. ...

    Leia mais
    Punição ao Grêmio é histórica mas não basta

    Punição ao Grêmio é histórica mas não basta

    Maria Carolina Trevisan Pela primeira vez no mundo, um clube é expulso de um campeonato de futebol por atos racistas de sua torcida A decisão unânime decretada ontem, 03/09, pelo Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) de excluir o Grêmio da Copa do Brasil por atos racistas de sua torcida contra o goleiro do Santos, Aranha, é inédita na história do futebol mundial. O time de Porto Alegre (RS) terá de pagar multa de R$50 mil e os torcedores identificados como autores da injúria racial estão proibidos de ingressar em jogos do Grêmio por 720 dias. Corre em paralelo, na justiça comum, um inquérito policial para instaurar processo por crime (de racismo ou de injúria racial) cometido pelos torcedores identificados. É, sem dúvida, uma decisão importante na luta pelo enfrentamento ao racismo. “Mas não basta. Para que haja uma mudança de prática das torcidas é preciso uma campanha de sensibilização”, ...

    Leia mais
    blank

    Racismo de superfície e de profundidade

    por Juremir Machado da Silva O que seria um racismo de profundidade em relação aos negros? Não sentar ao lado de um negro? Não aceitar o casamento de um filho com um negro? Não ter amigos negros? Considerar os negros como seres inferiores? Tenho a impressão, até a mesmo a convicção, de que a moça que levou o Grêmio a ser excluído da Copa do Brasil  não é racista dessa maneira. Teve um comportamento racista de superfície, caso essa expressão possa ter algum sentido sem encobrir ou justificar preconceitos hediondos. Gritou o que gritam, no embalo, pessoas que podem não se sentir racistas e até repudiar esse racismo, digamos, de profundidade. Mas será que o racismo de superfície praticado por indivíduos não é sintoma de um racismo de profundidade entranhado na sociedade e que vem à tona em manifestações aparentemente sem  maior importância ou praticadas, acima de tudo, para provocar ...

    Leia mais
    blank

    STJD exclui Grêmio da Copa do Brasil por ofensas racistas a goleiro Aranha

    Pedro Ivo Almeida Em sessão da 3ª Comissão Disciplinar, STJD decide excluir o Grêmio da Copa do Brasil por ofensas racistas ao goleiro Aranha O Grêmio está fora da Copa do Brasil. O time gaúcho foi excluído do torneio nesta quarta-feira (03), em sessão da 3ª Comissão Disciplinar do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), por causa de ofensas racistas proferidas por torcedores contra o goleiro Aranha, titular do Santos, em partida válida pelas oitavas de final da competição nacional. Em decisão unânime, o clube ainda recebeu uma multa total de R$ 54 mil, e as pessoas que foram identificadas xingando o jogador foram proibidas de entrar em estádios por 720 dias. O árbitro Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO) foi multado em R$ 1.600 e suspenso por 90 dias por não relatar o incidente na versão inicial da súmula, e os auxiliares também foram punidos por esse motivo (multa de R$ ...

    Leia mais
    blank

    Após novas ofensas racistas, Grêmio suspende organizada

    Torcida Geral do Grêmio gritou cânticos com a palavra "macaco" na partida contra o Bahia no último domingo O episódio de racismo envolvendo o goleiro Aranha, no duelo contra o Santos na semana passada, e a repetição de cânticos da torcida utilizando a palavra "macaco" na vitória de domingo sobre o Bahia, fizeram a diretoria do Grêmio agir. Nesta segunda-feira (1º), o clube anunciou a suspensão da torcida organizada Geral do Grêmio por "tempo indeterminado". Os torcedores da organizada foram identificados como culpados pelos cantos do último domingo, já que a tradicional música cantada pelas arquibancadas com os dizeres "olha a festa macaco" em provocação ao rival Internacional, é de autoria da Geral. Para evitar que o clube seja punido, a diretoria decidiu se mexer e ela própria aplicar uma punição nesta parte da torcida. Após a partida de domingo, o presidente do clube, Fábio Koff, chegou a dar entrevista para repudiar o comportamento desta ...

    Leia mais
    blank

    Advogado de torcedora gremista afirma: “ela é de uma família humilde, então tem amigos negros”

    A jovem torcedora gremista envolvida no mais recente caso de racismo do futebol brasileiro não deve sair dos holofotes da mídia tão cedo. Na manhã desta segunda-feira (1º), Patrícia Moreira reuniu-se com o advogado Guilherme Abrão para começar a traçar as linhas de sua defesa. As primeiras declarações de Abrão, no entanto, foram desastrosas. Ao tecer o seguinte comentário “ela é de uma família humilde, então tem amigos negros, que jamais tiverem qualquer tipo de problema com ela”, o advogado acabou por reproduzir mais uma frase repleta de preconceito racial. Para Abrão, a ofensa da jovem ao goleiro Aranha foi um “xingamento infeliz em um momento de pressão de jogo”. “Ela quer fazer um pedido de desculpas ao Aranha. Ela também quer pedir desculpas ao Grêmio e aos torcedores”, afirmou o advogado, completando que “aquilo aconteceu no calor do jogo”. Para o advogado, “ela não é uma pessoa racista”. Ainda de acordo de Abrão, Patrícia Moreira ainda não ...

    Leia mais
    blank

    As 7 consequências dos atos racistas na Arena

    por Luiz Zini Pires Os atos racistas na Arena 1) O Grêmio será excluído da atual edição da Copa do Brasil pelo STJD, no Rio. Servirá como exemplo. O STJD oferecerá a cabeça do Grêmio como exemplo à sociedade. 2) A torcida tricolor ganhou a injusta imagem de torcida racista em todo o Brasil. 3) A Geral, antiga torcida que encantava no Olímpico, cometeu suicídio coletivo. A maioria, como sempre, pagará pela minoria bandida. A Geral é a nova inimiga nº 1 da torcida azul. Perdeu qualquer tipo de apoio. 4) As câmeras dos novos estádios serão cada vez mais decisivas para detectar e depois punir os racistas – ou outros delinquentes da mesmas espécie. 5) Depois de punido, o Grêmio continuará na mira fina do STJD, mais do que todos os clubes do país. 6) A volta dos gritos racistas no setor da Geral, domingo, não influirá diretamente no julgamento ...

    Leia mais
    O que faziam dois negros no meio dos torcedores racistas do Grêmio?

    O que faziam dois negros no meio dos torcedores racistas do Grêmio?

     Marcos Sacramento Um detalhe chamou a atenção nas filmagens das agressões racistas contra o goleiro Aranha, do Santos, na vitória contra o Grêmio pela Copa do Brasil, nesta quinta-feira (28). No grupo de torcedores que entoavam o grito de “macaco” havia dois negros. O próprio goleiro citou este fato, durante uma entrevista coletiva. “Ontem tinha dois negros no meio lá me xingando também e eu ouvindo tudo aqui. Eu falei, pô, será que são negros só por fora? E por dentro? Sabe, o cara tem que ter consciência do que ele faz.” É mesmo difícil tentar compreender o que leva dois negros a lançar ofensas racistas contra outro negro. Negação da própria identidade? “Efeito matilha” provocado pela empolgação dos companheiros de torcida? Ignorância? Vendo os torcedores gremistas lembrei dos meus tempos de garoto. Havia um moleque endiabrado e negro que chamava outros dois amigos de “macacos”. Seu tom de pele ...

    Leia mais
    racismo3

    Torcedora que ofendeu Aranha é afastada do trabalho em Porto Alegre

    Jovem flagrada chamando o goleiro do Santos de "macaco" trabalhava em Centro Médico e Odontológico da Brigada Militar A torcedora gremista flagrada pelas câmeras de transmissão de TV chamando o goleiro Aranha de "macaco" durante a partida entre Grêmio e Santos na noite de quinta-feira, em Porto Alegre, foi afastado do trabalho no Centro Médico e Odontológico da Brigada Militar. Patrícia Moreira era funcionária de uma empresa terceirizada e prestava serviços de auxiliar de odontologia na clínica da polícia militar gaúcha. Segundo a assessoria de imprensa da corporação, a torcedora de 22 anos foi identificada ainda na noite de quinta-feira (28). O pedido de afastamento partiu da própria direção do centro médico. De acordo com a Brigada Militar, tanto a clínica quanto o comando da corporação repudiam qualquer ato de violência ou discriminação de qualquer tipo. O ato de racismo partiu da arquibancada posicionada atrás da meta defendida pelo goleiro, ...

    Leia mais
    blank

    Insultos racistas contra o goleiro Aranha marcam derrota do Grêmio para o Santos

    Durante as manifestações, torcedor gremista teria, inclusive, atirado celular no rival A partida de ida entre Grêmio e Santos, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, nesta quarta-feira, ficou manchada pelos insultos racistas dirigidos ao goleiro santista Aranha. O atleta teve ótima atuação e contribuiu para que o time paulista vencesse por 2 x 0. Nos minutos finais da partida em Porto Alegre, passou a ser insultado por parte da torcida tricolor. Um grupo de cerca de 10 pessoas localizadas atrás do gol santista imitou sons de macaco. Além disso, uma câmera do canal ESPN flagrou um torcedora claramente xingando Aranha de "macaco". Segundo a Zero Hora, uma pessoa chegou a atirar um celular contra o atleta aos 42 minutos do segundo tempo. Aos 47, a Brigada Militar entrou na arquibancada para tentar retirar alguém, o que gerou uma confusão entre os torcedores. "Eu estava no gol, a torcida ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    blank
    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist