A Educação nas teias do Aranha

Personagem conhecido em Campinas, o Aranha, ex-goleiro da Ponte Preta, acabou se envolvendo em um emaranhado debate nacional e disso se podem extrair lições para a educação das nossas relações sociais.

por Prof. Dr. Marcos Francisco Martins – Jornal Correio Popular de Campinas

Foto: Marcos Ribolli

Há 30 dias, no jogo Grêmio X Santos, em Porto Alegre, parte da torcida local fez xingamentos racistas contra o Aranha. Ele reagiu, saiu do gol, foi à torcida reclamar e recorreu ao juiz, que nada fez e nem registrou o acontecimento na Súmula da partida. Todavia, alguns veículos de comunicação registraram o fato e o denunciaram, o que foi acompanhado por redes sociais, fazendo com que o juiz alterasse a Súmula após o jogo. Os que se seguiu foi amplamente reportado, motivando o debate sobre o racismo no futebol e na sociedade brasileira.

A punição exemplar veio ao Grêmio, que foi, inclusive, excluído da Copa do Brasil. Por sua vez, para defender a própria dignidade, o Aranha se agarrou nas teias dos direitos humanos, que ele afirmou terem sido conquistados com “[…] muita luta e gente morrendo.” Baseado nesses direitos, disse que até poderia perdoar os agressores, mas que não abriria mão da punição deles pela Justiça. Disse mais: o racismo no Brasil foi “[…] colocado em baixo do tapete e precisamos revirar tudo isso?”.

A jovem que foi tomada como “exemplo” de agressor do Aranha tem sofrido muito: perdeu o emprego, teve a casa apedrejada e está sem moradia fixa, algo condenável pelos mesmos direitos humanos que protegem o Aranha. Contudo, ao recorrer às redes de TV para pedir perdão, muitas vezes ela dá a entender que o amor pelo Grêmio justifica a agressão à dignidade de alguém apenas pelo fato deste ter mais melanina do que ela, o que faz com que o corpo escureça a cor da pele, dos olhos, do cabelo etc.

Em 18/09, um novo jogo ocorreu entre os mesmos times. A torcida do Grêmio não poupou o Aranha, que foi vaiado e xingado desde que pisou no gramado. Alguns torcedores taparam a boca ao se manifestar, para evitar que as câmaras das TV´s e do Grêmio os flagrassem em atitude contrária ao que se está sendo condenado no Brasil hoje: o racismo. Essa atitude de parte da torcida gremista indica descontentamento com quem não aceita mais o racismo. Durante o jogo, o Aranha destacou-se em campo, garantindo o empate ao Santos, e ao final, nas entrevistas, também “bateu um bolão”. Disse até que aceita encontrar-se com a jovem que o ofendeu, mas desde que isso não seja espetacularizado: “Eu não quero circo!”.

Entre os xingamentos no segundo jogo, destacaram-se os homofóbicos, o que é comum – mas não mais deveria ser! – em estádios de futebol. Sobre isso, nada foi feito. Será que há hierarquia entre os direitos, colocando os relacionados à orientação sexual abaixo de outros? Esse comportamento não se limita à torcida do Grêmio, pois torcedores de todos os times recorrem, amiúde, a ofensas homofóbicas quando equipes gaúchas jogam fora do Estado de origem. Frequentemente, são recebidas por insultos orientados por uma heteronormatividade que começa a ser questionada nos ambientes sociais e por variados meios, inclusive, pelas telenovelas.

Esses episódios demonstram que a sociedade está começando a produzir um processo educativo-social que nos ensina a viver de outra forma, questionando o ódio racial, p. ex. Isso é positivo ética, política, social e culturalmente, muito embora nesse processo traumas ocorram, como o que está a afetar a vida do Aranha e da jovem que o ofendeu, além de estimular setores mais conservadores a se agarrarem a dogmas incivilizados.

A construção de outra civilização exige debate e a radicalização da defesa de posições por um mundo mais justo, que reconheça a alteridade como valor social e a dignidade de cada um independentemente da cor da pele, da orientação sexual, da crença etc. É nessa teia histórica de construção de outra nação que o Aranha se meteu, mas o fez colaborando com a educação das relações sociais em outras bases, para além da herança cultural de um país que foi o último na América Latina a promover a “abolição da escravidão”, processo em curso até os dias atuais.

Do que fez o Aranha até aqui, é possível concluir que ele não negligenciou o papel que lhe cabe como brasileiro e como negro, como integrante de uma comunidade que sofre na pele – ou por causa da cor dela! – violências de toda sorte. Se outra personalidade negra, muito mais famosa no futebol, descuidou dessa luta, mesmo sendo considerado “Rei do futebol”, um simples ex-goleiro da Ponte Preta tem mostrado o reto caminho, tecendo uma teia firme em favor do respeito à dignidade humana, algo indispensável à construção de outro Brasil.

 

Prof. Dr. Marcos Francisco Martins

Prof. da UFSCar e pesquisador do CNPq

+ sobre o tema

Estudantes têm até esta sexta-feira (14) para se inscrever no Enem

Termina nesta sexta-feira (14) o prazo para inscrições no Exame...

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes...

Inscrições no Enem 2024 são prorrogadas até 14 de junho

As inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

para lembrar

Unicamp inicia viagem de 3,5 mil km para ampliar inclusão de indígenas com vestibular inédito

Pela 1ª vez uma universidade pública paulista vai tão...

A escola falhou se o aluno acha que menina é inferior

Na foto acima, seriam prezados alunos ou prezadas alunas?...

UFMG recebe escritor refugiado da República Democrática do Congo

Félix Kaputu pretende escrever seu oitavo livro no Brasil....
spot_imgspot_img

Termina hoje (14) prazo para inscrição no Enem

Termina hoje (14) o prazo para inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os interessados devem acessar a Página do Participante e utilizar o cadastro...

Estudantes têm até esta sexta-feira (14) para se inscrever no Enem

Termina nesta sexta-feira (14) o prazo para inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os interessados devem acessar a Página do Participante e utilizar o cadastro...

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes e Design; Negócios e Gestão; Ciência da Computação; Ciência de Dados; Ciência e Engenharia; Ciências Sociais; Desenvolvimento Educacional e Organizacional; Humanidades; Matemática e...
-+=