Movimento quer barrar violência contra negros e pobres em São Paulo

Ativistas se reúnem hoje (25) para discutir a desmilitarização da PM

São Paulo – Ativistas de movimentos sociais liderados pelo Comitê Contra o Genocídio da Juventude Negra se reúnem hoje (25) no Sindicato dos Advogados de São Paulo para definir ações de combate à violência policial sofrida pela população pobre, negra e moradora da periferia da cidade e cobrar respostas do governo do estado de São Paulo. O encontro está marcado para as 19h.

O objetivo, segundo Douglas Belchior, da Uneafro, é barrar a escala de violência cometida por policias contra essa população. “Precisamos dar resposta às ações violentas e aos assassinatos praticados por milícias e policiais em serviço”, disse em entrevista à Rádio Brasil Atual. Ele acusa o governo do estado de São Paulo de compactuar com a truculência policial. “Exigimos que o estado tenha uma postura e termine com estas mortes. Temos de ser radicais como movimento, porque o estado está sendo radical contra a vida do povo negro.”

A desmilitarização da Polícia Militar é apontado pelo dirigente da Uneafro como a solução para acabar com as mortes da população pobre, negra e periférica, que classifica esse tipo de violência como um resquício da ditadura militar. “A manutenção da PM no Brasil é resquício direto da ditadura. Num Estado de direito democrático não é possível imaginar uma polícia como a que nós temos, que é dirigida à segurança da propriedade privada.”

Douglas lembra das diferentes posturas que a PM adquire nas regiões: a presença ostensiva nos bairros das elites paulistanas representa segurança, enquanto nos bairros periféricos representa ameaça à população. “O debate sobre a desmilitarização é muito importante. Não é possível manter a polícia com a postura militar e violenta que tem a partir do poder das armas que possui.”

A violência policial também atinge aqueles que protestam contra os abusos. Débora Maria da Silva, fundadora da Associação Mães de Maio, grupo de mães que tiveram seus filhos assassinados pela polícia em maio de 2006, em episódio conhecido como “Maio sangrento”, presenciou uma abordagem policial violenta na semana passada.

Após participar de debate sobre direitos humanos em Goiânia, a ativista e debatedores foram interceptados por uma viatura policial. “Apontaram o revólver, fizeram estardalhaço e chamaram reforço. Apareceram mais dois policiais, se apresentando como comandantes da área e nos chamaram de vagabundos, falando que todos os envolvidos com direitos humanos não têm o que fazer”, diz Débora .

A ação em protesto contra a violência policial que atinge a população das periferias foi lembrada por Douglas como um exemplo a ser seguido em manifestações que serão realizadas no mês da consciência negra. “Ocupamos o Shopping Higienópolis com uma grande marcha para dizer à classe média de São Paulo que o povo negro brasileiro tem poder de reação. Vamos pensar numa ação a esta altura para o mês da consciência negra, para dizer que não aceitamos mais perder a juventude negra nas mãos da PM, que está a serviço das elites brasileiras”, diz.

 

 

Fonte: Rede Brasil Atual 

+ sobre o tema

para lembrar

Ataque a Vini Jr. alerta para piora do racismo e pauta com ministra Anielle em NY

Os ataques racistas contra o jogador brasileiro Vinícius Junior,...

Outdoor que expõe racistas: um bronze que vale ouro

Os racistas que se escondem atrás dos teclados foram...

Tribunal de Londres processa zagueiro John Terry por racismo

LONDRES, Reino Unido — O capitão da seleção inglesa...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=