MPL deixa ato e diz que direita quer dar ‘ares fascistas’ a protestos

O Movimento Passe Livre (MPL), que organizou os protestos contra o aumento da tarifa do transporte público em São Paulo, deixou a manifestação que ocorre na noite desta quinta-feira na capital paulista. Segundo o professor Lucas Monteiro, 29 anos, integrante do MPL, o movimento “não abandonou” os protestos. “A gente saiu porque a manifestação cumpriu com a obrigação dela, que era de comemorar a redução da tarifa.”

“O MPL agora vai sentar e fazer uma avaliação, mas com certeza vai ter mais manifestações pela tarifa zero, só não sei dizer onde nem quando. Fiquem ligados no perfil do MPL no Facebook”, disse Pedro Bernardo, também militante do MPL.

Pedro criticou alguns grupos que estavam na manifestação. “Militantes de extrema direita querem dar ares facistas a esse movimento”, afirmou. Para Lucas, “a hostilidade sempre existiu”.

“Mas hoje é dia de vitória. O MPL deu o exemplo, colocou o povo para participar do processo democrático”, disse Pedro. “Se chamar o povo vem junto, parabéns para o povo.”

O movimento repudiou os atos de violência direcionados a essas organizações durante a manifestação. No fim do dia, em nota, o MPL afirmou que “desde os primeiros protestos, essas organizações tomaram parte na mobilização. Oportunismo é tentar excluí-las da luta que construímos juntos”. 

A cidade de São Paulo enfrenta protestos contra o aumento na tarifa do transporte público desde o dia 6 de junho. Manifestantes e policiais entraram em confronto em diferentes ocasiões e ruas do centro se transformaram em cenários de guerra.

Durante os atos, portas de agências bancárias e estabelecimentos comerciais foram quebrados, ônibus, prédios, muros e monumentos pichados e lixeiras incendiadas. Os manifestantes alegam que reagem à repressão da polícia, que age de maneira truculenta para tentar conter ou dispersar os protestos.

Mais de 250 pessoas foram presas durante as manifestações, muitas sob acusação de depredação de patrimônio público e formação de quadrilha. A mobilização ganhou força a partir do dia 13 de junho, quando o protesto foi marcado pela repressão opressiva. Bombas de gás lacrimogêneo lançadas pela Polícia Militar na rua da Consolação deram início a uma sequência de atos violentos por parte das forças de segurança, que se espalharam pelo centro.

O cenário foi de caos: manifestantes e pessoas pegas de surpresa pelo protesto correndo para todos os lados tentando se proteger; motoristas e passageiros de ônibus inalando gás de pimenta sem ter como fugir em meio ao trânsito; e vários jornalistas, que cobriam o protesto, detidos, ameaçados ou agredidos.

As agressões da polícia repercutiram negativamente na imprensa e também nas redes sociais. Vítimas e testemunhas da ação violenta divulgaram relatos, fotografias e vídeos na internet. A mobilização ultrapassou as fronteiras do País e ganhou as ruas de várias cidades do mundo. Dezenas de manifestações foram organizadas em outros países em apoio aos protestos em São Paulo e repúdio à ação violenta da Polícia Militar. Eventos foram marcados pelas redes sociais em quase 30 cidades da Europa, Estados Unidos e América Latina.

As passagens de ônibus, metrô e trem da cidade de São Paulo passaram a custar R$ 3,20 no dia 2 de junho. A tarifa anterior, de R$ 3, vigorava desde janeiro de 2011. Segundo a administração paulista, caso fosse feito o reajuste com base na inflação acumulada no período, aferido pelo IPC/Fipe, o valor chegaria a R$ 3,40. No dia 19 de junho, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) anunciaram a redução dos preços das passagens de ônibus, metrô e trens metropolitanos para R$ 3. O preço da integração também retornou para o valor de R$ 4,65 depois de ter sido reajustado para R$ 5.

 

Deciframe ou te devoro”: a grande mídia e as manifestações

História do Fascismo

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Direito à memória

Eunice Farah, 77 anos, era uma foliã apaixonada e...

Torcida do Zenit pede ao clube para não contratar gays, negros e latinos

  Torcedores do Zenit, de São Petersburgo, na Rússia, causaram...

Lideranças negras repudiam senador do DEM

A Audiência Pública no Supremo Tribunal Federal reunião...

para lembrar

Inglaterra estabelece plano de quatro anos para reduzir número de crimes de ódio

Desde que a maioria dos britânicos votou pela saída...

Falhas de política para refugiados aumentam xenofobia na Itália

por Stefan Troendle Ilha de Lampedusa é o exemplo...

Imigrantes haitianos em São Paulo revelam sofrimento social

Tese foi defendida pelo professor José Ailton, da Faculdade...

Uma dívida irreparável

O assassinato da ialorixá Bernadete Pacífico, Coordenadora Nacional da Articulação...
spot_imgspot_img

Novo Selo de Igualdade Racial será lançado para incentivar diversidade nas empresas, anuncia Anielle Franco

O governo federal planeja introduzir, até o final do ano, um "Selo de Igualdade Racial" destinado a reconhecer empresas públicas e privadas que implementam...

Professora denuncia aluno por injúria racial após estudante escrever ‘preto não é gente’ em folha de papel

Uma professora denunciou um estudante de 14 anos à polícia após ele escrever "preto não é gente" em uma folha de papel, em uma...

5 por dia: Bahia lidera ranking de mortes em ações policiais no primeiro quadrimestre

Enquanto a localização de lideranças criminosas aumentou na Bahia no início de 2024, a letalidade das ações policiais também registrou crescimento. De acordo com o Ministério...
-+=