Mulher é condenada por injúria após ofender duas candomblecistas na PB

Uma mulher foi condenada a um ano e nove meses de prisão e 35 dias-multa pelo crime de injúria após ofender duas candomblecistas em março de 2019 na Paraíba. De acordo com os autos do processo, a condenada chamou o casal de mulheres de “macumbeiras, sapatão e pomba gira dos infernos”.

Do  G1 

Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ-PB), em João Pessoa — Foto: Ednaldo Araújo/TJPB

A mulher foi denunciada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) pelos crimes de injúria referente a raça, cor, etnia ou religião, duas vezes. Em depoimento, as vítimas narraram que convivem maritalmente há mais de 13 anos e são da religião do candomblé. Ambas confirmaram que a condenada enviou mensagens para uma testemunha com injúrias à religião das duas.

Na sentença, o juiz Geraldo Emílio Porto, da 7ª Vara Criminal de João Pessoa, destaca que os fatos descritos foram comprovados durante a fase de instrução e demonstram que a mulher praticou o crime de injúria.

Segundo o texto da sentença, a acusada, inconformada com o relacionamento amoroso que o esposo dela manteve com uma das testemunhas, passou a ofender, por mensagens, a cunhada da testemunha e a companheira dela. A condenada teria informado que as duas vítimas teriam facilitado o relacionamento extraconjugal do cônjuge dela com a testemunha.

Conforme o juiz, a ré, em uma única ação, realizou dois crimes ao mesmo tempo e, por isso, deveria sofrer as sanções com o aumento da pena previsto no artigo 70 do Código Penal, “levando-se em consideração a quantidade de infrações penais praticadas”, ressaltou o magistrado.

A pena foi convertida em duas penas restritivas de direito, sendo uma de prestação de serviços à comunidade e outra na prestação pecuniária no valor de um salário mínimo. Ainda cabe recurso à decisão.

 

Leia Também:

As várias dimensões do racismo religioso 

 

 

+ sobre o tema

Câmara pretende ouvir Janot sobre equiparação de homofobia a racismo

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara...

Não entendemos errado, o que aconteceu com Angelo Assunção foi racismo

A sofisticação do racismo brasileiro está no fato de...

Candomblecista da Vila Autódromo Descreve o Terror do Processo de Remoção

Moradora removida da Vila Autódromo, Heloisa Helena Costa Berto,...

para lembrar

spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

O Brasil que segue tolerando o intolerável

No dia 07 de julho de 1920, o jornal A Noite noticiou uma batida feita pela polícia do Rio de Janeiro – então capital federal –...
-+=