Mulheres e política: Uma análise das eleições de 2016

A participação das mulheres nos cargos eletivos é pauta histórica do movimento feminista, que busca garantir uma real igualdade de gênero no sistema político. Ainda tentando digerir a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos, famoso por declarações e atitudes machistas e misóginas, proponho um pouco mais de reflexão sobre o quadro nacional. O desfecho das eleições municipais de 2016 reforça a necessidade urgente de uma reforma política que garanta, de forma estrutural, a participação das mulheres nas disputas eleitorais.

Por Ingrid Farias, do HuffPost Brasil

Apesar de ter havido um aumento expressivo do número de mulheres eleitas – mais de 60% das capitais brasileiras elegeram mais mulheres para a legislatura 2017-2020 -, é preciso fazer uma avaliação sobre qual projeto político de sociedade elas representam. Quando avaliamos o perfil das legendas utilizadas por essas mulheres para suas candidaturas, percebemos o aumento crescente de candidatas eleitas por partidos que defendem agendas extremamente conservadoras, que conflitam com as demandas apresentadas pelas mulheres e os movimentos feministas.

Temas urgentes e caros às mulheres, que devem ser tratados como prioridade pelas próximas legislaturas, são o fim da violência física e moral, o desenho de um planejamento urbano seguro e inclusivo, o acesso à saúde de qualidade, a trabalho e renda, e à saúde reprodutiva. Essas pautas estão sob forte ameaça por projetos que já tramitam nas casas legislativas do país, como o Projeto de Lei 6033/2013, de autoria de Eduardo Cunha, ex-deputado federal, que propõe a anulação da Lei 12.845, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff e que institui que os hospitais devem oferecer às vítimas de violência sexual atendimento emergencial, integral e multidisciplinar, incluindo, entre outras coisas, a profilaxia da gravidez (métodos para evitar uma gestação decorrente de estupro).

Em 11 capitais brasileiras, o número de mulheres eleitas cresceu, enquanto em dez houve redução. Em cinco delas, a quantidade de mulheres escolhidas como vereadoras se manteve igual. São Paulo foi onde a representação feminina na Câmara mais expandiu: de seis na última legislatura para 11 na que começa em 2017. Salvador e Natal vêm logo atrás, aumentando de cinco para nove e de quatro para oito, respectivamente, o número de mulheres eleitas. As capitais que mais reduziram a presença de mulheres nas Câmaras locais foram Fortaleza, Belém e Porto Velho.

A análise ampla das candidaturas revela a divisão sexual nos processos de participação política. Enquanto houve 158.453 candidatas a vereadoras em todo o país, representando 33% das inscrições, havia 338.445 homens na disputa para vereador. Nos cargos executivos, a desproporção se repete: apenas 2.105 mulheres concorreram aos cargos de prefeitas, enquanto 14.418 homens se candidataram à gestão municipal. Das 5.570 cidades brasileiras, apenas 52 tiveram apenas mulheres candidatas à prefeitura.

A cota de candidaturas prevista na Lei das Eleições não tem trazido resultados práticos para garantir a participação da mulher nos processos eleitorais. No âmbito nacional, não é diferente: apenas 8,8% de mulheres foram eleitas deputadas em 2010, enquanto em 2014 o número subiu muito pouco, para 9,9%. Uma das possibilidades para aumentar o número de mulheres nesse processo é a substituição de cotas de candidaturas (hoje existente) por cotas de representação, ou seja, reservar cadeiras parlamentares exclusivamente para mulheres. Esta reserva não afasta a possibilidade de que mulheres com pouca expressão política, e sem vinculação com as pautas feministas, possam ocupar as vagas, mas seu desenho institucional pode intensificar ou abrandar esse risco.

Não basta ser mulher para representar as pautas feministas, é necessário o alinhamento com as demandas e vozes das mulheres e dos movimentos sociais na desconstrução das opressões nos âmbitos público e privado, lutando, por meio da construção coletiva de políticas públicas, pelo fim da cultura do machismo e pelo fortalecimento de um projeto de sociedade com garantia de direitos para todas as mulheres.

É preciso incentivar cada vez mais mulheres comprometidas com a agenda de direitos das mulheres a construir e participar dos processos eleitorais. É urgente promover uma efetiva participação da mulher na política, com espaço real nas arenas de decisão, não apenas como cotas de paridade que por si só não solucionam o problema estrutural de uma sociedade patriarcal.

*Ingrid Farias é estagiária do programa de Direitos das Mulheres da ActionAid no Brasil

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

BlackRocks Startups e AWS confirmam colaboração para a segunda edição do Grow

Pelo segundo ano consecutivo, a Amazon Web Services trabalhará...

Empate entre candidatos do PT e PSDB ao Planalto é inédito em início de campanha

Por: Wanderley Preite Sobrinho Com exceção de 1994,...

Para onde vai São Paulo?

Por: MARCIO POCHMANN O esforço governamental para expansão e...

Eu envelheci

Um dia desses, uma jovem me perguntou como eu...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=