Não é desnutrição; é genocídio

Dissecando inverdades jurídicas sobre o termo genocídio

O que ocorre hoje contra o povo yanomami em Roraima é, tecnicamente, genocídio, termo cunhado na década de 1940 para nomear o inominável: quem discorda ou não entende de lei, ou entende e está de má-fé, ou, pior, possui as mãos sujas de sangue. Dissequemos as inverdades jurídicas sobre o termo genocídio.

“Crime de genocídio seria questão apenas para o Tribunal de Haia”: falso. O tipo penal de genocídio é previsto na lei brasileira desde 1956, cujo precedente é justamente o massacre contra yanomamis em 1993. Se a Justiça se mostrar incapaz ou indisposta a processar este crime, o próprio Estado brasileiro pode pedir que Haia o faça. “Genocídio pressupõe guerra”: falso. Na lei brasileira e internacional, genocídio refere-se a uma série de atos com intenção de destruição étnico-racial, sendo diferente dos crimes de guerra. “Genocídio exige destruição total”: falso. O crime prevê atos com intenção de extermínio no todo ou em parte.

“Caso dos yanomamis seria de omissão”: falso. Série de atos por parte de agentes oficiais aponta para a prática genocida como política de Estado: aumento em 180% de invasões e garimpos sob Bolsonaro, autorização de exploração de ouro ao lado dos yanomamis, desvio de verba para medicamentos. O foco das violações em crianças yanomamis releva, inclusive, intenção de extermínio étnico das novas gerações.

Somos o país do genocídio por denegação. Lélia Gonzalez foi a primeira a utilizar a categoria freudiana de denegação para explicar a grande neurose à brasileira: somos o país que não suporta sua própria imagem no espelho e, portanto, desconta sua ojeriza a chamar de genocídio o que é justamente praticando-o contra aqueles que são o seu testemunho vivo. Ou olhamos no espelho e enquadramos as imagens desumanas não como tragédia, mas como extermino cujos mentores têm nome, sobrenome e endereço, alguns na Flórida, ou, como escreveu o líder yanomami Davi Kopenawa, o céu continuará a cair sobre nossas cabeças.

+ sobre o tema

Idosa fica 50 anos em trabalho análogo à escravidão e sem ver família em SP

Yolanda, hoje com 89 anos, passou cinco décadas de...

Presidenta da Funai toma posse prometendo reconstrução

Numa cerimônia marcada pela emoção e por discursos fortes,...

Comissão debate enfrentamento ao racismo na primeira infância

A Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial...

para lembrar

BB tira do ar propaganda com jovem negra careca, homens de cabelo rosa e no salão de beleza

Assessoria do banco diz que 'faltaram outros perfis' e...

Maria, preciso te contar sobre Bolsonaro, o fazedor de órfãos

Maria, você tem apenas 2 anos. Um, dois. E...

Impeachment: o que pensa a juventude negra?

Entre as contradições de 13 anos de governo petista,...
spot_imgspot_img

Cacique denuncia escalada da violência contra indígenas no Paraná após ameaça de policiais: ‘Posso matar vocês aqui e ninguém vai saber’

O cacique Izaias Benitter, da aldeia Taturi, localizada no município de Guaíra, no oeste do Paraná, denunciou a ameaça de policiais contra dois indígenas. O...

Comissão Arns e Conectas Direitos Humanos – Em repúdio ao ataque criminoso contra os Pataxó, no sul da Bahia

A Comissão Arns e a Conectas Direitos Humanos vêm manifestar seu repúdio aos trágicos acontecimentos ocorridos no dia de ontem, na cidade de Potiraguá,...

Saúde: 307 crianças ianomâmis desnutridas foram resgatadas em 2023

Ao longo do ano de 2023, 307 crianças ianomâmis diagnosticadas com desnutrição grave ou moderada foram resgatadas e recuperadas, segundo o Ministério da Saúde. Há quase...
-+=