Não precisamos de Isis aqui. Nosso algoz é a polícia

No ano passado houve a tragédia da morte de Cláudia, elevando aos píncaros o grau de violação da qual foi vítima, ao ter seu corpo arrastado por alguns pontos da cidade por uma viatura que a deveria proteger e socorrer. Agora, vemos a jovem Haíssa perder sua vida de maneira idêntica, ou seja, vítima da loucura do braço armado do estado do Rio de Janeiro.

no Jornal do Brasil por Mônica Francisco *

Em meio ao debate eleitoral vigoroso, para a grande maioria a tragédia de Haíssa passou longe, muitos nem sequer ouviram falar, antes das cenas liberadas e veiculadas a exaustão pelos meios de comunicação.

Mas, em meio a todas essa tragédia, um fato me chama muita atenção, ou melhor alguns deles. O primeiro é relacionado ao uso de boné por parte do motorista. Muitos já se esqueceram, mas há uma lei, de autoria da deputada estadual Lucinha do PSDB, proibindo o uso de bonés em estabelecimentos comerciais, condomínios e bancos.

Houve um debate, mas a grande questão é a manutenção por parte do poder público e da sociedade de maneira geral, de uma postura racista e discriminatória, direcionada ao mesmo grupo social (negros, pardos, não brancos e jovens moradores de áreas periféricas e pobres da cidade) que acabou culminando com a execução de Haíssa, e que poderia ter resultado em uma verdadeira chacina, pois se todos os tiros disparados tivessem atingido os jovens ocupantes do carro, a conta seria mais alta.

A cristalização destas posturas fundamentalistas em relação aos que são das classes mais populares e enquadram-se no tipo do qual me refiro, produzem esta disposição mental assassina de ambas as partes. Não precisamos de Isis (sigla que denomina o grupo fundamentalista Estado Islâmico) aqui, nosso algoz é a polícia militar e ela serve bem aos interesses xenofóbicos inconscientes e conscientes de uma sociedade que não aceita o grupo que descendeu de sujeitos escravizados pela irracionalidade ocidental européia, desejosa de subjugar outros seres humanos para seu serviço.

Só que não é preciso muito esforço para continuar aniquilando esse grupo resiliente. Leis, atitudes e ações concretizadas com aval estatal, fazem bem esse papel. Pune-se, continuará a se punir, mas a questão central é o racismo institucional, que impregnou de maneira perigosa as instituições policiais e judiciárias, com grande representação no legislativo, que referenda oficialmente com leis absurdas a  criminalização de sujeitos de um determinado grupo.

Da  França hoje (12/01), chega a notícia da proibição de manifestações religiosa públicas de grupos considerados incivilizados (muçulmanos), perigosos. Aqui vivemos isso com os cultos afro-brasileiros por um bom tempo. Acirram-se os ódios contra esse grupo por parte da população de lá, em uma demonstração clara de rejeição. Não é um grupo com comportamento desviante que deve ser contido, mas amplia-se a mancha sobre um grupo social e todo o tipo de situação passa a ser de certa forma consentida de acometer esse determinado grupo, seja o que for.

Aqui, não é muito diferente, e precisamos encarar este problema de frente. Não há mais espaço para negativas, ou melhor negação do fato. Ou seja, do racismo que nos acomete e mata nossos jovens, ou melhor parte de nossos jovens. O mundo condena, diz que não se pode generalizar e misturar os  casos extremos com uma determinada confissão religiosa ou grupo humano, até você que lê esta coluna também pensa assim.

Aqui, fazemos a mesma coisa, só que com maestria. Um mesmo grupo vem sendo exterminado sem pausa, desde o início desta nação, e ainda continuamos a assistir, com total falta de ação concreta, ações cada vez mais absurdas cometidas contra esse grupo e simplesmente nada é feito.

O fato de um grupo de jovens negros estar no interior de um carro acima da média, em um bairro popular e usando boné, os sentenciou. Alguém tem que pagar a conta de tanta ousadia. Quem vai parar  a polícia militar treinada para caçar jovens negros?

Não há despreparo na polícia militar, há uma mentalidade de hunter, caçador, uma atitude predatória, alimentada pelo ódio racial travestido de convivência pacífica e demonstrado nas tabelas de homicídios ocorridos entre jovens, negros em todo o Brasil. Não somos racistas e nem temos mentalidade escravocrata. Mas deixa estar uma boa menina pra cuidar de suas crianças, a preço de final de feira, sobrinha daquela empregada de anos da sua mãe ou da sua tia.

Afinal de contas é melhor ela estar na sua casa, trabalhando, comendo, do que à mercê dos perigos das favelas ou da tristeza de uma vida muito mais dura no interior não é mesmo?

Ninguém é preconceituosos até o próximo menino de rua furtar alguém e você torcer para que ele seja trucidado pelo primeiro troglodita que aparecer.

É isso gente, assim vamos nós daqui, com muita gente sendo Charlie, e lastimando os atentados contra as vidas francesas, mas nem aí pras milhares de vida que se perdem com o seu consentimento. Não queremos discutir a polícia que temos porque ela serve bem aos interesses desta sociedade mediana em todos os sentidos, porque os ricos nem precisam dela. Gente pobre, negra, parda e não branca, morando mal, ganhando pior ainda, odiada pela sociedade, mas que a serve fielmente, matando outros pobres, negros, não brancos e pardos e ainda, morrendo aos montes, por nada.

É preciso encontrar uma saída, porque enquanto temos parlamentares que perdem seu tempo a produzir leis como estas, e uma sociedade que apoia a pena de morte de um grupo humano, ainda que oficiosamente, é sinal de que estamos muito mal.

“A nossa luta é todo dia. Favela é cidade. Não à GENTRIFICAÇÃO e ao RACISMO, ao RACISMO INSTITUCIONAL, ao VOTO OBRIGATÓRIO e à REMOÇÃO!”

*Membro da Rede de Instituições do Borel, Coordenadora do Grupo Arteiras e Consultora na ONG ASPLANDE.(Twitter/@ MncaSFrancisco)

+ sobre o tema

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico...

para lembrar

Estrelas da NBA elevam voz contra violência e racismo

As estrelas da NBA Carmelo Anthony, Chris Paul, Dwyane...

Racismo: a máquina de matar e encarcerar negros – Deborah Small

Os fatores que levam ao racismo resultam em mortes...
spot_imgspot_img

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...

“Perda de aulas por tiroteios na Maré agrava desigualdade”

Desde 2014 à frente da editora Caixote, a jornalista e escritora carioca Isabel Malzoni mergulhou no universo das violências sofridas por crianças e adolescentes que moram no complexo...
-+=