Netinho: A cidade precisa servir a todos sem distinção de classe

“A cidade (São Paulo) precisa servir a todos sem distinção de classe”, declarou, em entrevista exclusiva ao Vermelho, Netinho de Paula, secretário de Promoção da Igualdade Racial de São Paulo, ao falar sobre o fenômeno chamado “rolezinhos”.

Joanne Mota, da Rádio Vermelho de São Paulo

 

 

O secretário, Netinho, informou que há aproximadamente 12 organizadores à frente dessas convocações. “Conversei, pessoalmente, com essa garotada e verifiquei que não há nenhum nível de politização ou protesto, ou de bandeira política. Essas convocações representam, simplesmente, o anseio de frequentar espaços que eles não estão habituados a frequentar.”

Ao ser questionado sobre a necessidade de se debater a cidade, Netinho de Paula afirmou que São Paulo precisa ser mais tolerante. “Entendemos que uma cidade como São Paulo carece de mais tolerância, precisa ser mais humana. A cidade precisa servir para todos, basta ir até às periferias para perceber a diferença da qualidade de vida para quem mora no centro”, explicou o secretário.

Fato social

“Entendemos o rolezinho como um fenômeno, um fato social. Ele deixa claro que esse jovem quer curtir da ponte pra cá, ele cansou de ficar do outro lado da ponte. E ao atravessar a ponte, esse jovem se depara com uma sociedade paulistana que não quer dividir seus espaços”, elucidou o secretário.

Diante dessa constatação, Netinho afirmou que a secretária está tentando entender o por quê das instutições comercias chamarem a Polícia Militar. “Queremos dialogar com essas instituições comerciais. Já procuramos o Ministério Público e temos uma reunião marcada para o próximo dia 22 de janeiro (quarta-feira) com a Associação Brasileira de Shopping Centers para implementar uma ação conjunta que abra espaço para esses jovens, para que eles possam chegar aos espaços e sem a ação da polícia”, pontuou.

Ao falar sobre a atuação da polícia, o secretário destacou a repressão policial ainda acontece. “As pesquisas mostram que são os jovens negros que são mortos, isso é uma constante em nossa cidade.” Segundo Netinho, a expectativa da secretaria é que, após a reunião do dia 22, as instituições comerciais não chamem a polícia para lidar com os jovens. “Acredito que eles não souberam lidar com a situação”, afirmou.

Combate ao racismo

Netinho também falou sobre o debate que trava contra o preconceito e o racismo. Segundo ele, o desafio é incluir na política pública o debate sobre a questão racial. “Pensar no desenvolvimento da cidade, passa pelo debate da questão racial e o enfrentamento do preconceito e racismo”, afirmou o secretário.

Ele sinalizou que para 2014 a secretaria terá como desafio a efetiva implementação da Lei 10.639, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro e Afro-Brasileira”.

Na oportunidade, Netinho de Paula informou que no próximo dia 24 de janeiro (sexta-feira) a Secretaria Promoção da Igualdade Racial de São Paulo terá inaugurado seu espaço físico. A solenidade já conta com a participação dos ministros Alexandre Padilha e Aloizio Mercadante e da ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros.

Fonte: Vermelho

 

+ sobre o tema

Acompanhe mobilizações pelo país contra o assassinato de #MariellePresente

Acompanhe mobilizações pelo país contra o assassinato de #MariellePresente

“Literatura de mulheres negras pode criar outro mundo possível”, diz Bianca Santana

Convidada do No Jardim da Política da última quinta-feira...

para lembrar

Elaine Thompson-Herah, a mulher mais rápida do mundo

Toca ABBA no Estádio Olímpico de Tóquio, um grande...

Evento estudantil sofre ‘ataque de intolerância’, segundo organização

A 3ª Semana Cultural do Curso de Direito da...

A homofobia em primeira pessoa

Um professor usa seu próprio caso para explicar o...

Onde está o Movimento Negro?

Sorrindo, e triste ao mesmo tempo, vou lendo a...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=