No aniversário de Aleijadinho, conheça episódios de sua infância

Envolta em mistérios, a vida do artista Antônio Francisco Lisboa, conhecido como Aleijadinho, gera discussão até hoje.

 

Nascido no dia 29 de agosto no provável ano de 1730 (não há registros oficiais quanto a data, e alguns optam por 1738), o escravo, gênio ou figura mítica da cultura popular brasileira foi eternizado por suas esculturas produzidas no Estado de Minas Gerais.

Antônio, o “Aleijadinho” viveu há muito tempo na época em que o Brasil era colônia de Portugal, em Vila Rica, que depois levaria o nome usado ainda hoje, de Ouro Preto. Antônio só recebeu o apelido quando adulto, por conta de uma doença muito séria que entortava seus dedos e deformava seu rosto.

O menino era filho de seu Manuel Francisco Lisboa, um arquiteto português que trabalhava com diversas construções, como igrejas e casas. Sua mãe era uma escrava, e por isso ele era escravo também (eram as leis da época). Seu Manuel acabou, ora pois, libertando mãe filho, e depois o levou para morar com ele e a mulher Antônia.

“Quando seu Manuel trabalhava em sua loja de marcenaria, fazendo projetos para construir casas e igrejas, Antônio ia junto. Ficava sentado, bem perto, olhando o pai pegar o grafite e desenhar a parte da frente de uma igreja: a mão subia e depois descia com um traço fino”, retrata a obra.

 

aniversario-de-aleijadinho

O livro resgata um pouco da história da escravidão no Brasil, detalhando personagens comuns à época, como as escravas que usavam turbantes na cabeça e vendiam mandioca, farinha e outros alimentos nas ladeiras da cidade. A tradicional festa de santos também é lembrada, e pelos olhos do menino o leitor sente a rápida euforia de um povo maltratado pela ganância dos colonizadores e interesseiros da região.

“Até que um dia, quando estava com 13 anos, por volta de 1751…
– Antônio, venha me ajudar, faça o projeto do chafariz que será colocado aqui no pátio da casa do governador.
– Sim, pai! Vou pegar papel e grafite – e saiu correndo, todo afobado.”

A partir de então, o garoto não parou mais. E a cada ano ganhava mais respeito e admiração dos artistas e do povo da cidade. E isso continua até hoje.

 

“Aleijadinho”
Autores: Angela Bonito e Carla Caruso
Editora: Callis
Páginas: 24
Quanto: R$ 19,90
Onde comprar: Pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

 

 

Fonte: Folha.com

+ sobre o tema

Ouça “Fight For You”, música da H.E.R e vencedora de Melhor Canção no Oscar 2021

"Fight For You", faixa da H.E.R escrita para o longa Judas e...

As sacerdotisas africanas perseguidas pela Inquisição no Brasil

Entre as histórias da população negra no Brasil que...

Usain Bolt ganha prêmio de Melhor Atleta do Ano da Iaaf

Em cerimônia realizada pela Federação Internacional de Atletismo...

De cortes de cabelo a canetas: conheça o vilarejo onde tudo se chama Obama

Durante sua visita ao Quênia, a partir desta sexta-feira,...

para lembrar

‘Não tenho muito o que me queixar da vida’, diz a cantora Alaíde Costa

Passadas mais de seis décadas de carreira, a cantora...

Sarau Bem Black recebe o escritor paulista Cuti

Autor lança no evento, na próxima quarta (12/06), o...

Yaya Touré e outros jogadores negros ameaçam boicotar a Copa de 2018

Copa será na Rússia, país conhecido pelo racismo exagerado...

10 Características do consumidor africano

A Boston Consulting Group (BCG), empresa de consultoria...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...
-+=