Erykah Badu canta um repertório sofisticado em apresentação em SP

Mais de uma década após sua primeira visita ao país, a texana de 39 anos Erykah Badu voltou ao Brasil neste final de semana trazendo apenas uma coisa na bagagem: sua música. Sem precisar se apoiar em imagens de telões, cortinas especiais ou elementos pirotécnicos e em pouco mais de duas horas da noite deste domingo (29) no Credicard Hall, em São Paulo, a cantora mostrou através de suas composições a confiança de quem já tem cinco grandes álbuns e um prêmio Grammy no currículo.

 

erykah-badu-credicard-hall2

A apresentação começou por volta das 20h30, quando apenas seu DJ apareceu no palco para discotecar hits do hip hop da década de 90. Pouco antes das 21h, o restante da banda surgiu para tocar uma versão instrumental de “Amerykah Promise” e emendar com “20 Feet Tall”, faixa que viu Badu subir ao palco debaixo de muitos aplausos e música de abertura de seu trabalho mais recente.

Lançado em março deste ano, “New Amerykah Part Two (Return of the Ankh)” é o tema da turnê “Out My Mind, Just In Time” e, portanto, seis de suas canções foram executadas em São Paulo: “Window Seat”, “Gone Baby, Don’t Be Long”, “Umm Hmm”, “Love” –quando homenageou o rapper J Dilla– e “Out My Mind, Just In Time”, além da já citada “20 Feet Tall”. A cantora, entretanto, não se esqueceu de passar a limpo seus quase 15 anos de carreira. Estiveram presentes as excelentes “On & On” e “Otherside of the Game”, de “Baduizm” (1997), “…& On” e “Bag Lady”, de “Mama’s Gun” (2000), “I Want You”, de “Worldwide Underground” (2003) e “The Healer” e “Me”, de “New Amerykah Part One (4th World War)”, lançado em 2008.

No palco, Badu é acompanhada por sete impecáveis músicos –os quais ela comanda com pequenos gestos com os braços, pedindo para aumentar ou diminuir a intensidade da parte instrumental– e três ótimas cantoras de apoio, o que traz ao show um aspecto grandioso e deixa seu som rico o suficiente para traduzir ao vivo a qualidade que têm os álbuns de estúdio da compositora.

Mas não há dúvidas de que a verdadeira protagonista da apresentação é a voz de Erykah. Ainda mais espetacular ao vivo, o timbre da cantora conseguiu preencher cada canto do Credicard Hall com muita competência. Também chama a atenção a presença de Badu em cima do palco, atraindo sem esforço os olhares do público durante todo o show. A simpática e performática norte-americana gesticulou bastante durante as canções e atenciosamente pegou todos os itens jogados no palco pelos fãs, além de distruibuir autógrafos durante a última canção.

Após o final de “Bag Lady” por volta das 23h, ficou a certeza de que o fato de Erykah Badu ser hoje um dos nomes mais importantes do R&B norte-americano não é meramente sorte ou acaso. Com um pé no passado e outro no presente, a cantora apresentou sofisticação vocal e a personalidade de uma diva à moda antiga, embora claramente com o olhar e um par de ouvidos sempre apontados para o futuro.

Erykah Badu – “Out Of My Mind Just In Time”

Fonte: UOL

+ sobre o tema

Olímpiadas 2012: Serena Williams arrasa Sharapova e conquista ouro

Serena Williams conquistou sua primeira medalha de ouro nas...

Beyoncé arrasa em apresentação no colégio da Blue Ivy

Imagine que a escola do seu filho vai fazer...

Presidente Obama investe em minorias nas nomeações de juízes federais

Por João Ozorio de Melo Nesta semana, o Senado dos EUA...

Cinema africano desafia preconceitos para expandir horizontes

Thembi Mutch | Think Africa Press Produções e festivais promovem...

para lembrar

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O...

Beyoncé desfila coleção de Tom Ford

Em setembro deste ano, Tom Ford fez um desfile...

Dana White confirma luta entre Anderson Silva e Chael Sonnen

O que todos que acompanham MMA já imaginavam foi...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...
-+=