quinta-feira, maio 28, 2020

    Tag: escultura

    blank

    Museus prestigiam as artistas negras que a história esqueceu

    NATIONAL MUSEUM OF WOMEN IN THE ARTS, GIFT OF THE ARTIST; C. LOIS JONES MAILOULois Mailou Jones, "Ode to Kinshasa," 1972, mixed media on canvas, 48 x 36 in.   Edmonia Lewis No primeiro dia do Mês da História Negra, as boas pessoas do Google abençoaram a internet com um desenho em homenagem a Edmonia Lewis, a primeira mulher de origem afroamericana e indígena americana a ser mundialmente reconhecida como escultora de belas-artes. Lewis, que cresceu enquanto a escravidão ainda era legal nos Estados Unidos, ficou conhecida por suas esculturas de mármore de abolicionistas influentes e figuras mitológicas. Em parte porque ela criou todas suas esculturas à mão, hoje restam poucos originais ou reproduções intactos. Ela morreu em 1907, relativamente desconhecida, e até hoje é menos conhecida que muitos de seus contemporâneos homens e brancos. Esta homenagem merecida a Edmonia Lewis nos levou a pensar nas ...

    Leia mais
    blank

    Galeria Olido recebe 80 obras haitianas em comemoração ao Dia da África

    O Dia da África é celebrado mundialmente no dia 25 de maio e como forma de homenagear a data, a Secretaria Municipal de Promoção e Igualdade Racial com apoio da Secretaria Municipal de Cultura realiza a mostra “Haiti – Vida e Arte”. Entre os dias 25 e 31 de maio, 80 obras do acervo do colecionador haitiano Jacques Bartoli são exibidas na Galeria Olido. O objetivo da mostra é valorizar o rico patrimônio cultural e histórico do Haiti. Uma vez que o país foi a primeira república negra livre do mundo, onde homens e mulheres escravizados na América conquistaram sua liberdade. Depois de quase 300 anos de liberdade negada no período colonialista, os africanos e seus descendentes fizeram do Haiti a colônia mais rica do Caribe. A arte haitiana tem o vodou como inspiração, com seus veves e sincretismos, assim como as religiões afrobrasileiras, exemplo de expressões culturais que atravessaram ...

    Leia mais
    foto19

    Conheça o artista que dá morada aos nossos ancestrais africanos

    Esculpir bustos para a habitação de reis, rainhas, guerreiros e ancestrais africanos: eis a arte de Woodrow Nash. Por Nara Rúbia Ribeiro , do Conti Outra Nascido nos Estados Unidos (Akron, Ohio) no final da década de 40, sua obra é atemporal e denota uma profunda sensibilidade ao dar vida à mitologia africana. Ele desafia os nossos olhos à contemplação de seres que, pela precisão do artista, ganham alma, sentimento, dor ou pureza. Você olha a escultura e se sente intrigado a vasculhar o seu espírito, a desvendar o seu pensamento, como se de fato um ser vivente estive ali. E, olhando bem as esculturas, responda-me: elas têm ou não tem alma? Woodrow Nash fala de sua vida e trabalho no vídeo abaixo – original em inglês, sem legendas.

    Leia mais
    blank

    Rubem Valentim: Marco Sincrético da Cultura Afro-brasileira

    Por sugestão da pesquisadora do Idart Maria Olimpia Vassão (atualmente da Curadoria de Artes Visuais do CCSP), recuperamos do Arquivo Multimeios uma entrevista que ela realizou em 1979 com o escultor Rubem Valentim (1922-1991), autor de uma das peças instaladas na Praça da Sé. No CCSP A gravação, feita em fita cassete, apresenta algumas imperfeições e alterações de rotação que interferem no timbre de voz do artista; mas as características de sua personalidade, seu pensamento e forma de expressão permanecem intactos. TATU no ar! - Rubem Valentim by Ccsp Sp on Mixcloud Este podcast conta com comentários de Maria Olimpia Vassão e Alexandre Bispo, diretor da DACE (Divisão de Ação Cultural e Educativa) do CCSP. Citamos abaixo algumas passagens do Manifesto que Rubem Valentim divulgou em 1976 e que é citado na entrevista. Manifesto ainda que tardio: depoimentos redundantes, oportunos e necessários Minha linguagem plástico-visual signográfica está ligada aos valores míticos profundos de uma cultura afro-brasileira ...

    Leia mais
    blank

    Conheça um pouco da história do mestre Aleijadinho

    Nesta terça, é celebrado o bicentenário de morte do artista barroco. Estudiosos ainda buscam informações sobre a vida do mestre. Por: Cíntia Paes, no, G1 Nascido em Cachoeira do Campo, distrito em Ouro Preto, na primeira metade do século XVIII, Antônio Francisco Lisboa mudou a história da arte no Brasil. Nesta terça-feira (18), celebra-se o bicentenário de morte de Mestre Aleijadinho, como ficou mundialmente conhecido pela deficiência que o acometeu até a morte. Boa parte da produção artística da oficina de mestre Aleijadinho está concentrada na cidade histórica de Ouro Preto. Mas, está em Congonhas o conjunto do Santuário do Bom Jesus do Matosinhos, com os doze profetas esculpidos em pedra-sabão e os seis passos da Paixão de Cristo. Igreja São Francisco de Assis, em Ouro Preto, arquitetadapor Aleijadinho (Foto: Pedro Ângelo/G1) Entre os ícones da produção do artista está a Igreja de São Francisco de ...

    Leia mais
    Arte africana, influente e relegada

    Arte africana, influente e relegada

    As primeiras obras, hoje denominadas por “arte africana”, foram expostas ao mundo ocidental ainda em meados do século 19, mas o foram por motivo perverso. Os chamados “impérios coloniais europeus”, tentando justificar o sanguinário uso de força durante suas invasões, trouxeram estatuetas e máscaras como provas do atraso cultural e intelectual dos povos africanos que se refletiriam nas proporções irrealistas desses exemplares. Nas máscaras não estariam representados os traços humanos por incapacidade de técnica ou inadequada percepção dos artistas africanos. As reproduções do corpo humano eram desajeitadas, grotescas mesmo, devido à incapacidade desses povos de medir, de avaliar. no Blog do Rógerio Cerqueira Leite   Incapazes foram esses europeus do século 19, que não perceberam a profunda simbologia, a expressão mística e a abstração, expressas magistralmente nessas aparentes distorções da realidade e que só viriam a ser um recurso consciente da arte ocidental séculos depois de cotidianamente vivenciada por centenas de ...

    Leia mais
    MESTRE DIDI

    Mestre Didi morre em Salvador

    Sepultamento foi realizado neste domingo, no Cemitério Jardim da Saudade. Artista plástico é um dos principais representantes da cultura afro no país. Morreu aos 95 anos em Salvador o artista plástico e escritor baiano, representante da cultura afro, Deoscóredes Maximiliano dos Santos, conhecido como "Mestre Didi". O corpo do artista nascido em 2 de dezembro de 1917 foi sepultado na tarde deste domingo (6), no Cemitério Jardim da Saudade, na capital baiana. Um amigo da família informou que a morte foi provocada por um câncer de próstata. Mestre Didi criou esculturas focadas na representação de deuses e orixás do Candomblé e, com sua obra sacra singular, ganhou expressão internacional. Ele é considerado um dos principais artistas brasileiros e se utilizava da estética e de elementos da cultura afro-brasileira. Mestre Didi é filho de sangue de Mãe Senhora, umas das ialorixás mais importantes da história da Bahia. O artista é também ...

    Leia mais
    anatsui002

    A genial arte de El Anatsui, a alma escultórica da África atemporal

    El Anatsui é algo ali no âmbito rigoroso do genial, da arte orgânica e inquestionável, transcendentemente bela, surgida não do nada de uma mente individualista de um artista cheio de si, mas das camadas e mais camadas de saber estético e genético herdado, advindo das mais priscas eras, sabe-se lá de onde, das mais intrínsecas memórias africanas. El Anatsui é arte em si, encarnada no artista impregnado de tudo e de todos, ali, filtrando intensas visões do paraíso da arte entranhada em alguém, sabe-se lá porque, como um estigma escalavrado na alma de um escolhido, um qualquer eleito e talhado para ser o que tiver de ser, para o enlêvo emocionado da sua tribo, da sua aldeia, do seu mundo. Beleza pura força da natureza, simplesmente assim. Há sim, aposto com quem quiser, uma quê de Arthur Bispo do Rosário em El Anatsui, mesmo que Bispo do Rosário seja um nome apenas enigmático para o artista ganense ...

    Leia mais
    Manuel Querino

    Manuel Querino

    enviado por Cidinha da Silva Renata Miranda,  "Nomes Afro e Africanos e Seus Significados." Manuel Raimundo Querino nasceu no 28 de julho de 1851, em Santo Amaro, BA. A sua infância foi atribulada, como aliás toda a sua vida. A epidemia de 1855, em Santo Amaro, levara-lhe os pais. Foi confiado aos cuidados de um tutor, o professor Manoel Correia Garcia, que o iniciou nas primeiras letras. Tendo apenas o curso primário, Manuel Querino, aos 17 anos (1868), alistou-se como recruta, viajando pelos sertões de Pernambuco e Piauí, e aí unindo-se a um contingente que se destinava ao Paraguai. Não fui mandado para o Paraguai por motivos de saúde. Foi para o Rio de Janeiro no mesmo ano, ficou empregado no escritório do quartel. Em 1870, foi promovido a cabo de esquadra, e logo depois teve baixa no serviço militar. Voltando a Bahia, começou a trabalhar nas fainas modestas de ...

    Leia mais
    09d6af253cc05a7176bfc07bf2d444f9

    Fundação Palmares realiza mostra com peças de 19 países africanos

    A arte e a cultura de 19 países do continente africano entrou em exposição em Brasília nesta segunda (27) até 6 de setembro, no Salão Negro do Ministério da Justiça. A exposição Arte e Cultura Africana é realizada pela Fundação Cultural Palmares, instituição vinculada ao Ministério da Cultura (FCP/MinC), e integra as ações de aniversário da fundação, que comemorou 24 anos no último dia 22. São móveis, quadros, esculturas e artefatos, dentre as 130 peças que retratam os costumes dos povos africanos. "A heterogeneidade das práticas culturais existentes em solo africano é marcante e, talvez, a principal contribuição ofertada pelos seus habitantes à humanidade", declara o curador da exposição, Carlos Eduardo Trindade. Os objetos expostos fazem parte do acervo das embaixadas de África do Sul, Angola, Argélia, Benin, Burkina Faso, Botsuana, Cabo Verde, Cameroun, Etiópia, Gana, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Mauritânia, Marrocos, Moçambique, Nigéria, Sudão, Zâmbia e Zimbábue. "A exposição fará ...

    Leia mais
    ALeqM5ij073l5QmRDnnziTW9mFCt45PuWA

    Egito, Síria e Mali, pontos negros para o patrimônio cultural mundial

        PARIS — Egito, Síria e Mali estão entre os três pontos negros no planeta para o patrimônio cultural, vítimas de um tráfico equiparável ao de drogas ou de armas que a Unesco quer denunciar com uma exposição de "tesouros encontrados", apresentada nesta terça-feira em Paris. A lista reúne cerca de 30 obras originais, do século IV antes de Cristo até o XVII, que foram roubadas e depois recuperadas pela polícia italiana, uma das melhores do mundo neste campo, entre elas uma carta em latim de Cristóvão Colombo desaparecida em uma biblioteca da Itália em 1986 e encontrada seis anos depois. "Não estamos preocupados apenas com as guerras, e sim com situações como as da Síria, onde os bens culturais estão em perigo", explicou Alberto Deregibus, chefe da unidade especializada dos Carabinieri (elite da Polícia da Itália) que colabora com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a ...

    Leia mais
    caters

    Londres 2012: Artista faz miniatura de tocha olímpica que cabe em buraco de agulha

    Willard Wigan precisou meditar e usar microscópio para conseguir completar obra. Um artista britânico criou uma minúscula tocha olímpica, que cabe dentro do buraco de uma agulha, para comemorar a realização dos jogos em Londres este ano.   Além de criar a 'menor tocha do mundo' com detalhes impressionantes a partir de um pequeno pedaço de ouro 24 quilates, o microescultor Willard Wigan adicionou ainda à obra os cinco anéis olímpicos, usando um mini cinzel de diamante. 'A parte mais difícil foi esculpir os cinco anéis. Fazer com que eles ficassem com circunferência perfeita foi incrivelmente complicado', disse o artista. 'Fazer algo deste tamanho é muito cansativo. Primeiro, preciso gravar a imagem na minha cabeça e depois eu desacelero o meu sistema nervoso para evitar que eu trema, garantindo que cada corte seja feito entre batimentos cardíacos.' 'Eu tenho que entrar em um estado meditativo antes de começar', disse Wigan. ...

    Leia mais
    aleijadinho

    Será que ele é?

    Por: Jotabê Medeiros O que credencia um Aleijadinho a se tornar um Aleijadinho? É uma questão complexa. A atribuição de uma obra do maior mestre do barroco brasileiro tem percorrido caminhos sinuosos e controversos desde sua assunção como unanimidade nacional no governo Getúlio Vargas, por intermédio dos esforços de Rodrigo Melo Franco de Andrade (1898-1969), primeiro diretor do Serviço do Patrimônio Histórico Nacional, em 1936. Uma imagem em madeira de um santo católico, encontrada por acaso pela reportagem do Estado no último dia 3 de março em Santiago, Chile, atiçou a curiosidade dos especialistas e revolveu a terra sedimentada das atribuições. A imagem, segundo a curadoria do pequeno Museo Merced, de Santiago, representa San Pedro Pascual e seria de autor anônimo de Lima, no Peru. Mas mesmo um exame leigo na estátua, no entanto, mostra um gigantesco leque de coincidências com aquilo que se convencionou chamar de estilemas do Aleijadinho ...

    Leia mais
    Obra a 1 do artista achada fora do Pais aleijadinho

    Encontrada no Peru escultura de Aleijadinho

    Obra é a 1ª do artista achada fora do País Uma imagem sacra esculpida por volta de 1760 por Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, foi localizada em uma igreja da cidade de Cusco, no Peru, na semana passada. É a primeira obra do mestre do barroco encontrada fora do Brasil e provavelmente foi levada pelos jesuítas, expulsos do País em 1759. O busto de 20 centímetros, em madeira pintada, foi descoberto pelo pesquisador Marcelo Coimbra, de Itu. A atribuição da autoria ao mestre do barroco foi feita pelo historiador mineiro Márcio Jardim, autor do Catálogo Geral da Obra de Aleijadinho, lançado em outubro. Coimbra viajou a Cusco para estudar o barroco andino, que, segundo ele, guarda semelhanças com a arte de Ouro Preto na época do Brasil colônia. "Estava observando o altar-mor da Igreja da Companhia de Jesus, na Praça das Armas, quando vi uma imagem com as características de ...

    Leia mais
    Barcos africanos que viram moveis

    Barcos africanos coloridos agora são móveis

    Na costa oeste da África, os pescadores mantém a tradição de decorar seus barcos com cores alegres e desenhos geométricos. Quando eles retornam para a praia após um dia de pesca, eles são vistos à distância como partes de um extenso mosaico colorido. Mas depois de uma longa vida nos oceanos, após percorrer muitas milhas náuticas na água, os barcos africanos devem ser aposentados. E foi assim que um time de designers espanhóis pensou em reaproveitar a madeira das embarcações para construir móveis exclusivos que preservam a história dos pescadores. O primeiro passo da empresa foi buscar os barcos abandonados e formar a equipe de artesãos locais. Não demorou muito para que todos ficassem apaixonados pelo projeto, criando laços sociais e culturais muito fortes entre eles. Depois que os barcos africanos eram negociados com os pescadores e levados para a oficina, os artesãos discutiam sobre como tirar o máximo proveito ...

    Leia mais
    Aleijadinho

    Aleijadinho

    Cristo carregando a cruz, Santuário de Congonhas do Campo Auto-Retrato Antônio Francisco Lisboa, mais conhecido como Aleijadinho, (Vila Rica, 29 de agosto de 1730 - Vila Rica, 18 de novembro de 1814) foi um escultor, entalhador, desenhista e arquiteto no Brasil colonial. Com um estilo relacionado ao barroco e especialmente ao rococó, é considerado o maior expoente da arte colonial em Minas Gerais (comumente chamada barroco mineiro) e no Brasil colônia em geral. Toda sua obra foi realizada em Minas Gerais, especialmente nas cidades de Ouro Preto, Sabará, São João del-Rei e Congonhas do Campo. Os principais monumentos que contém suas obras são a Igreja de São Francisco de Assis de Ouro Preto e o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. Biografia Muitas dúvidas cercam a vida de Antônio Francisco Lisboa. Praticamente todos os dados sobre sua vida são derivados de uma biografia escrita em 1858 ...

    Leia mais
    Emanuel Araujo

    Emanoel Araújo: “Na Bahia, Rodin virou vendedor de acarajé”

    por Claudio Leal Na segunda parte da entrevista especial, Emanoel Araújo relata sua experiência à frente da Pinacoteca de São Paulo, na década de 1990, e as reações "absolutamente racistas" à sua presença na instituição cultural. - Na época, o governador Fleury recebeu montes de pedidos para revogar a nomeação e até foi publicado um abaixo-assinado com a assinatura de muitas pessoas conhecidas e ditas amigas. A gestão de Emanoel Araújo se tornou histórica, por recuperar e modernizar o prédio da Pinacoteca, transformando-a num dos principais destinos culturais da capital paulista. Idealizador do Museu Rodin Bahia, o artista plástico critica a condução do projeto. "Na Bahia, Rodin virou vendedor de acarajé", ironiza. Segundo o diretor-curador do Museu Afro-Brasil, as obras do escultor francês não foram bem expostas e a curadoria "avacalhou" Rodin. Emanoel abortou uma exposição individual no museu, depois de enfrentar funcionários do Estado por ele qualificados como "magarefes ...

    Leia mais
    tog

    “A beleza e o sofrimento” – conversa com o artista Barthélémy Toguo

    A passagem de Barthélémy Toguo por Lisboa em 2009 foi pretexto para a conversa que se segue. Apresentou no espaço Carpe Diem a instalação Road for Exile integrada numa programação sobre a ideia de viagem, exílio, solidão, medos urbanos e barbárie. A conversa que tivemos é uma ocasião para revisitar os seus projectos anteriores, as suas origens camaronesas e as viagens. Barthélémy Toguo é um dos mais importantes artistas internacionais da sua geração, e tem uma obra que organiza o mundo como um ciclo de vida e de morte. Em que contexto surgiu o convite para expor em Lisboa? Em 2007 expus na Bienal de S. Tomé e Príncipe, e aí conheci Paulo Reis que também fora convidado. Encontrámo-nos várias vezes naqueles dias e falámos de temas que nos interessavam, as alterações e a evolução do mundo, os diferentes contextos da arte contemporânea, a economia mundial, as trocas norte-sul, etc. ...

    Leia mais
    aleijadinho

    No aniversário de Aleijadinho, conheça episódios de sua infância

    Envolta em mistérios, a vida do artista Antônio Francisco Lisboa, conhecido como Aleijadinho, gera discussão até hoje.   Nascido no dia 29 de agosto no provável ano de 1730 (não há registros oficiais quanto a data, e alguns optam por 1738), o escravo, gênio ou figura mítica da cultura popular brasileira foi eternizado por suas esculturas produzidas no Estado de Minas Gerais. Antônio, o "Aleijadinho" viveu há muito tempo na época em que o Brasil era colônia de Portugal, em Vila Rica, que depois levaria o nome usado ainda hoje, de Ouro Preto. Antônio só recebeu o apelido quando adulto, por conta de uma doença muito séria que entortava seus dedos e deformava seu rosto. O menino era filho de seu Manuel Francisco Lisboa, um arquiteto português que trabalhava com diversas construções, como igrejas e casas. Sua mãe era uma escrava, e por isso ele era escravo também (eram as ...

    Leia mais
    Página 1 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist