No Orun: morre o fotógrafo Januário Garcia

Enviado por / FontePOR THIAGO GOMIDE, do O Dia

Realizador de fotos que marcaram gerações e incansável militante do movimento negro, Januário Garcia era um dos mais premiados fotógrafos brasileiros

Foi o Cais do Valongo receber em 2017 o título de Patrimônio Histórico da Humanidade, pela UNESCO, que uma festa se formou no centro da cidade. Movimentos negros se juntaram para a justa comemoração.


Como cansei de presenciar em outras circunstâncias, Januário Garcia registrava tudo. A cena lembrava dos mergulhadores de apneia: tomava ar e descia às profundezas. O fotógrafo mirava o alvo, refletia, apertava o olho no visor e depois se afastava para ver o resultado na tela. Januário ia ao fundo.

Acompanhado de uma pequena equipe da MultiRio, fui ouvir o mestre. Gostaria que ele traduzisse para o espectador o que representava aquela condecoração ao maior porto de entrada de pessoas escravizadas nas Américas.

“É um reconhecimento da nossa luta, é um reconhecimento desses anos todos que lutamos nesse país…É recontar essa história do Brasil que não foi contada. Nós conhecemos a história do caçador, mas na hora que o leão começar a escrever, vai ser difícil. Esse é o nosso caso. Nós estamos começando a escrever a nossa história”, riu graciosamente o mineiro de Belo Horizonte. 

Januário foi incansável na recontagem dessa e de muitas outras histórias. Foi importante peça nas inúmeras batalhas do movimento negro. Organizou exposições sobre temas sensíveis à memória de pessoas escravizadas. Nos brindou com livros sobre a cultura afro-brasileira.Foi presidente do Instituto de Pesquisas das Culturas Negras (IPCN).

As fotos de capas de discos costumavam ser obras de arte – levando esse talento brasileiro para o exterior. Quem contribuiu e muito para isso foi Januário. “Alucinação”, de Belchior, e “Cores Nomes”, de Caetano Veloso, por exemplo, têm a assinatura dele.

No tal encontro no Cais do Valongo, ele repetiu uma de suas frases mais célebres: “existe uma história do negro sem o Brasil. O que não existe é uma história do Brasil sem o negro”.

Nas redes sociais, inúmeros amigos repercutem a morte do artista, de complicações da Covid-19, aos 77 anos.

“Janu, para os íntimos, era um grande fotógrafo, militante político e do movimento negro, figura querida por todos, um exemplo de caráter, honestidade e pessoa, escreveu no Instagram o presidente do Detran Adolpho Konder..

 “Muita tristeza! Acabamos de perder para a Covid-19 uma referência na luta antirracista, uma inspiração para minha geração. Januario Garcia, o Janu, fotografou nossa história por décadas. Obrigada por tudo! #RIP”, lamentou a jornalista Luciana Barreto, atualmente na CNN.

*Em novembro de 2020 Januário Garcia disponibilizou imagens de seu acervo para compor a exposição virtual 1970-1980: Nacionalização do Dia da Consciência Negra no Brasil.

Leia Também:

Rio de Todas as Áfricas: Diásporas Cariocas nas Lentes de Januário Garcia

Inauguration de l’exposition de Januário Garcia – 26 février 2012

Januário Garcia: Mulheres Negras em Diáspora de Januário Garcia

+ sobre o tema

Representatividade: Uma música especialmente para as cacheadas e crespas

Representatividade para cacheadas e crespas: Uma música especialmente para as...

Vendedores de mate e biscoito de polvilho são declarados Patrimônio Cultural Carioca

Prefeito participou da cerimônia que torna os ambulantes símbolos...

Blaise Musipere: do Congo para as telinhas brasileiras

O simpático ator Blaise Musipere, de 28 anos, nasceu...

Rapper dos EUA é preso por tráfico de drogas no Espírito Santo

Um cantor de rap americano, filho de pais brasileiros,...

para lembrar

Onde estão os intelectuais negros do Brasil?

Conheça dois projetos que querem combater a invisibilidade do...

Papo Aberto: Xenia França – Sem definições e muito empoderamento

A cantora, que será uma das atrações principais do...

Seleção brasileira enfrenta Alemanha de Cacau em amistoso

Após a eliminação na Copa América, técnico Mano Menezes...
spot_imgspot_img

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=