Nome e sobrenome: a importância das intelectuais negras para a pesquisa acadêmica

Na coluna de estreia, Midiã Noelle sugere que o leitor conheça melhor o trabalho de Ana Flávia Magalhães Pinto, Ana Luiza Flauzina e Carla Akotirene

por Midiã Noelle no Correio 24h

Olá carx leitxr. Me chamo Midiã Noelle Santana e estarei todas as quintas-feiras aqui contigo. De início, já explico: geralmente me apresento assim, com nome e sobrenome. Internalizei essa prática após orientação da socióloga Vilma Reis inspirada em citação da antropóloga Lélia Gonzales (in memorian), e compreendi que se a gente – população negra – não afirma nossa própria existência, o racismo chega sorrateiro e nos nomeia como lhe convir. Aproveito ainda para convidar pessoas não negras a lerem os conteúdos, tomarem um chá de empatia e se aliarem na luta antirracista.

Não à toa iniciamos a coluna neste mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, em 25 de julho, e que mulheres negras de todo o Brasil se mobilizam em seus estados com atividades em torno da pauta. Chego para reforçar as reflexões sobre negritude – trazidas também na coluna do ator Érico Brás – a partir do meu lugar de fala enquanto feminista e militante do movimento de mulheres negras. E para iniciar a nossa jornada aqui no @Correio24horas falarei sobre três intelectuais negras que vêm trazendo em suas obras literárias narrativas potentes e a partir de reflexões históricas.

Sabemos que as mulheres negras estão nos piores índices socioeconômicos do Brasil. Mas, é sabido também, que em paralelo, são elas mesmas a linha de frente para mudar as realidades impostas pelo combo: racismo, machismo, sexismo, lgbtfobia e outros crimes e formas de violência. E esse enfrentamento também se dá através do registro da memória destas lutas em produções intelectuais. Muitas obras são produzidas por negras sem formação superior, como Carolina de Jesus, autora de “Quarto de Despejo”, traduzido para mais de dez idiomas. As admiro e me reenergizo em suas escrevivências (termo cunhado por Conceição Evaristo), mas considerando especificamente a situação atual de desmonte das universidades públicas no Brasil, destaco aqui nomes importantes da pesquisa acadêmica na atualidade: Ana Flávia Magalhães Pinto, Ana Luiza Flauzina e Carla Akotirene.

Ana Flávia Magalhães: em meus tempos de estagiária, Ana Flávia foi minha anja da guarda. Amiga de minha primeira chefa, ela aliviava as broncas e saía em minha defesa quando eu era “foca”, iniciante no jornalismo. Na época não a conhecia, nem sabia disso, mas anos depois, quando descobri, fiquei honrada. Ana é uma jornalista e historiadora de referência, mestre em História pela Universidade de Brasília e doutora e pós-doutora em História pela Univerdade de Campinas. Neste ano lançou o “Escrito de liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista”. No passado, nomes como os de José do Patrocínio e Luiz Gama ocuparam jornais de forma estratégica para contribuir no movimento abolicionista. Estas e muitas outras histórias estão na publicação. A intelectual é uma inspiração por nos transportar ao passado e potencializar novas formas de resistência. Atualmente é professora de Teoria e Metodologia do Ensino de História na UNB.

Ana Luiza Flauzina: O livro “Corpo Negro Caído no Chão: o sistema penal e o processo genocida do Estado brasileiro” desta advogada e historiadora foi uma das principais fontes de pesquisa que utilizei para concluir a minha dissertação. Por sorte, a vida me possibilitou conhecê-la. E fiquei ainda mais fã. Uma conversa equivale a uma aula! Atualmente é professora da Faculdade de Educação da UFBA, mas também já lecionou na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Ela é mestra em direito pela UNB, doutora em direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Washington e pós-doutora pelo Departamento de Estudos da África e da Diáspora Africana da Universidade do Texas. Diretora de criação da editora Brado Negro, Ana é uma referência importante para compreender o racismo institucional no sistema de justiça brasileiro. Se você quer entender sobre o mito da democracia racial a partir de um olhar histórico cronológico forjado pela nossa herança colonial, ela é fundamental! Aconselho também “Utopias de nós desenhadas a sós”.

foto-Alexandre Alves

Carla Akotirene: Ser de leveza espiritual e força, é uma mulher com uma trajetória forte. Inicio contando que Carla me fez refletir sobre a importância do meu processo de autoria e reconhecimento enquanto intelectual. Se estou aqui, em parte, é graças a ela. A pesquisadora lançou em 2018 o livro “O que é Interseccionalidade?”, na coleção Femininos Plurais, idealizada pela filósofa Djamila Ribeiro. Carla, que já trabalhou como cordeira no carnaval de Salvador, hoje é assistente social do município, onde cuida de mulheres que sofrem violência doméstica. É mestra e doutoranda em estudos feministas pela UFBA, tendo como tema de pesquisa a interseccionalidade no sistema prisional. Akotirene também criou projeto Opará Saberes, de instrumentalização para estudantes negros/as entrarem em cursos de mestrado e doutorado em instituições de ensino público e lecionou no Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher da UFBA.

Arquivo Pessoa – Correio 24h

Nossos passos vêm de longe e sabemos que há muitas escritoras e pesquisadoras negras incríveis, tais como: Zelinda Barros, Cidinha da Silva, Lívia Natália, Beatriz Nascimento, Jurema Werneck, entre tantas outras. Ao longo dos próximos textos buscarei trazê-las. Desta vez, os caracteres me limitaram. O ser mulher negra não cabe em uma coluna, mas espero contar contigo para irmos pensando juntxs sobre isso. Ubuntu.

+ sobre o tema

Hashtag expõe o que é relacionamento abusivo

A internet é muito importante para o atual movimento...

Feministas de todo o mundo se reúnem para debater o avanço do conservadorismo

Evento da Marcha Mundial de Mulheres acontece em São...

Teresa Cristina, que já era imensa, saiu ainda maior do programa Roda Viva

Poucas vezes ou quase nenhuma na vida vi uma...

Leci Brandão, “socialista com certeza”, fala de política e samba

Fonte: Portal Vermelho - As longas guias de contas azul-marinhas...

para lembrar

Violência contra mulheres e meninas no campo sangram territórios tradicionais

Mais de 400 mulheres do campo detidas e intimidadas...

Mulher de 22 anos é violentada após deixar bar na Cantareira

Segundo vítima, estuprador a levou para as margens da...

Não vá sozinha a Delegacia da Mulher

Quando militamos no movimento feminista é comum mulheres nos...

Japoneses ‘gritam’ em público para declarar amor às mulheres em festival anual

Pelo nono ano consecutivo, o Japão comemora no dia...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=